InicioCovid-19Crianças assintomáticas disseminariam coronavírus por semanas, diz estudo

Crianças assintomáticas disseminariam coronavírus por semanas, diz estudo

Investigações nos EUA mostram que cargas virais são especialmente elevadas entre crianças e jovens, por isso esse público poderia disseminar o coronavírus por semanas. O que isso significa para as escolas em reabertura?

Médicos do Children’s National Hospital em Washington, nos Estados Unidos, descobriram que crianças infectadas pelo novo coronavírus podem espalhá-lo durante semanas – apesar de elas próprias não apresentarem sintomas de Covid-19. Isto significa que as crianças com poucos ou nenhuma sintoma podem, sem querer, infectar pessoas à sua volta.

O novo estudo é publicado no momento em que diversos países reabrem jardins de infância e escolas. Num estudo anterior, investigadores em Boston mostraram que crianças e jovens tinham cargas virais surpreendentemente elevadas.

Descoberta pode influenciar reabertura das escolas em alguns países.
(DR)

O estudo foi publicado no dia 28 de Agosto no website da revista médica JAMA Pediatrics e conduzido por Roberta L. DeBiasi e Meghan Delaney. As investigadoras analisaram dados de 91 crianças em 22 hospitais na Coreia do Sul. “Ao contrário do que acontece no sistema de saúde dos Estados Unidos, aqueles que testam positivo para Covid-19 na Coreia do Sul permanecem no hospital até terem recuperado completamente da sua infecção”, diz DeBiasi.

De acordo com o estudo, cerca de 22% das crianças não desenvolveram sintomas durante toda a sua infecção, 20% começaram assintomáticas mas mais tarde desenvolveram sintomas, e 58% testaram como “sintomáticos”.

O estudo também mostrou grandes diferenças no período de tempo em que as crianças permaneceram sintomáticas, variando entre três dias e três semanas. Um quinto dos doentes assintomáticos e cerca de metade dos doentes sintomáticos ainda estavam a transmitir o vírus três semanas após a infecção inicial – embora isto não reflectisse directamente a sua contagiosidade.

Os autores admitem prontamente que ainda há muito a aprender sobre o papel das crianças e dos jovens na propagação do coronavírus, e que as suas descobertas fomentarão ainda mais esse debate.

Os investigadores em Boston encontraram carga viral surpreendentemente elevada entre os pacientes mais jovens que observaram. Para o seu estudo, colectaram amostras das narinas e gargantas de 49 crianças e jovens com menos de 21 anos. O estudo encontrou muito mais presença do vírus entre eles do que entre os adultos a serem tratados em unidades de cuidados intensivos.

De acordo com esse estudo publicado a 1 de Agosto no periódico The Journal of Pediatrics, os cientistas encontraram muito menos receptores ACE-2 entre as crianças mais pequenas do que entre os jovens e adultos. Pensa-se que esses receptores são a porta de entrada do novo coronavírus nas células do corpo.

O papel das crianças e dos jovens na propagação do coronavírus tem sido debatido desde que as primeiras infecções foram registadas. Uma coisa é certa, as crianças e os jovens podem infectar outros. Também é evidente que as crianças e jovens infectados mostram frequentemente poucos ou nenhuns sinais de estarem doentes. E também é igualmente claro – embora a maioria das pessoas prefira não falar – que as crianças e os jovens também podem morrer ou sofrer danos duradouros como resultado de uma infecção Covid-19.

Isso não significa automaticamente que todas as crianças e jovens sejam potenciais “superdispersores”, conduzindo às infecções à sua volta. Ainda assim, crianças e jovens – através de escolas e brincadeiras em grupo – têm frequentemente muito mais interacção social do que os adultos. Os últimos meses mostraram também que os jovens são tão susceptíveis como os adultos de ignorar o distanciamento social e as regras de higiene.

Na Alemanha, escolas reabriram com cuidados redobrados com higiene.
(DR)

O que significa para as escolas?
No final do Verão, as infecções aumentaram em toda a Alemanha e em muitos outros países. No entanto, jardins de infância, escolas e outras instituições de ensino estão a abrir as suas portas, não só para dar alívio aos pais, mas principalmente para a continuidade do ensino forma das crianças.

Máscaras faciais obrigatórias, distanciamento físico, regras de higiene e grupos de estudo estabelecidos podem reduzir o risco de propagação. Este é o consenso, mas a forma de lidar com tais questões, bem como a frequência com que as aulas devem ocorrer continua aberta à interpretações diferentes em muitos países.

A fim de verificar potenciais grupos de infecção e evitar o encerramento de escolas em grande escala, as infecções entre crianças e jovens assintomáticos devem ser detectadas precocemente e a criança isolada.

Estes últimos estudos conduzirão sem dúvida a uma reavaliação da necessidade de testar regularmente os professores, mas também à questão de saber se os testes devem ser realizados apenas nos alunos que apresentem infecções respiratórias agudas, ou melhor, numa percentagem muito maior de crianças.

FonteDW

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.