- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Ásia Jovem malaia luta pelo direito de não usar véu islâmico

Jovem malaia luta pelo direito de não usar véu islâmico

A decisão de deixar de usar o véu islâmico e denunciá-lo como uma obrigação patriarcal valeu a Maryam Lee muitas críticas e uma investigação por parte de autoridades religiosas da Malásia, mas a militante não se arrepende.

“Toda a minha vida me disseram que [usar o véu] era obrigatório e que se não o usasse era um pecado. E depois descobri que não era, então senti-me enganada”, disse Maryam Lee à agência France-Presse.

A militante malaia indicou ter percebido aos 25 anos que ao usar o véu, o que fazia desde os nove, se conformava com as expectativas da sociedade e não com um dogma do Islão, tendo decidido deixar de esconder o cabelo.

Na Malásia, país do Sudeste da Ásia onde 60% da população é muçulmana, o véu islâmico, designado “tudung”, que cobre a cabeça e o pescoço, não é obrigatório por lei. No entanto, o país tem vindo a tornar-se mais conservador e a maioria das mulheres muçulmanas usam-no actualmente.

Maryam Lee não decidiu apenas deixar de utilizar o véu. Contou a sua história num livro “Unveiling Choices” (Escolhas reveladas), tornando-se alvo de ataques violentos e ameaças de morte.

Lançado em Abril de 2019, o livro argumenta que as mulheres muçulmanas malaias devem ter o direito de decidir se desejam usar o “tudung”.

“Não digo às mulheres o que pensar, mas peço que questionem certas certezas e teorias que lhes foram ensinadas ao longo dos anos”, disse a militante de 28 anos.

“Mesmo sem processo judicial, as mulheres são consideradas criminosas se quiserem tirar (o véu)”, estão na “prisão das expectativas da sociedade”, adiantou.

O caso de Maryam Lee levou o ministro dos Assuntos Religiosos malaio a exprimir preocupação e a militante foi interrogada ao abrigo de uma lei contra o insulto ao Islão. O sistema jurídico da Malásia contempla a sujeição dos cidadãos muçulmanos à lei islâmica (“sharia”) em certas áreas.

Maryam assinala que abandonou o véu, mas não o Islão.

“Nasci muçulmana, continuo muçulmana e não o sou menos se não usar o véu”, sublinhou.

A jovem conta com o apoio de alguns cibernautas, que desejam poder expressar a sua escolha individual tal como a sua fé.

Por outro lado, algumas mulheres conhecidas na Malásia também não cobrem o cabelo, como a antiga ministra Rafidah Aziz e a ex-governadora do Banco Central da Malásia Zeti Akhtar Aziz, assim como a mulher e a filha do antigo primeiro-ministro Mahathir Mohamad.

Com a investigação ainda em curso e a possibilidade de ser acusada, Maryam Lee diz que não se arrepende de ter partilhado a sua experiência.

“A sociedade deve acordar”, afirma a militante malaia.

- Publicidade -
- Publicidade -

João Lourenço responsabiliza UNITA de incitar jovens à desobediência civil

Presidente angolano diz esperar que jornalistas não venham a ser detidos, mas adverte que autoridades vão manter a ordem. O Presidente angolano responsabilizou a UNITA...
- Publicidade -

Manifestação: Tribunal está a interrogar os detidos à porta fechada – Por dia serão ouvidos cerca de 20 cidadãos

Entre os primeiros cidadãos, do grupo dos 103 detidos, ouvidos esta terça-feira no Tribunal Provincial de Luanda "Palácio D. Ana Joaquina", está o secretário-geral...

Marido de Isabel dos Santos morre afogado no Dubai

O marido de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo, morreu num acidente no mar no Dubai. A notícia está a ser avançada por jornais internacionais....

Angola substitui Código Penal da era colonial

A Assembleia Nacional aprovou hoje, terça-feira, 27, o novo Código Penal, com 167 votos a favor, nenhum contra, e a abstenção de dois deputados...

Notícias relacionadas

João Lourenço responsabiliza UNITA de incitar jovens à desobediência civil

Presidente angolano diz esperar que jornalistas não venham a ser detidos, mas adverte que autoridades vão manter a ordem. O Presidente angolano responsabilizou a UNITA...

Manifestação: Tribunal está a interrogar os detidos à porta fechada – Por dia serão ouvidos cerca de 20 cidadãos

Entre os primeiros cidadãos, do grupo dos 103 detidos, ouvidos esta terça-feira no Tribunal Provincial de Luanda "Palácio D. Ana Joaquina", está o secretário-geral...

Marido de Isabel dos Santos morre afogado no Dubai

O marido de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo, morreu num acidente no mar no Dubai. A notícia está a ser avançada por jornais internacionais....

Angola substitui Código Penal da era colonial

A Assembleia Nacional aprovou hoje, terça-feira, 27, o novo Código Penal, com 167 votos a favor, nenhum contra, e a abstenção de dois deputados...

Manifestação: Comité para a Protecção dos Jornalistas acusa polícia de perseguição e intimidação a jornalistas e exige medidas que garantam a liberdade de imprensa

O Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ, sigla em inglês), com sede em Nova Iorque, EUA, critica fortemente a polícia angolana por ter...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.