- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Ásia Diplomata chinês acusa Austrália de trair a China em benefício dos EUA

Diplomata chinês acusa Austrália de trair a China em benefício dos EUA

Um diplomata chinês comparou hoje o apelo da Austrália por um inquérito independente sobre a pandemia do novo coronavírus à traição do ditador romano Júlio César, numa tragédia de Shakespeare, em benefício dos Estados Unidos.

Wang Xining, vice-chefe da missão da embaixada chinesa na Austrália, falou no Clube de Imprensa australiano sobre o apelo feito por Camberra, que resultou na deterioração das relações bilaterais.

O Governo chinês passou a recusar falar por telefone com ministros australianos e boicotou as exportações australianas de carne bovina para o país asiático.

O apelo surgiu “numa altura em que o Governo dos Estados Unidos estava a tentar culpar a China pelo seu fracasso em controlar a propagação da doença e (…) fugir das suas responsabilidades”, disse Wang.

Wang citou uma cena na peça “Júlio César”, quando o ditador percebe que o seu amigo Marcus Junius Brutus está entre os assassinos que estão prestes a esfaqueá-lo.

“É idêntico a Júlio César quando no seu último dia viu Brutus a aproximar-se dele: Et tu, Bruto?”, afirmou Wang, usando uma frase em latim que significa “E tu, Brutus?”

A Organização Mundial da Saúde lançou, entretanto, uma investigação global sobre as origens do surto da Covid-19.

Wang disse que a investigação teve uma “origem completamente diferente” da proposta australiana.

A China tem mantido contactos ministeriais com os Estados Unidos e com governos de outros países que apoiaram a postura da Austrália, incluindo o Japão, Alemanha e França.

Wang negou que a China tenha escolhido a Austrália para enviar uma mensagem a outras potências médias para que não se manifestem.

“Acho que é uma interpretação muito desequilibrada do que aconteceu entre nós”, disse.

O diplomata recusou-se a dizer se achava que as relações sino-australianas vão melhorar após a eleição presidencial nos EUA. Wang disse que um comentário seu sobre a eleição equivaleria a uma interferência nos assuntos internos dos EUA.

A China respeita a estratégia de aliança da Austrália com os Estados Unidos, disse Wang.

“Ter um aliado não é um problema”, disse. “O problema é se tens como alvo um terceiro país como objectivo dessa aliança”.

“Se encontrarmos qualquer tendência de usar a força de uma aliança para derrubar a China ou pressionar a China – o que actualmente alguns políticos nos EUA estão a fazer – então expressaremos claramente a nossa oposição”, acrescentou.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.