- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Ciências e Tecnologia Pequim alerta que consumidores chineses podem boicotar Apple se EUA banirem WeChat

Pequim alerta que consumidores chineses podem boicotar Apple se EUA banirem WeChat

WeChat tem mais de 1,2 bilião de usuários activos na China, enquanto a Apple representou 8% do mercado de smartphones do país asiático no segundo trimestre de 2020, muito atrás da líder Huawei.

Cidadãos chineses podem abandonar seus iPhones para sempre se os EUA proibirem o popular aplicativo de mensagens WeChat em território norte-americano, alertou Pequim, apontando para dados de relatórios que mostram que a maioria dos consumidores do país asiático está pronta para abandonar a Apple.

“Muitos chineses estão dizendo que podem parar de usar o iPhone se o WeChat for proibido nos EUA sob o pretexto de ‘segurança nacional'”, afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian na quinta-feira (27), durante colectiva de imprensa.

Zhao afirmou estar ciente de uma pesquisa, conduzida pela plataforma chinesa Weibo, que mostra que cerca de 95% dos entrevistados abandonariam seu iPhone se o WeChat acabasse em uma lista negra dos EUA. O WeChat tem mais de 1,2 bilião de usuários activos na China, enquanto a Apple representou 8% do mercado de smartphones do país asiático no segundo trimestre de 2020, muito atrás da líder chinesa Huawei.

‘Intimidação económica’
O presidente dos EUA, Donald Trump, assinou um decreto executivo no início do mês que proíbe, a partir de Setembro, qualquer transacção com a desenvolvedora do aplicativo TikTok, a ByteDance, e o aplicativo WeChat, da Tencent Holdings. A proibição pode exigir que a Apple e outras empresas norte-americanas removam o aplicativo de mensagens WeChat de suas lojas de aplicativos.

Durante a colectiva de imprensa, Zhao afirmou que a proibição do WeChat era uma forma ideologicamente orientada de “intimidação económica”, um “ato de pirataria” que “está fadado a sofrer oposição e resistência da comunidade internacional”.
Esse é apenas o capítulo mais recente da crescente tensão política e económica entre Washington e Pequim. Anteriormente, o governo Trump apontou dezenas de empresas chinesas, principalmente a Huawei, acusando as empresas de colaborar com o governo chinês.

- Publicidade -
FonteSputnik
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.