- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Ásia Dezenas de mulheres repatriadas sofreram abusos na Coreia do Norte

Dezenas de mulheres repatriadas sofreram abusos na Coreia do Norte

ONU denuncia violações cometidas por agentes de segurança norte-coreanos contra mulheres que deixaram o país. Forçadas a retornar, elas acabaram em prisões e foram vítimas de estupros e espancamentos.

Dezenas de mulheres que saíram da Coreia do Norte para procurar trabalho no exterior foram vítimas de abusos cometidos por agentes de segurança norte-coreanos após terem sido forçadas a regressar ao país, denunciou nesta terça-feira (28/07) o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Segundo o relatório da ONU, que ouviu cerca de 100 norte-coreanas que foram repatriadas à força e detidas entre 2009 e 2019, os abusos incluem estupros, espancamentos, revistas corporais invasivas e abortos forçados. As mulheres ficaram ainda presas em locais considerados insalubres e quase sem alimentação. Uma das detidas teria morrido por inanição.  

“Múltiplas e graves violações de direitos humanos foram cometidas por elementos das forças de segurança estatais e da polícia” da Coreia do Norte, afirma a ONU.

Pyongyang impõe restrições rígidas à liberdade de circulação de seus cidadãos e quem for pego tentando fugir para o exterior está sujeito à detenção. Antes de o país fechar as fronteiras para evitar o surto de coronavírus, dezenas de norte-coreanos cruzavam os limites do país com a China. Mulheres eram a grande maioria, por terem mais liberdade de movimento do que homens que costumam ter empregos estatais.

Os testemunhos do relatório sugerem que as mulheres ouvidas, que em muitos casos foram vítimas de trabalho forçado ou de exploração sexual em outros países, eram encaradas como traidoras pelas autoridades norte-coreanas e que deviam ser punidas por ter tido contacto com grupos cristãos no exterior.

As vítimas relataram os abusos ao Alto Comissariado para os Direitos Humanos após terem conseguido sair novamente da Coreia do Norte. 

“É comovente ler estas histórias de mulheres que fugiram do seu país para tentar sobreviver, mas que acabaram sendo punidas”, afirmou a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet. As mulheres ”devem ser cuidadas, e não detidas e sujeitas a mais violações de direitos humanos”, acrescentou.

Bachelet defendeu ainda que as vítimas tenham o direito à justiça, à verdade e ao ressarcimento. “Estes relatos mostram uma vez mais a natureza sistêmica das violações dos direitos humanos na Coreia do Norte e a necessidade de continuar a procurar caminhos para uma responsabilização adequada por esses crimes”, declarou. 

O Alto Comissariado da ONU também pediu aos países estrangeiros que foram ou são o destino das mulheres norte-coreanas, incluindo a China, para respeitarem o princípio ”da não repulsão”, ou seja, não devolverem pessoas para países onde estas possam enfrentar um risco real de abusos de direitos humanos. 

A missão diplomática da Coreia do Norte em Genebra, na Suíça, não comentou as denúncias feitas no relatório.

O documento focou apenas nos casos de norte-coreanas que fugiram para o exterior à procura de trabalho, não mencionando os presos políticos do país que, segundo organizações internacionais, também são vítimas de violações dos direitos humanos. 

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -

Ano lectivo passa a ser de Setembro a Julho

Novo Calendário Escolar Quadro aplica-se a todas as instituições públicas, público-privadas de educação e ensino. Os próximos anos lectivos e académicos, tanto no ensino superior...
- Publicidade -

Bornito de Sousa acusa activista português de difamação

O vice-Presidente de Angola, Bornito de Sousa, e a filha, Naulila Diogo Graça, pretendem processar o activista português anti-corrupção Paulo de Morais por difamação....

PALOP: O que muda no regresso às aulas?

Turmas repartidas e horários desfasados são medidas previstas para o regresso às aulas presenciais em Cabo Verde, a 1 de Outubro. As aulas também...

Presidente francês, Emmanuel Macron, quer apoio europeu na crise da Bieolorússia

Durante uma visita a Vilnius, capital da Lituânia, o Presidente francês, Emmanuel Macron, defendeu um apoio pragmático europeu na crise da Bieolorússia. Macron, recebeu...

Notícias relacionadas

Ano lectivo passa a ser de Setembro a Julho

Novo Calendário Escolar Quadro aplica-se a todas as instituições públicas, público-privadas de educação e ensino. Os próximos anos lectivos e académicos, tanto no ensino superior...

Bornito de Sousa acusa activista português de difamação

O vice-Presidente de Angola, Bornito de Sousa, e a filha, Naulila Diogo Graça, pretendem processar o activista português anti-corrupção Paulo de Morais por difamação....

PALOP: O que muda no regresso às aulas?

Turmas repartidas e horários desfasados são medidas previstas para o regresso às aulas presenciais em Cabo Verde, a 1 de Outubro. As aulas também...

Presidente francês, Emmanuel Macron, quer apoio europeu na crise da Bieolorússia

Durante uma visita a Vilnius, capital da Lituânia, o Presidente francês, Emmanuel Macron, defendeu um apoio pragmático europeu na crise da Bieolorússia. Macron, recebeu...

Gratidão

Este é o sentimento que tomou conta da minha alma no momento em que escrevia este texto, depois de surpreendido com o Prémio de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.