InicioMundo LusófonoPortugalAngolano agredido violentamente em Portugal

Angolano agredido violentamente em Portugal

O cidadão angolano Pitra António Bondo, residente em Portugal, denunciou, esta sexta-feira, a violenta agressão física de que foi alvo no decurso desta semana, na cidade do Porto.

O Consulado de Angola no Porto já tomou conhecimento da ocorrência e aconselhou o ofendido a apresentar queixa às autoridades judiciais, tendo já sido constituído um advogado para dar início ao respectivo processo.

Em declarações à Angop, Pitra António Bondo, jurista e investigador, residente em Portugal por motivos de estudos, explicou que os factos ocorreram no  dia 28 de Setembro, na cidade do Porto.

Nesse dia, foi alvo de um ataque por parte de um grupo de 22 elementos, incluindo dois agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP).

A agressão, segundo o lesado, ocorreu na sequência de um embate da sua viatura numa outra, sem ocupantes, que estava estacionada, quando tentava evitar um outro choque com outro carro que vinha em sentido contrário.

“No veículo em que embati, não se encontrava ninguém. No local, estavam  agentes da Polícia Municipal do Porto, que me pediram para sair do carro e, logo de seguida, chegaram os proprietários do Audi, que começaram a agredir-me brutalmente”, disse.

Segundo precisou, indefeso e sem alguém para o ajudar, começou a sangrar e logo perdeu os sentidos, até que chamaram o Instituto Nacional de Emergências Médicas (INEM), que o transportou para o hospital Santo António.

Em Janeiro de 2020, a cidadã luso angolana Cláudia Simões foi também espancada por agente da PSP, por esta se ter esquecido do passe de transporte da filha.

A Angop, que procurou, em vão, obter outras versões sobre a ocorrência, continuará a trabalhar no sentido do acompanhamento de novos desenvolvimentos da situação.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.