- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Moçambique: "Combates terminarão quando Nhongo for condenado em tribunal"

Moçambique: “Combates terminarão quando Nhongo for condenado em tribunal”

A consultora Eurasia considera que os ataques armados da Junta Militar no centro do país deverá aumentar a curto prazo, mas o líder deste movimento deverá acabar em tribunal, marcando o fim do conflito.

Num comentário da consultora Eurasia aos últimos acontecimentos políticos nos países da África Austral lê-se o seguinte: “Os combates no centro de Moçambique entre as Forças de Segurança do Governo e a autoproclamada Junta Militar da RENAMO, grupo dissidente deste partido da oposição, deverão intensificar-se a curto prazo devido à oposição persistente ao processo de paz”.

Apesar de os analistas anteciparem a continuação dos combates, afirmam também que “o actual julgamento de seis membros da Junta Militar em Sofala, acusados de conspiração contra a segurança do Estado, deverá resultar numa condenação, incentivando outros membros do grupo a deporem as armas”.

E acrescentam: “Mariano Nhongo e outros líderes da Junta Militar deverão acabar em tribunal, o que deverá colocar um ponto final no conflito”.

Os “traidores”

Para os analistas da Eurasia, Mariano Nhongo começou por elogiar os termos do acordo de paz, salientando a vertente financeira do processo, mas “parece agora que já não acredita no regresso dos membros que depuseram as armas, referindo-se aos que participam no processo como traidores”.

A imagem pública deste grupo “deteriorou-se gradualmente com a violência e a participação no processo de paz tornou-se mais apelativa”, dizem os analistas, concluindo que “a Junta vai enfraquecer-se ainda mais à medida que as pessoas escolhem participar no processo de paz”.

Logo após a assinatura do acordo de paz, em Agosto de 2019, a autoproclamada Junta Militar da RENAMO, segundo as autoridades, iniciou ataques armados a alvos civis e das Forças de Defesa e Segurança (FDS) em alguns distritos e troços de estrada da região centro do país, incursões que já causaram a morte de, pelo menos, 24 pessoas desde Agosto do último ano.

Reivindicações da Junta Militar

O grupo de dissidentes exige a demissão do actual presidente da REANMO, Ossufo Momade, acusando-o de ter desviado as negociações de paz dos ideais do seu antecessor, Afonso Dhlakama, líder histórico do partido que morreu em maio de 2018.

Oficialmente, a RENAMO demarca-se da acção do grupo dissidente, classificando-o como desertor e reafirmando o seu compromisso com a paz e a reconciliação de Moçambique.

Os dissidentes, chefiados por Mariano Nhongo, um antigo dirigente de guerrilha da RENAMO, rejeitam o Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, exigem o afastamento do líder do partido e apenas aceitam discutir as suas reivindicações com o Presidente da República, Filipe Nyusi.

Antecedentes

Ao abrigo do acordo, mais de 500 antigos guerrilheiros da RENAMO – da meta de pouco mais de 5.000 – já foram desmobilizados no âmbito do processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR).

O entendimento é o terceiro entre o Governo da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) e a RENAMO, desde a assinatura do Acordo Geral de Paz (AGP) em 1992, que pôs termo a 16 anos de guerra civil.

Os dois acordos resultaram de confrontos entre as forças governamentais e a guerrilha da RENAMO na sequência da contestação dos resultados eleitorais pelo principal partido da oposição.

- Publicidade -
- Publicidade -

Com mais armas na mão e um olho na Rússia

A Suécia está a reforçar o poder militar para responder à crescente actividade militar da Rússia e da Organização do Tratado do Atlântico Norte...
- Publicidade -

Camané, Mário Laginha e Maria Mendes nomeados para os Grammy Latinos

Cerimónia decorrerá a 19 de novembro. Os músicos Camané e Mário Laginha e a cantora Maria Mendes estão nomeados para os prémios de música Grammy Latinos...

Emir do Kuwait, xeique Sabah morre aos 91 anos, anuncia país

Kuwait anuncia em cadeia nacional a morte de seu emir, o xeique Sabah al-Ahmad al-Sabah, que governou o país árabe desde 2006. O mais velho...

Movicel recua na decisão de subir os preços dos diferentes planos tarifários

O clamor dos clientes que se fez sentir depois de o Novo Jornal, a 17 deste mês, ter divulgado em primeira mão, que a...

Notícias relacionadas

Com mais armas na mão e um olho na Rússia

A Suécia está a reforçar o poder militar para responder à crescente actividade militar da Rússia e da Organização do Tratado do Atlântico Norte...

Camané, Mário Laginha e Maria Mendes nomeados para os Grammy Latinos

Cerimónia decorrerá a 19 de novembro. Os músicos Camané e Mário Laginha e a cantora Maria Mendes estão nomeados para os prémios de música Grammy Latinos...

Emir do Kuwait, xeique Sabah morre aos 91 anos, anuncia país

Kuwait anuncia em cadeia nacional a morte de seu emir, o xeique Sabah al-Ahmad al-Sabah, que governou o país árabe desde 2006. O mais velho...

Movicel recua na decisão de subir os preços dos diferentes planos tarifários

O clamor dos clientes que se fez sentir depois de o Novo Jornal, a 17 deste mês, ter divulgado em primeira mão, que a...

Trump é “moralmente falido” e agora “também é financeiramente imoral”: O caso dos impostos vai derrotá-lo ou vai ser esquecido?

Investigação divulgada pelo “New York Times” mostra que Donald Trump pagou apenas 750 dólares em impostos federais no ano em que venceu as eleições...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.