- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Angola marca passos para regular venda on line

Angola marca passos para regular venda on line

Depois de 13 anos impedida de implementar e regulamentar o comércio electrónico, por questões de conectividade, de segurança e financeiras, Angola começa, finalmente, a marcar passos para consolidar a “venda on line”.

Desde 2007, a Lei da Actividade Comercial prevê o comércio electrónico no país, mas só nos últimos anos está-se a regulamentar a execução, que em breve poderá entrar em vigor.

Conforme Osvaldo Epipi, quadro do Gabinete Jurídico e Intercâmbio do Ministério do Comércio e Indústria, passos importantes foram dados para que o país comece a trazer para a formalização toda a “venda online” efectuada por nacionais, actualmente observada com maior incidência na plataforma do Facebook.

“O comércio praticado por pessoas singulares é maior e não conseguimos ainda controlar este número”, admitiu, quando dava o ponto de situação sobre o estado de regulamentação do comércio electrónico em Angola, no webtertúlia, promovido pelo Ministério das Finanças, através da Administração Geral Tributária (AGT).

Referiu que o comércio electrónico praticado por pessoas singulares é maior em comparação àquele feito de empresas para particulares.

Por isso, adiantou, o Estado angolano quer aplicar as regras para que estas pessoas sejam atraídas para a formalização.

Segundo o técnico, existem poucas plataformas de comércio electrónico no país, mas ainda assim vai-se avançar com a sua legislação.

A título de exemplo, apontou a empresa de telefónica móvel Unitel, que, através do aplicativo Ksom, vende músicas de artistas nacionais e de artistas estrangeiros.

“Temos a crescente venda de produtos digitais, quer sejam softwares e músicas, a nível da Internet, que a Lei já salvaguarda alguns aspectos da sociedade de informação”, apontou.

Sublinhou que outras leis, como a da Produção de Sistemas Informáticos e de Produção de Dados, prevêm disposições importantes para se avançar com as regras do comércio online.

Outra questão levantada, já patente no draft do regulamento em torno do comércio electrónico, é a defesa do consumidor e do agente a quem poderá recorrer caso o negócio corra mal.

Segundo o especialista, a segurança das transacções comerciais também é outro aspecto a ter em conta, uma vez que existem domínios com o registos de Angola, mas com os servidores no estrangeiro.

“É uma questão que estamos a alisar com o Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de de Informação, no sentido de criar um regulamento que salvaguarde a segurança nas transacções”, deu a conhecer Osvaldo Epipi.

Na sua intervenção, falou igualmente sobre a questão do sistema de pagamento em Angola, considerando necessário ajustar o sistema de pagamento para que a operacionalização do comércio electrónico comece na plataforma e termine na mesma, com segurança.

Para o processo de importação e exportação, a nível da plataforma electrónica, disse ser fundamental a integração do sistema financeiro nacional no internacional, no sentido de serem aceites como membros das grandes convenções de segurança e informação, para que se consiga operar a nível mundial.

O draft do Regulamento do Comércio Electrónico dispõem de um estatuto, 48 Artigos.

O documento será analisado, em breve, por todos os departamentos ministeriais relevantes para a regulamentação do comércio electrónico em Angola.

Para este webtertúlia, a AGT convidou Sérgio Vasques, que é professor da Universidade Católica de Portugal e consultor do Banco Mundial.

- Publicidade -
FonteAngop
- Publicidade -

FinCEN Files: Investigação revela como bancos facilitaram transferências de biliões para criminosos

Fuga de informação de mais de dois mil relatórios enviados por bancos ao Governo dos EUA apontam para transferências bancárias de 1,7 biliões de...
- Publicidade -

SIC confirma retirada de canais em Angola

Os canais da SIC vão deixar de ser emitidos pela DStv em Angola a 15 de outubro de 2020, anunciou a plataforma, em mensagem...

Grandes bancos continuam a facilitar branqueamento de capitais, diz investigação do ICIJ

Uma análise a documentos confidenciais produzidos por vários bancos nos Estados Unidos e enviados à agência federal FinCEN mostram como grandes bancos facilitaram o...

Justiça manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

IURD em Angola declarou-se, domingo. "surpresa" com a ordem de encerramento de quatro dos seus templos durante o culto. A justiça angolana ordenou o encerramento...

Notícias relacionadas

FinCEN Files: Investigação revela como bancos facilitaram transferências de biliões para criminosos

Fuga de informação de mais de dois mil relatórios enviados por bancos ao Governo dos EUA apontam para transferências bancárias de 1,7 biliões de...

SIC confirma retirada de canais em Angola

Os canais da SIC vão deixar de ser emitidos pela DStv em Angola a 15 de outubro de 2020, anunciou a plataforma, em mensagem...

Grandes bancos continuam a facilitar branqueamento de capitais, diz investigação do ICIJ

Uma análise a documentos confidenciais produzidos por vários bancos nos Estados Unidos e enviados à agência federal FinCEN mostram como grandes bancos facilitaram o...

Justiça manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

IURD em Angola declarou-se, domingo. "surpresa" com a ordem de encerramento de quatro dos seus templos durante o culto. A justiça angolana ordenou o encerramento...

Isabel dos Santos e Sindika Dokolo envolvidos em investigação internacional aos grandes bancos

Numa nova investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas, a filha do ex-presidente de Angola é alvo de dois relatórios sobre atividades suspeitas, ambos de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.