- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África Acesso à água potável, a chave para reduzir a pobreza

Acesso à água potável, a chave para reduzir a pobreza

Extraído directamente dos aquíferos subterrâneos por meio de poço ou de reservatórios de chuva, reduz a mortalidade, reduz a fome e favorece a escolarização das meninas e a independência das mulheres.

Mais de oito anos se passaram desde minha primeira viagem à África, quando em 2012 estive na Etiópia com a Amigos de Silva , ONG de cooperação para o desenvolvimento com a qual participei da reforma de um hospital e da construção do primeiro centro cirúrgico da região de Afar.

Já tinha sido voluntário em outros verões no Peru e no Camboja, mas foi durante a minha estada na Etiópia que percebi que a falta de água era sem dúvida a maior causa da pobreza e tomei consciência da gravidade de não ter acesso a água potável para beber, cozinhar, lavar ou lavar.

A principal razão pela qual a população foi ao hospital foi por ter bebido em péssimo estado, o que lhes causou infecções e doenças como diarreia, disenteria ou cólera. Mas tudo isso aí, além de um problema de saúde, é um problema social: tradicionalmente mulheres e meninas são as encarregadas de buscar água, às vezes de qualidade duvidosa, caminhar ao sol e carregar pesadas latas de até 25 litros.

Eles têm que caminhar vários quilómetros, até quatro horas por dia, para levá-la às suas comunidades, o que os impede de cuidar de suas famílias, buscar uma ocupação que lhes proporcione renda e, no caso das meninas, frequentar a escola e receber educação para têm mais oportunidades para o futuro.

Além daquela viagem à Etiópia, outras ao Peru, Camboja, Benin ou Burkina Faso me ajudaram a conhecer a realidade das pessoas que vivem na maior pobreza material e como a falta de água é a maior de todas.
Em Novembro de 2019 viajei para a República do Chade juntamente com a ONG Alboan, um dos 14 parceiros que a AUARA tem e com quem desenvolvemos alguns de nossos projetos de abertura de seis poços em duas comunidades no sudoeste do país, Bongor e Gounou-Gaya.
E mais uma vez confirmei que o acesso à água potável é fundamental para aspirar a um futuro mais promissor.

No Chade, estamos vendo novamente o que significa para as comunidades ter água potável pela primeira vez. Estivemos com eles durante a perfuração dos poços, esperando que saísse o líquido, que a princípio é lama, e os rostos dos membros da comunidade que testemunharam o processo foram do nervosismo e expectativa à alegria e risos.

Satisfação em poder descartá-lo e limpá-lo, graças a uma bomba hidráulica, sem ter que ir procurá-lo.

A chegada de água potável em uma comunidade se torna uma oportunidade para as pessoas. Extraído diretamente dos aqüíferos subterrâneos através de um poço ou de tanques de armazenamento das chuvas que caem nas estações mais chuvosas, reduz a mortalidade por doenças relacionadas, melhora as condições de higiene de seus habitantes e permite a irrigação. colheitas, que por sua vez reduzem a fome e favorecem a escolarização das meninas e a independência das mulheres.

Transforme a realidade

Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) avançaram em direção a um abastecimento de água mais seguro. O relatório de impacto do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) estimou que entre 2000 e 2015, 147 países atingiram a meta de acesso a fonte de água potável, 95 países atingiram a meta de saneamento e 77 países conheceram ambos. Da mesma forma, entre 1990 e 2015, 1,9 bilhão de pessoas conseguiram acessá-lo abastecido por tubulação, passando de 2,3 bilhões para 4,2 bilhões de pessoas.

Progresso muito relevante, mas ainda insuficiente, como nos lembra o ODS 6 Água Limpa e Saneamento . Segundo o Unicef, cerca de 700 milhões de pessoas, 3 em cada 10 no mundo, não têm água potável e mais de 2 bilhões não têm acesso a serviços básicos de água e saneamento, segundo o último relatório da ONU sobre o Desenvolvimento de Recursos Hídricos 2019 .

As mudanças climáticas não estão ajudando a superar esse desafio complexo. O suprimento subterrâneo de água potável, do qual depende metade da população mundial, está diminuindo, as chuvas estão diminuindo, enquanto os eventos climáticos extremos que alimentam enchentes e desastres naturais se aceleram.

Por outro lado, covid-19 voltou a enfatizar a importância de lavar as mãos e evitar a transmissão de doenças, mas muitas vezes a impossibilidade de acesso a uma torneira impede-nos de manter este – para nós – simples hábito de higiene.

Na AUARA sempre dizemos que lutamos contra a maior pobreza: a falta de acesso à água potável, porque sem esse recurso não há possibilidade de desenvolvimento. E essa pobreza é uma mistura de diferentes fatores sociais e ambientais que impedem o progresso econômico. Desde o seu nascimento em 2016, AUARA já gerou mais de 56 milhões de litros de água potável, graças aos 83 projetos que desenvolvemos em 17 países em desenvolvimento .

Temos mais 10 anos para cumprir a Agenda 2030. A pandemia está afetando o cumprimento dos 17 ODS, mas não podemos nos conformar com a renúncia de que eles não podem ser alcançados. Por isso, a inovação, o financiamento público-privado e a colaboração são mais necessários do que nunca se quisermos reduzir a pobreza e as desigualdades sociais, e o acesso à água deve ser uma prioridade para reduzi-las.

Antonio Espinosa de los Monteros é co-fundador e CEO da AUARA .

- Publicidade -
- Publicidade -

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...
- Publicidade -

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Notícias relacionadas

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Polícia frustra manifestação não autorizada em Luanda

A Policia Nacional frustrou ontem a realização de uma manifestação não autorizada pelas autoridades, por força das medidas restritivas de prevenção e combate à...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.