- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mais Entrevista UNITA diz sim a frente contra MPLA (1)

UNITA diz sim a frente contra MPLA (1)

Em extensa entrevista ao Correio Angolense, o líder do Galo Negro adverte, no entanto, para armadilhas do regime, que sempre “tratou de comprar consciências, pagando bem a algumas lideranças partidárias e a alguns protagonistas da sociedade civil”

Com a legalização do PRA-JA  bloqueada pelo Tribunal Constitucional, Abel Chivukuvuku já desenha  atalhos alternativos para se manter politicamente activo.

Há pouco mais de uma semana, mostrou-se favorável à criação de uma coligação para enfrentar o MPLA nas próximas eleições gerais.

No final de uma mesa redonda promovida pela organização internacional “Friends of Angola” (FoA), ele manifestou-se  disponível para, nas próximas eleições gerais de Angola, em 2022, participar de uma possível coligação dos partidos da oposição, a qual disse não fazer questão de liderar.

Esta semana, entrevistado pela Rádio Ecclésia, Chivukuvuku reiterou abertura a uma coligação na qual caberia, também a UNITA, organização a que pertenceu por mais de 30 anos.

“Não fecho portas a ninguém, inclusive à UNITA”, disse.

Nessa entrevista, Chivukuvuku deixou, no entanto, bastante claro que a sua abertura não é extensiva ao MPLA.

Na UNITA, a criação de uma coligação com Abel Chivukuvuku e outras forças não criaria qualquer trauma ou fissura.

Em entrevista ao Correio Angolense, o líder do “Galo Negro”, Adalberto da Costa Júnior, sublinha que “nas linhas de força da minha candidatura à liderança da UNITA e depois na Moção de Estratégia apresentada ao Congresso propus-me  exactamente a liderar a construção de uma frente democrática para a alternância do poder”.

Estas ideias foram diariamente transmitidas e retomadas permanentemente nas nossas comunicações políticas. Foi interessante ouvir de outras lideranças o mesmo propósito”.

Para Adalberto da Costa Júnior, a criação dessa putativa coligação seria benquista.

O desafio coloca-se na construção dessa ampla frente democrática, que não se esgota na aliança dos partidos. Ela deve ter em conta o envolvimento da sociedade civil”.

O líder da UNITA adverte, no entanto, para os escolhos que se colocariam a uma tal coligação.

“Um olhar para o passado deixa-nos uma realidade: o regime tratou sempre de comprar consciências, pagando bem a algumas lideranças partidárias e a alguns protagonistas da sociedade civil. Agiu assim ontem e certamente o seu DNA não se alterou e fará o mesmo”.

Não obstante, ele mostra-se “convencido que os cenários estão mais favoráveis à construção desta frente, que também é o sonho da maioria dos cidadãos que estão cansados dos 45 anos de governação do mesmo partido”.

Nessa entrevista ao Correio Angolense, Adalberto da Costa Júnior deixou claro que, para a UNITA, os resultados das eleições de 2017 estão longe de ser página virada. A organização do Galo Negro tem como fraudulenta a vitória do MPLA no último pleito eleitoral.

Nas eleições de 2017 a UNITA ganhou sem qualquer dúvida na maior praça eleitoral, em Luanda e sabemos o quanto tem de factor multiplicador cada deputado eleito em Luanda. Os resultados em 2017 foram publicados sem que o centro nacional de escrutínio tivesse funcionado, pois os representantes dos partidos passaram a noite lá sentados e as 22h os escrutinadores foram mandados para casa.

Na manhã seguinte os resultados foram anunciados! As eleições de 2017 tiveram as seguintes características: desapareceram dos ficheiros eleitorais mais de 2,5 milhões de eleitores EM RELAÇÃO AO FICHEIRO DE 2012; todos os comícios da pré-campanha eleitoral e os da campanha foram organizados pelos chefes das forças de defesa e segurança (O General Chefe  da casa militar do Presidente da República, o Comandante Geral da Polícia e o Chefe do Estado Maior das FAA organizaram localmente todos os comícios) e foi a logística militar que transportou, como se de animais se tratassem, as populações para encherem os comícios, bem como militares de alguns quartéis a quem obrigaram a vestirem camisolas do partido de regime; os processos remetidos aos tribunais com elementos de prova foram todos recusados e arquivados; a UNITA remeteu um processo de corrupção eleitoral contra o candidato João Lourenço; no final o Tribunal Constitucional também recusou analisar o contencioso eleitoral, anulando votos válidos que não tinham sido contabilizados e que elegeriam deputados!

Um escândalo. Na verdade, se não for efectuada uma reforma da Lei da CNE que retire a maioria absoluta de Comissários indicados pelo MPLA, será praticamente impensável termos eleições justas e transparentes em Angola.

Este é um problema que deveria preocupar todos os cidadãos deste país, pois é este sistema artificial que constrói as maiorias qualificadas que criam arrogância aos governantes, protegem a corrupção, controlam  o poder judicial e têm mantido no poder um governo que não presta contas, como deveria, ao povo soberano”.

Quando questionado sobre  as razões que levaram a  UNITA a aceitar resultados que contestava, Adalberto Costa Júnior esclarece:

Nós sabíamos que as forças de defesa e segurança tinham sido colocadas em prevenção máxima e havia uma ameaça real de poderem sair à rua com consequências imprevisíveis. Também havia uma elevada franja de cidadãos, na sua maioria jovens, inconformados e reactivos perante os resultados e prontos a ir para a rua.

Estava criado um cenário de elevado risco. O Mv (Mais Velho) Samakuva tomou uma difícil decisão, com o único propósito de evitar um muito provável banho de sangue!  Penso que ele esteve bem, mas nós não podemos voltar a repetir um cenário idêntico”.

Para a UNITA, não está afastado o risco de novas “fraudes” nas futuras eleições mesmo porque, segundo o seu líder, “a figura do actual Presidente da CNE não garante nem a isenção, nem a responsabilidade, nem o equilíbrio e mesmo a idoneidade exigidas a um personagem que vai conduzir os processos eleitorais. Nem a UNITA e certamente que também não colhe sequer a confiança e a credibilidade da sociedade”.

- Publicidade -
- Publicidade -

Conferência Internacional de Arbitragem aborda ‘Resolução de conflitos em tempos de mudança’

Adicionalmente, em formato de workshop, será abordada a Resolução de Disputas no Desporto Profissional. Resolução de Conflitos em Tempos de Mudança é o tema fulcral...
- Publicidade -

TPA apresenta reportagens sobre corrupção em Angola

A Televisão Pública de Angola (TPA) iniciou, na segunda-feira, a apresentação de uma série de 11 reportagens intituladas “O Banquete”, que mostra como altas...

Morreu Diego Maradona, avança a imprensa argentina

Antiga estrela do futebol tinha 60 anos. A antiga estrela do futebol mundial, Diego Armando Maradona, morreu esta quarta-feira aos 60 anos, avança a imprensa argentina. Maradona,...

Músico Teta Lágrimas aponta aumento da qualidade no produto musical angolano (Vídeo Fair Play)

Membro de uma família de músicos, que desde criança se apaixonou pela arte, Teta Lágrimas considera que a música angolana ganhou muito nos últimos...

Notícias relacionadas

Conferência Internacional de Arbitragem aborda ‘Resolução de conflitos em tempos de mudança’

Adicionalmente, em formato de workshop, será abordada a Resolução de Disputas no Desporto Profissional. Resolução de Conflitos em Tempos de Mudança é o tema fulcral...

TPA apresenta reportagens sobre corrupção em Angola

A Televisão Pública de Angola (TPA) iniciou, na segunda-feira, a apresentação de uma série de 11 reportagens intituladas “O Banquete”, que mostra como altas...

Morreu Diego Maradona, avança a imprensa argentina

Antiga estrela do futebol tinha 60 anos. A antiga estrela do futebol mundial, Diego Armando Maradona, morreu esta quarta-feira aos 60 anos, avança a imprensa argentina. Maradona,...

Músico Teta Lágrimas aponta aumento da qualidade no produto musical angolano (Vídeo Fair Play)

Membro de uma família de músicos, que desde criança se apaixonou pela arte, Teta Lágrimas considera que a música angolana ganhou muito nos últimos...

Angola com reservas internacionais líquidas de 8,4 mil milhões dólares

Angola possui 8.4 mil milhões de dólares norte-americanos de reserva internacional, que cobrem cerca de 11 meses de importações. A informação foi prestada nesta terça-feira...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.