- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Sociedade SINPROF rejeita regresso às aulas

SINPROF rejeita regresso às aulas

O Sindicato Nacional dos Professores de Angola, SINPROF, rejeitou hoje o programado regresso às aulas na segunda-feira afirmando não existirem condições para garantir a segurança dos alunos e professores face à pandemia do coronavírus.

A posição foi defendida hoje 30 do mês e ano em curso na cidade do Sumbe pelo presidente do SINPROF Guilherme Silva.Guilherme Silve numa conferencia de imprensa em que forneceu números sobre o viu durante visitas a escolas através do país.

Das 299 escolas do II ciclo do ensino secundário que mereceram visitas do presidente do SINPROF, só 22,4% têm mínimas condições criadas para o retorno as aulas.Para o I ciclo do ensino secundário foram visitadas 345 escolas e destas apenas 4,9% estão em condições. Quanto ao ensino primário Guilherme Silva disse que das 602 escolas apenas 3% destas estão em condições: “A quase totalidade das escolas visitadas (sobretudo as do ensino primário e do I ciclo do ensino secundário) não possui pessoal preparado para proceder a higienização e a desinfecção das salas de aulas, antes das aulas, nos intervalos entre os dois períodos lectivos definidos em cada turno e depois das aula”, disse.

“ A maioria das escolas visitadas não possui materiais de biossegurança (água, álcool em gel, detergentes) e s poucas que possuem, sobretudo os detergentes, não permitem a sua sustentabilidade para mais de uma semana”, disse o dirigente sindicalista que exemplificou com o caso “na província do Uíge onde a escola primária na localidade do Mbemba Ngango com 25 salsa de aulas e 4.000 alunos, o máximo que recebeu da administração municipal do Uíge foi um tambor adaptado para desinfecção das mãos, 4 barras de sabão, 2 pacotes de omo e um litro de lixívia”.

O sindicalista diz estar ciente que a pandemia não acaba agora o que torna necessário “ensaiar mecanismos de adaptação e convivência com a Covid-19 nas escolas”.

“Porém o SINPROF não é favorável ao retorno às aulas nas condições em que se encontra, infelizmente a maioria das escolas do país, por entender que a escola enquanto espaço de convivência deve ser adaptada ao contexto vigente para melhor cumprir coma sua função social”, disse.

Para Guilherme Silva…“não se está a exigir o ideal, porque mesmo em circunstancias normais o razoável nunca existiu nas nossas escolas”.

“Não pode haver um recomeço assimétrico em termos de condições, porque o valor da vida é igual para todos e, em todos os lugares”, acrescentou o dirigente do Sinprof para quem “se o executivo conseguir operar um milagre nos cinco dias que restam para o retorno às aulas, o que não acreditamos, não teremos dificuldades em subscrever esta pretensão.

“Doutro modo, não seremos participes de acções improvisadas e de desrespeito à vida e a dignidade dos vários intervenientes do contexto escolar”, acrescentou

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -

Economia de Angola sofre recessão de 8,8% no segundo trimestre

A economia de Angola registou um crescimento negativo de 8,8% no segundo trimestre deste ano face ao período homólogo, anunciou hoje o Instituto Nacional...
- Publicidade -

Explosão de engenho provoca três feridos no Cunene

Três pessoas com idade entre 36 a 47 anos de idade ficaram, nesta segunda-feira, gravemente feridas, na localidade de Oshomukuyo, arredores da cidade de...

Malanje: CASA-CE quer mais empenho dos quadros

O secretário provincial executivo da CASA-CE em Malanje, Moisés Ngunza, pediu mais acções dos quadros da organização, para a revitalização da coligação, face aos...

Samakuva defende diálogo entre forças políticas

O ex-líder da UNITA, Isaías Samakuva, defendeu, esta segunda-feira, o diálogo entre o Governo e as formações políticas, para evitar "situações susceptíveis de perturbar...

Notícias relacionadas

Economia de Angola sofre recessão de 8,8% no segundo trimestre

A economia de Angola registou um crescimento negativo de 8,8% no segundo trimestre deste ano face ao período homólogo, anunciou hoje o Instituto Nacional...

Explosão de engenho provoca três feridos no Cunene

Três pessoas com idade entre 36 a 47 anos de idade ficaram, nesta segunda-feira, gravemente feridas, na localidade de Oshomukuyo, arredores da cidade de...

Malanje: CASA-CE quer mais empenho dos quadros

O secretário provincial executivo da CASA-CE em Malanje, Moisés Ngunza, pediu mais acções dos quadros da organização, para a revitalização da coligação, face aos...

Samakuva defende diálogo entre forças políticas

O ex-líder da UNITA, Isaías Samakuva, defendeu, esta segunda-feira, o diálogo entre o Governo e as formações políticas, para evitar "situações susceptíveis de perturbar...

Juristas angolanos alegam que estado de calamidade pública não impede direito de manifestação

Governo proibiu uma manifestação programada para sábado passado. Juristas angolanos concordaram esta segunda-feira que o decreto do estado de calamidade pública não se sobrepõe à...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.