- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África "Sessenta anos após a independência, o Chade parece mais dividido do que...

“Sessenta anos após a independência, o Chade parece mais dividido do que nunca”

Etnicismo mortal, nepotismo generalizado, corrupção institucionalizada, guerra permanente … O ex-diplomata Abakar Manany enumera as enfermidades de que, segundo ele, seu país sofre.

Tribuna. Sessenta anos após sua independência, meu país, imenso e brilhante, abandonou suas promessas. Em 1990, a chegada à força do atual presidente, Idriss Déby, deu início à expectativa de mudança.

Já então, o Chade sofreu – e por muito tempo – com o subdesenvolvimento endêmico. Porém, há trinta anos, a decadência tem aumentado, desde a região dos Lagos até as fronteiras com a Líbia e o Sudão.

É claro que saudamos o compromisso dos franceses, os primeiros parceiros dos povos da região contra o terrorismo, e outros de quem ainda dependemos para nossa segurança.

Esta ajuda mútua está na continuidade da história, porque não podemos esquecer que os chadianos foram os primeiros povos da África francófona a aderir à luta da Resistência contra o nazismo sob a égide do governador Félix Eboué, nove dias depois.

O apelo do General de Gaulle. Mas se a França pretende de fato continuar a apoiar o desenvolvimento de nossa jovem nação, a preocupante situação social e institucional não deve escapar de seu olhar.

Leia também “A França apóia o Chade na luta contra o terrorismo, mas esquece que existem chadianos”

Sessenta anos após a assinatura da independência, o país parece mais dividido do que nunca: etnicismo mortal, nepotismo generalizado, bilinguismo inacabado, corrupção institucionalizada, exílio de jovens, diáspora marginalizada, guerra permanente contra os outros e contra nós mesmos …

O ano de 2019 foi marcado por um recorde de violência, especialmente em torno do Lago Chade. Nesta região, como nas zonas de ouro de Tibesti e Batha, as populações se deslocam e se rebelam contra as expropriações que fazem o leito das várias facções terroristas da região.

Prisões secretas

O cúmulo do cinismo, este aniversário será uma oportunidade para o regime chadiano empossar Déby como o primeiro marechal do Chade. Não contente por ser um dos chefes de Estado mais antigos à frente de um país africano, não contente por ter o Conselho Constitucional, o Tribunal Superior de Justiça e o cargo de Primeiro-Ministro abolidos, aqui está ele indo se juntar ao Mobutu e Idi Amin Dada, para citar apenas nossos próprios demônios africanos.

O semanário britânico The Economist coloca o Chade ao lado da Coréia do Norte e da Síria entre os cinco países mais autoritários do planeta. Por qual resultado econômico e social? A ONG Transparency International considera o Chade um dos cinco países mais corruptos do mundo, enquanto a Repórteres Sem Fronteiras (RSF) o considera um dos piores censores em um momento em que os cortes no acesso à Internet estão aumentando.

Leia também No Chade, as eleições legislativas adiadas por cinco anos estão marcadas para 24 de outubro de 2021

É um país onde os adversários desaparecem durante as eleições. Como em 2008, quando Ibni Oumar Mahamat Saleh foi assassinado; este tinha sido o assunto de um inquérito parlamentar conduzido pelo senador francês Jean-Pierre Sueur. E a impunidade leva à reincidência, como neste ano com a prisão de Mahamat Nour Ibedou, secretário-geral da Convenção Chadiana para a Defesa dos Direitos Humanos (CTDDH), ou o sequestro de Baradine Berdei Targuio, presidente do a Organização Chadiana de Direitos Humanos (OTDH) … Quantas mais ainda definham nas prisões secretas do regime, recentemente reveladas pelo CTDDH?

Ouro e óleo

Nosso Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é o terceiro mais baixo do mundo. Alfabetização, escolaridade, vacinação, desnutrição, insalubridade … A situação é gravíssima. Água potável e eletricidade continuam sendo miragens para muitos cidadãos, a fome e a miséria corroem estômagos demais, como indicam as organizações da ONU, e isso enquanto o petróleo flui livremente e o o ouro continua a ser explorado, contra e contra as populações locais. Como em outras partes do Sahel , a má governança é o pecado original de que as populações mais sofrem.

Tão alarmante quanto terrível, esta observação não deve, no entanto, desencorajar os chadianos que desejam preparar uma alternativa positiva e pacífica. A juventude, maioritariamente no nosso país onde a mediana da idade é 14 anos, obriga-nos a olhar o futuro de outra forma. O compromisso com a ecologia desta juventude será decisivo. E isso é essencial, porque o Chade é o primeiro país na lista do índice de vulnerabilidade às mudanças climáticas.

Leia também Chade traz sua pedra para a Grande Muralha Verde com suas acácias

Sessenta anos após 11 de agosto de 1960, a questão da independência ainda é relevante hoje. Nosso povo deve continuar a assumir a responsabilidade por si mesmo, com a ajuda de seus parceiros históricos. Vivendo juntos, a justiça e o Estado de direito devem tomar forma no Chade. Para isso, vamos usar este segundo nascimento para nos reconectarmos com a democracia o mais rápido possível. (Le Monde)

|Abakar Manany é um líder empresarial e ex-diplomata do Chade.

- Publicidade -
- Publicidade -

Angola: Onde estão os sindicatos no novo conselho de João Lourenço?

Convidado a integrar o novo Conselho Económico e Social de João Lourenço, o economista Carlos Rosado de Carvalho diz-se "surpreendido" com o número de...
- Publicidade -

Bancos africanos são vítimas do ‘rating’ dos países em que operam, diz Moddy’s

Em causa os efeitos e dificuldades resultantes da pandemia de covid-19. A agência de notação financeira Moody's alertou que a análise sobre a qualidade de...

Angola: “Liberdade, Justiça, Emprego, Educação”, pedem manifestantes

Centenas de angolanos saíram à rua para mostrar a sua insatisfação com o Governo e exigir mais empregos. Foi a segunda manifestação em Luanda...

Cardeal italiano demitido de Vaticano por suspeitas de desvio de fundos

O italiano Angelo Becciu, tido a data como um dos cardeais mais influentes do Vaticno, foi obrigado a renunciar ao seu cargo, devido à...

Notícias relacionadas

Angola: Onde estão os sindicatos no novo conselho de João Lourenço?

Convidado a integrar o novo Conselho Económico e Social de João Lourenço, o economista Carlos Rosado de Carvalho diz-se "surpreendido" com o número de...

Bancos africanos são vítimas do ‘rating’ dos países em que operam, diz Moddy’s

Em causa os efeitos e dificuldades resultantes da pandemia de covid-19. A agência de notação financeira Moody's alertou que a análise sobre a qualidade de...

Angola: “Liberdade, Justiça, Emprego, Educação”, pedem manifestantes

Centenas de angolanos saíram à rua para mostrar a sua insatisfação com o Governo e exigir mais empregos. Foi a segunda manifestação em Luanda...

Cardeal italiano demitido de Vaticano por suspeitas de desvio de fundos

O italiano Angelo Becciu, tido a data como um dos cardeais mais influentes do Vaticno, foi obrigado a renunciar ao seu cargo, devido à...

Mali: Presidente e vice-presidente de transição já tomaram posse

Esta sexta-feira, no Mali, vão tomar posse o novo presidente de transição, o general na reserva Bah N’Daw, e o novo-vice-presidente, o coronel Assimi...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.