- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Guebuza: “Não lutamos pela independência para queimar jornais”; analista diz que a...

Guebuza: “Não lutamos pela independência para queimar jornais”; analista diz que a afirmação é um recado para o governo agir

O ex-presidente moçambicano, Armando Guebuza, que já teve divergências com o Canal de Moçambique, condena a vandalização de que foi alvo a redacção do influente semanário.

No domingo, 23, a redacção daquele jornal, em Maputo, foi incendiada por desconhecidos, e Guebuza junta a sua voz a outras que dizem que o acto foi um atentado contra a liberdade de imprensa.

Para Guebuza, “a história do Canal de Moçambique é terrível, não faz sentido. Nós não lutamos pela independência para queimar jornais. Nós defendemos a liberdade e trabalhemos para que essa liberdade permaneça”.

Guebuza diz que incendiar jornais impede a liberdade, tal como acontecia no tempo colonial. “Quando temos os nossos jornais, não podemos escrever, também? E quando conseguimos escrever, tira-se jornal. Vamos escrever aonde? No chão?

Recado para o Governo

O político e especialista em relações internacionais, Muhamad Yassine, diz que Guebuza “não vem falar à toa”.Na leitura de Yassine, “há duas perspectivas” nas afirmações do ex-estadista: “É um recado para quem está no poder de que isto (incêndio) não deve ser permitido; e para, no mínimo, trazer uma resposta”.

A falha na resposta, diz Yassine, pode colocar a liderança do país no iminente “risco de ser conotado com quem levianamente autorizou (a vandalização do Canal de Moçambique).

O incêndio, que destruiu grande parte de meios informáticos do Canal de Moçambique, não impediu a publicação da edição desta quarta-feira, 27, que destaca a problemática de raptos e a audiência do caso das “dívidas ocultas”, em Londres, na qual Guebuza deve ser ouvido.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -

[Análise] Como estão os líderes empresariais africanos a lidar com a crise do coronavírus?

Pessimismo no futuro imediato, mas confiança no futuro do continente a longo prazo: esta é a conclusão da segunda edição do barómetro sobre o...
- Publicidade -

China garante que OMS deu aval ao uso de vacinas que ainda estão em estudo

As autoridades chinesas dizem que a Organização Mundial da Saúde deu apoio e aceitou a administração de vacinas experimentais que estão a ser desenvolvidas...

Covid-19: Grupo de 34 reclusos infetados foge de prisão no Brasil

Um grupo de 34 presos, infetados com covid-19, fugiu esta terça-feira através de um túnel de uma prisão no Brasil, com graves problemas de...

Zimbabwe aceita devolver terras a fazendeiros brancos

O Governo zimbabweano está a elaborar um plano para possibilitar a devolução, a milhares de fazendeiros brancos, das terras que lhes foram violentamente retiradas...

Notícias relacionadas

[Análise] Como estão os líderes empresariais africanos a lidar com a crise do coronavírus?

Pessimismo no futuro imediato, mas confiança no futuro do continente a longo prazo: esta é a conclusão da segunda edição do barómetro sobre o...

China garante que OMS deu aval ao uso de vacinas que ainda estão em estudo

As autoridades chinesas dizem que a Organização Mundial da Saúde deu apoio e aceitou a administração de vacinas experimentais que estão a ser desenvolvidas...

Covid-19: Grupo de 34 reclusos infetados foge de prisão no Brasil

Um grupo de 34 presos, infetados com covid-19, fugiu esta terça-feira através de um túnel de uma prisão no Brasil, com graves problemas de...

Zimbabwe aceita devolver terras a fazendeiros brancos

O Governo zimbabweano está a elaborar um plano para possibilitar a devolução, a milhares de fazendeiros brancos, das terras que lhes foram violentamente retiradas...

Inacom e parceiros criam plataforma de diálogo

O Instituto Angolano das Comunicações (INACOM), as operadoras e as associações dos consumidores, decidiram, a partir desta quinta-feira, em Luanda, a criação de uma...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.