- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Política Envio de militares e para-militares para operações no exterior do País só...

Envio de militares e para-militares para operações no exterior do País só com autorização da Assembleia Nacional

A Proposta de Lei sobre o envio de militares e para-militares angolanos para o exterior do País, aprovada hoje, quarta-feira, 12, por unanimidade, determina que compete à Assembleia Nacional autorizar o envio dos contingentes, sob solicitação do Presidente da República.

Angola, segundo o secretário do Estado de Defesa, José Maria de Lima, que apresentou o documento, reconheceu que Angola “não tinha legislação que definisse os termos e condições de envio de contingentes militares e para-militares ao exterior do País”.

“Com a aprovação da referida proposta de Lei, Angola terá um instrumento legal que legitima o envio de militares e para-militares ao exterior do País em cumprimento de missões de paz, de ajuda humanitária, resultantes de compromissos internacionais assumidos pelo Estado angolano no âmbito militar”, disse o responsável.

Segundo José Maria de Lima, na elaboração da presente Proposta de Lei, para além do recurso à Constituição da República de Angola, recorreu-se ao estudo comparado dos diplomas portugueses, brasileiros e contributos prestados pelo Ministério do Interior, Serviços de Informação e Segurança do Estado, Serviços de Inteligência Externa e do Estado Maior General das FAA.

“O envio de contingentes militares e para-militares angolanos ao exterior do País abrange, nomeadamente, operações de ajuda humanitária, operações de paz e operações de apoio”, esclareceu.

Segundo a Proposta de Lei, o envio de contingentes militares e para-militares angolanos ao exterior do País deve respeitar os direitos humanos, reciprocidade de vantagens, cooperação para a paz, justiça, respeito pela soberania dos Estados e coexistência pacífica entre militares, para-militares, população em geral e profissionais humanitários.

Oposição diz que Angola tem de evitar interferências nos países vizinhos

Com aprovação da referida proposta, os partidos políticos da oposição alertaram o Executivo para o cumprimento da Lei e evitar interferências nos países vizinhos.

“No período em que José Eduardo dos Santos governou Angola, o parlamento nunca foi consultado para o envio de soldados angolanos para o estrangeiro. Espero que isto não volte a acontecer”, avisou o deputado da UNITA, Raul Danda.

O presidente da CASA-CE, André Mendes de Carvalho, disse que a aprovação desta proposta de Lei veio colmatar um vazio que existia no País.

“A CASA-CE defende também a aprovação da Lei da Defesa Nacional e das Forças Armadas Angolanas, para dar suporte à proposta de Lei hoje aprovada”, aconselhou.

O deputado independente da CASA-CE, Carlos Candanda, também exige o cumprimento da Lei, frisando que “sem a autorização da Assembleia Nacional, o ex-Governo de José Eduardo dos Santos sempre enviou soldados ao exterior para depor governos democraticamente eleitos”.

“Angola mandou soldados para a RDC, República do Congo, Costa de Marfim vários outros países onde jogou um papel que hoje é reprovado”, lembrou.

Para o presidente da FNLA, Lucas Ngonda, a interferência de Angola no conflito armado na República Democrática do Congo prejudicou a vida dos milhares de refugiados angolanos que lá viviam.

“Em retaliação, milhares de angolanos em uma semana abandonaram a RDC deixando tudo aquilo para trabalharam durante décadas”, lamentou.

O deputado do MPLA, Eusébio Brito Teixeira, acredita que com a nova proposta de Lei aprovada, a situação estará resolvida.

“Angola quando o documento for aprovado definitivamente, terá um instrumento jurídico que vai legitimar o envio de tropas para o exterior”, disse.

Angola enviou de 2017 a 2018 um contingente de forças militares mistas angolanas para o Reino do Lesotho, a fim de integrar uma missão de manutenção de paz da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) naquele País.

No terreno, as forças de paz angolanas juntaram-se a outros países membros da SADC, formando um batalhão.

- Publicidade -
FonteNJ
- Publicidade -

Paulo de Carvalho: Professores devem ser avaliados anualmente

Uma língua é um património social, não dependendo de caprichos de ninguém a sua alteração. Concorda com essa afirmação, que, aliás, é uma das...
- Publicidade -

TC confirma auditoria à gestão do BPC

O Tribunal de Contas (TC) admitiu, este sábado, a realização de auditoria à gestão do Banco de Poupança e Crédito (BPC), mas negou que...

MPLA “afina” máquina para próximos desafios eleitorais

O MPLA está a apostar na melhoria da sua máquina organizativa e no aperfeiçoamento da capacidade de mobilização, para enfrentar e vencer os desafios...

Caso 900 milhões: Irene Neto com contas congeladas e bens apreendidos em Angola

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou hoje ao Novo Jornal que as contas de Irene Neto, filha do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto,...

Notícias relacionadas

Paulo de Carvalho: Professores devem ser avaliados anualmente

Uma língua é um património social, não dependendo de caprichos de ninguém a sua alteração. Concorda com essa afirmação, que, aliás, é uma das...

TC confirma auditoria à gestão do BPC

O Tribunal de Contas (TC) admitiu, este sábado, a realização de auditoria à gestão do Banco de Poupança e Crédito (BPC), mas negou que...

MPLA “afina” máquina para próximos desafios eleitorais

O MPLA está a apostar na melhoria da sua máquina organizativa e no aperfeiçoamento da capacidade de mobilização, para enfrentar e vencer os desafios...

Caso 900 milhões: Irene Neto com contas congeladas e bens apreendidos em Angola

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou hoje ao Novo Jornal que as contas de Irene Neto, filha do primeiro Presidente de Angola, Agostinho Neto,...

Cidadão mata amigo após desentendimento

Uma briga entre amigos resultou na morte, com bloco de construção civil, de um adolescente de 17 anos de idade, praticado por outro já...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.