- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Desporto Futebol APF Huíla demite funcionários administrativos

APF Huíla demite funcionários administrativos

Cinco funcionários administrativos da Associação Provincial de Futebol (APF) da Huíla foram demitidos pelo novo elenco associativo, liderado por Pepé António.

Trata-se de um operador de informática, secretária executiva, secretário-geral, chefe da secretaria e uma auxiliar de limpeza, cujos contratos foram assinados em Novembro de 2019 com a direcção cessante, para um período de quatro anos.

Os funcionários da associação alegam que a cessação do vínculo contratual foi feita sem aviso prévio e nem obedeceu às indemnizações, acauteladas pela Lei Geral do Trabalho (LGT).

Tomás Jamba Munho, porta-voz dos visados, indicou que receberam um ofício de término da prestação de serviço na última sexta-feira (28) sem aviso prévio, por suposta falta de recursos para pagamento de salários.

Adiantou que começaram a ser isolados a partir do momento do anúncio que a APF Huíla receberia 12 mil dólares (montante proveniente da Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA).

Lembrou que a Federação Angolana de Futebol (FAF) dá, também, 400 mil kwanzas às associações provinciais da modalidade a cada trimestre.

“Para além de outros patrocínios a que têm direito, vêm dizer agora que não há condições para continuar a pagar salários”, lamentou.

Entretanto, o advogado dos funcionários, Cristóvão Chivela, informou que vão dirigir um ofício à associação para, no prazo de cinco a 10 dias, se pronunciar ou marcar um encontro para a reintegração dos funcionários.

Segundo o causídico, em caso de resistência da associação, vão remeter o processo aos órgãos de mediação e conciliação como a Procuradoria Geral da República (conciliação) ou a Inspecção Geral do Trabalho (mediação), reservando a disputa judicial para a última fase.

Entende que existe violação do contrato, de quatro anos. “A associação rescindiu o contrato unilateralmente, sem compensação ou justificação clara e isso dá-nos um conjunto de indemnizações que são calculadas com o tempo de trabalho de cada um”.

Novo elenco justifica afastamento

O presidente da APF na Huíla, Pedro António “Pepé, aclarou que a organização rege-se pelos seus membros, sendo que os funcionários que estavam na associação pertenciam a lista derrotada nas última eleições e a nova direcção só esta a funcionar com os membros da sua lista.

“Se a lista A perdeu, naturalmente que eles não poderiam continuar, pois nós funcionamos com os membros da lista B. Com a entrada do novo elenco cessam as funções todos os antigos”, observou.

Segundo o dirigente, uma associação que sabe que em 2020 tem eleições não deve assinar um contrato com funcionários que excede o seu limite de mandato.

Aclarou que o contrato que os funcionários assinaram com a direcção anterior é da responsabilidade da gestão cessante, não da actual, pois estão a trabalhar com os membros que são voluntários, uma vez que a associação não paga salários por não ter dinheiro para pagar os referidos funcionários.

Aclarou que os 12 mil dólares que vêm para a associação, provenientes FIFA, é para acudir situação decorrentes da covid-19 e não para a associação receber e gastar como quiser, muito menos para pagamento de salários aos funcionários.

Três dos cinco funcionários recebem mensalmente 50 mil kwanzas, ao passo que a auxiliar de limpeza aufere 30 mil kwanzas a cada mês.

A APF na Huíla funciona actualmente com 24 membros que estão a cobrir os trabalhos administrativos da instituição.

- Publicidade -
FonteAngop
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.