InicioMundoÁfricaRDC: banco central divulga relatório de auditoria financeira de 2019

RDC: banco central divulga relatório de auditoria financeira de 2019

Esta é a primeira vez que o Banco Central da República Democrática do Congo publicou em seu site a auditoria de suas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2019, realizada pela primeira vez pela empresa de auditoria Deloitte. Era uma exigência do FMI que exige mais transparência do país.

Sem surpresa, a conta geral do tesouro estava no vermelho em 31 de dezembro de 2019. Mas este relatório revela a existência de cerca de trinta subcontas, próprios credores, que poderiam ter sido utilizadas para compensar esse déficit, como a que tem direito “  Apoio ao orçamento da União Europeia  ”. Por conta disso dormem mais de 50 milhões de dólares. No entanto, o último apoio da União Europeia data de 2010 e girou em torno desse montante.

A maior parte dessas subcontas deveriam, sem dúvida, ter sido acertadas há muito tempo, como a da Cúpula da Francofonia realizada em 2012. A firma Deloitte não dá nenhuma explicação para tudo isso.

Também descobrimos que a Casa da Moeda que imprime notas congolesas, mas também documentos especiais, tem muitos credores: ministérios como o do ensino primário, fundos públicos como o Fundo de Promoção da Indústria ou mesmo duas das 26 províncias do país, como a rica Haut Katanga.

Dívidas ao Burundi e Ruanda

Em 31 de dezembro de 2019, o Banco Central também tinha dezenas de milhões de dólares alojados em alguns bancos comerciais, como Afriland e BGFI – bancos bastante controversos. No entanto, teve de repatriar ainda mais outros bancos, a pedido do FMI, para repor as reservas cambiais.

Neste relatório de auditoria, ficamos sabendo também que o Banco Central do Congo está em dívida com Ruanda por pouco mais de um milhão de dólares, e com Burundi por mais de 4 milhões, sem ninguém saber desde então. quando essas dívidas foram contraídas.

Este relatório foi um pedido do Fundo Monetário Internacional antes de lançar negociações para um programa de assistência real. Mesmo que acolha este primeiro passo, a sociedade civil congolesa continua a acreditar que estamos longe da transparência prometida. Para o ex-banqueiro e denunciante, Jean-Jacques Lumumba, são muitos números, sem qualquer explicação real: “  O relatório não é muito explícito em muitos pontos, em muitas questões e não pode explicar as razões para várias variações. 

FonteRFI

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.