- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Desporto Ténis A reaparição de Nadal, 200 dias depois

A reaparição de Nadal, 200 dias depois

Há meses que estava de raquete em mão e com os ténis a sujarem-se com pó de tijolo a treinar para este dia, na sua academia, em Maiorca. Após recusar participar no US Open de piso rápido, Rafael Nadal regressa, esta quarta-feira, à competição no Masters de Roma, quase sete meses volvidos desde o último jogo oficial.

Tão estranho foi ouvir a bola a ecoar nas ossadas das bancadas de Flushing Meadows, em Nova Iorque, as ondas de som indo e vindo no estádio, parecia estar o desinteresse ali presente, a castigar com o chicote do vazio os poucos que se interessavam em assistir a uma das melhores montras do ténis, mas não, foi o Grand Slam possível de realizar em plena pandemia, no meio do país mais afectado por ela, onde compareceram os tenistas possíveis e entre quem saiu Dominic Thiem como vencedor.

Uma das estranhezas de tudo isto – entre o praticamente não haver público, tenistas a irem buscar as suas próprias toalhas a meio do jogo e todas as regras a que tiveram de se submeter para enfiarem dentro de uma bolha – não foi o austríaco, por fim ganhador de um major à quarta final jogada e dador, à história do ténis, de mais outra esquerda a uma mão vencedora de Grand Slams nesta década, que não a lendária e ditatorial de Roger Federer, ou a ocasional de Stan Wawrinka.

Foram, sim, as ausências dos matulões tenísticos que, em parte, abriram caminho à não por isso mais fácil conquista de Thiem, suado até ao quinto set, na final, por Alexander Zverev.

Aproveitando-se da pandemia que fez do ténis uma das modalidades que mais provas cancelou e paragens tem tido, Federer submeteu-se a uma dupla operação a um joelho para, mais tarde, continuar a desafiar o tempo ao qual nunca ganhará; e, precavendo-se com muita cautela, Rafael Nadal optou por dizer que não, em Agosto, aos dois torneios que, enfim, foi possível organizar, depois de Abril, maio, Junho e Julho não terem provas da ATP e o espanhol os passar em Manacor, na ilha de Maiorca, a treinar na sua academia.

A treinar para isto.

Quando Nadal deu o não, há semanas, ao Western & South Open e ao US Open, ambos em Nova Iorque, já praticava e mantinha a forma possível, a diário, em terra batida, a superfície em pó de tijolo que mais lhe fala ao coração (são 12 torneios de Roland Garros ganhos) e menos lhe massacra as articulações e ligamentos dos joelhos, tão castigados pelas travagens, mudanças de direção e rotações de anos e mais anos a pedir-lhes que sustentem o seu estilo bruto e brutal de se movimentar no court. Parecia já ter em vista a reduzia época de terra batida que viria depois.

O espanhol, de 34 anos, temeu, na altura, a situação “muito complicada mundialmente” devido “aos casos de Covid-19”, porque “ainda parecia que não tínhamos controlo” sobre o vírus. Muito menos parece que o tenhamos agora, que Nadal está prestes a regressar à competição, esta quarta-feira, quando terão passado 200 dias e quase sete meses desde que conquistou (29 de Fevereiro) o torneio de Acapulco, no México, no mesmo piso rápido ao qual se esquivou de pisar no US Open.

O senhor top-spin no qual descansam 19 títulos do Grand Slam confirmaria, depois, a presença no Masters de Madrid, entretanto cancelado, e neste Masters de Roma, onde defrontará o conterrâneo Pablo Carreño Busta, semi-finalista em Nova Iorque e, portanto, com mais ritmo de competitivo no corpo desde que o ténis despertou do seu confinamento. “Estou mais ou menos bem, a treinar no duro há muitas semanas, mas falta-me ritmo, que irei recuperar com os jogos. Não ter jogado o US Open dá-me uma pequena desvantagem em relação à maioria”, admitiu, já em Roma, o retornado todo-poderoso da terra batida.

Em Maiorca e em Roma, o espanhol conseguiu treinar com Stan Wawrinka, Casper Ruud, Kevin Anderson, Gael Monfils, Jannik Sinner ou Matteo Berrettini, gente rodada e habituada a estar nos principais torneios, sem que isso equivalha a competição a sério, daí ser o próprio Nadal a reconhecer que parte atrás dos demais. Ou não, dependendo das perspectivas.

Porque o outro titulado-mor do ténis, que perdeu a hipótese de se aproximar do suíço e do espanhol que há muito persegue no US Open, onde foi desqualificado nos oitavos-de-final por bater uma bola contra a garganta de uma juíza de linha, vê as coisas de outra forma: “O Rafa decidiu ficar-se pela terra batida e treinar. Seguramente isso lhe dá mais vantagem, mesmo que não treinasse em terra batida durante muito tempo, continuaria a ser o principal favorito em qualquer torneio de terra batida, porque é o Rafa”.

Novak Djokovic é bem capaz de ter razão, mas continuam a ser 200 dias sem competição.

- Publicidade -
- Publicidade -

Ainda sobre os enganos do discurso sobre o Estado da Nação: JLo atribui mais 6,1 mil milhões USD às RIL

ESTATÍSTICAS. Economistas consideram difícil entender lapso do Presidente da República que, ao invés de 9,3 mil milhões de dólares, disse que as Reservas Internacionais...
- Publicidade -

Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas culpam o Presidente João Lourenço pelos incidentes de sábado, durante a marcha em Luanda por melhores condições de vida. Segundo os organizadores, duas...

Vítimas em Cabo Delgado têm direito a ter uma história, diz Mia Couto

O escritor moçambicano Mia Couto apelou hoje à humanização do relato sobre o conflito armado em Cabo Delgado, norte do país, destacando a história...

Notícias relacionadas

Ainda sobre os enganos do discurso sobre o Estado da Nação: JLo atribui mais 6,1 mil milhões USD às RIL

ESTATÍSTICAS. Economistas consideram difícil entender lapso do Presidente da República que, ao invés de 9,3 mil milhões de dólares, disse que as Reservas Internacionais...

Activistas angolanos não cedem: Nova marcha a 11 de Novembro

Activistas culpam o Presidente João Lourenço pelos incidentes de sábado, durante a marcha em Luanda por melhores condições de vida. Segundo os organizadores, duas...

Vítimas em Cabo Delgado têm direito a ter uma história, diz Mia Couto

O escritor moçambicano Mia Couto apelou hoje à humanização do relato sobre o conflito armado em Cabo Delgado, norte do país, destacando a história...

Rui Pinto e Júdice? “Ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão…”

"Já lá diz a sabedoria popular: ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão..." Foi desta forma que Ana Gomes reagiu, no Twitter,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.