- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Vida Saúde Covid-19: Vírus também pode afectar o cérebro e distúrbios podem ser fatais

Covid-19: Vírus também pode afectar o cérebro e distúrbios podem ser fatais

Investigadores detectam sintomas neurológicos, como delírios e confusão mental, em pacientes infectados pelo SARS-CoV-2. Os resultados indicam que a infecção cerebral, que se estima que seja rara, pode mesmo ser mais mortífera do que as complicações respiratórias associadas à covid-19.

Não é apenas o sistema respiratório a ficar severamente comprometido nos pacientes com covid-19. Os pulmões são os mais afectados, mas também os rins podem sofrer lesões, bem como o fígado e os vasos sanguíneos. A lista de patologias associadas não se fica por aqui, com um novo estudo liderado pela Universidade de Yale, nos EUA, a identificar sintomas e complicações neurológicas em praticamente metade dos infectados pelo novo coronavírus, escreve o The New York Times.

Os resultados indicam que a infecção cerebral, apesar de provavelmente rara, pode mesmo ser mais mortífera do que as complicações respiratórias associadas à covid-19.

As conclusões do relatório dão conta de que “se o cérebro ficar infectado, isso pode ter uma conclusão letal”, adverte Akiko Iwasaki, imunologista da Universidade de Yale. Os resultados da pesquisa estão disponíveis online desde esta quarta-feira, ainda a aguardar validação da comunidade científica, mas são vários os especialistas que o consideram “cuidadoso”, por demonstrar as diversas formas como a covid-19 pode implicar alterações nas células cerebrais.

Os investigadores ainda não conseguiram perceber a forma como o vírus afecta as células cerebrais ou a frequência com que pode desencadear problemas neurológicos. A infecção do cérebro, reforçam, é bastante rara, mas algumas pessoas podem ser mais susceptíveis devido a um histórico genético ou caso tenham sido expostas a uma elevada carga viral.

O estudo é o primeiro a apresentar claras evidências de como o coronavírus invade o cérebro, levando à morte de células neurológicas por falta de oxigenação.

Os cientistas ainda não encontraram nenhuma resposta imunitária para estancar o problema. “É como uma infecção silenciosa. O vírus tem vários mecanismos de evasão”, explica a coordenadora da investigação.

A pesquisa utilizou uma metodologia de estudo que analisou o cérebro de pessoas que morreram vitimadas pela covid-19, experiências científicas com ratos e testes com organóides.

A comunidade científica sabe que outros patógenos podem afectar o cérebro, quando as células imunes inundam as regiões afectadas, na tentativa de “limpar” o cérebro, através da destruição das células infectadas.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.