- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques João Lourenço - Três anos de governação

João Lourenço – Três anos de governação

O Presidente da República, João Lourenço, assinalou, no último sábado (26), o terceiro ano do seu mandato de cinco anos, marcado pelo forte impacto negativo da Covid-19 na economia angolana, em particular, e na sociedade, em geral.

O Chefe de Estado assumiu o poder a 26 de Setembro de 2017, em substituição de José Eduardo dos Santos, na sequência das quartas Eleições Gerais e democráticas do país.

João Lourenço foi investido no cargo pelo então Juiz Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional, Rui Ferreira, durante uma cerimónia solene em que vincou, de forma clara e contundente, as principais linhas da sua estratégia de governação.

Presidente da República, João Lourenço, por altura do seu primeiro discurso, após a investidura no cargo.
(FOTO: PEDRO PARENTE)

“Para corresponder à grande expectativa criada em torno da minha eleição e a confiança renovada no MPLA, governarei usando todos os poderes que a Constituição e a força dos votos dos cidadãos expressos nas urnas me conferem”, exprimiu, à epoca.

No começo do novo ciclo político, o terceiro Presidente da República de Angola afirmou que a Constituição seria a sua “bússola de orientação e as leis o critério de decisão”, tendo, na altura, reassumido o compromisso de executar as suas promessas eleitorais.

Para tal, prometeu implementar “políticas públicas que vão ao encontro dos anseios dos cidadãos e com uma governação inclusiva, que apele à participação de todos os angolanos, independentemente do seu local de nascimento, sexo, língua materna, religião, condição económica ou posição social”.

Nota de realce é que João Lourenço assumiu os destinos da nação num cenário macro-económico bastante adverso, tendo como desafios prementes e inadiáveis a recuperação e diversificação da economia nacional, bem como a manutenção da estabilidade política.

O Chefe de Estado tinha pela frente uma tarefa difícil, do ponto de vista político, económico, social e até diplomático. O país que acabava de “herdar” estava quase “no fundo do poço”. Cabia-lhe, pois, pôr em prática as principais promessas eleitorais: combater a corrupção, fortalecer o Estado democrático e de direito, diversificar a economia e melhorar as condições de vida da população.

Investidura do Presidente da República, João Lourenço.
(FOTO: PEDRO PARENTE)

Desde logo, assumiu o compromisso de governar para todos os angolanos, tendo afirmado que, ao longo do mandato, o Executivo iria “procurar fixar a taxa de inflação em limites aceitáveis e controláveis”.

Para os cinco anos de mandato, advertiu que adoptaria políticas que obrigariam a imposição de regras rígidas de política cambial e fiscal, e apostaria no reforço dos sistemas de controlo de actos ilícitos que pudessem descredibilizar o sector financeiro e bancário, dentro e fora do país.

Segundo disse o Presidente angolano, no seu discurso de posse, o crédito à economia estaria de acordo com as necessidades dos agentes económicos, com foco para a diversificação da economia, a redução drástica das importações e a aposta nas exportações.

Foi com estas e outras previsões que João Lourenço, nascido no Lobito, província de Benguela, aos 5 de Março de 1954, começou um mandato histórico, “repleto” de obstáculos, principalmente impostos por fortes grupos económicos que constituíram monopólios com fundos públicos.

Volvidos três anos, o Chefe de Estado continua a vincar a sua determinação de combater os males que enfermaram o país, liderando um árduo combate contra várias figuras envolvidas em actos de corrupção, peculato, branqueamento de capitais e outros crimes financeiros.

Investidura do Presidente da República, João Lourenço.
(FOTO: PEDRO PARENTE)

Importa realçar que o Presidente assinala o terceiro ano de mandato num cenário de grandes dificuldades económicas e profundos problemas sociais, derivados da pandemia da Covid-19.

Este terceiro ano de governação de João Lourenço resume-se, essencialmente, numa quase total paralisação dos sectores vitais e estratégicos do país, sobretudo da economia.

Trata-se de uma realidade semelhante à de dezenas de Estados, incluindo os do primeiro Mundo, que se ressentem, de forma notória e inequívoca, do impacto da Covid-19, cujos números já apontam para mais de 31,9 milhões de infectados e mais de 978 mil mortos.

Apesar das contrariedades, João Lourenço mantém-se firme em realizar as promessas eleitorais e devolver a esperança aos angolanos, pese embora as incertezas trazidas pela Covid-19, que fez aumentar a taxa de desemprego, baixar a produção industrial, agrícola e as receitas públicas.

No âmbito desta efeméride (26 de Setembro), a ANGOP traz um balanço das principais realizações do Executivo, concretizadas entre 2017 e 2020, e projecções do que poderão, eventualmente, vir a ser os dois derradeiros anos do primeiro mandato do Presidente angolano.

Entre em contacto com os textos, nesse Especial 3 Anos de João Lourenço.

- Publicidade -
FonteAngop
- Publicidade -

Pai de Rosa Grilo constituído arguido

O pai de Rosa Grilo foi, na terça-feira, constituído arguido na sequência do homicídio do triatleta e está acusado de simulação de crime, favorecimento...
- Publicidade -

Covid-19: Angola e China abordam reforço da cooperação

O reforço da cooperação entre Angola e a República Popular da China, na prevenção e no combate à pandemia da covid-19, dominaram, nesta terça-feira,...

Cage One estreia na maior Exposição do Hip Hop do Mundo, Bet Hip hop Awards 2020

O artista da LS, Cage One, vai se estrear na maior exposição do Hip Hip do Mundo, Bet Hip hop Awards 2020,...

Cuanza-Sul: Suposto homicida detido no município da Cela

A Polícia Nacional deteve ontem, no município da Cela, um cidadão nacional de 17 anos de idade, por estar implicado no crime de homicídio...

Notícias relacionadas

Pai de Rosa Grilo constituído arguido

O pai de Rosa Grilo foi, na terça-feira, constituído arguido na sequência do homicídio do triatleta e está acusado de simulação de crime, favorecimento...

Covid-19: Angola e China abordam reforço da cooperação

O reforço da cooperação entre Angola e a República Popular da China, na prevenção e no combate à pandemia da covid-19, dominaram, nesta terça-feira,...

Cage One estreia na maior Exposição do Hip Hop do Mundo, Bet Hip hop Awards 2020

O artista da LS, Cage One, vai se estrear na maior exposição do Hip Hip do Mundo, Bet Hip hop Awards 2020,...

Cuanza-Sul: Suposto homicida detido no município da Cela

A Polícia Nacional deteve ontem, no município da Cela, um cidadão nacional de 17 anos de idade, por estar implicado no crime de homicídio...

‘Dino’ e ‘Kopelipa’: Generais aguardam por medidas de coacção

Os generais Leopoldino do Nascimento “Dino” e Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa” aguardam pela notificação das medidas de coacção a serem aplicadas pela Procuradoria-Geral...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.