- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Filipe Nyusi reprova qualidade das obras públicas - analistas questionam "aspereza" do...

Filipe Nyusi reprova qualidade das obras públicas – analistas questionam “aspereza” do Presidente

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, reprovou, semana passada, a qualidade de obras de reabilitação de uma escola técnica, em Inhambane.

O Instituto Industrial e Comercial Eduardo Mondlane constava da lista de inaugurações que Nyusi deveria proceder, mas rejeitou por não ter as casas de banho em condições.

“Não vale a pena inaugurar (…) Não aceitamos a obra como medida educativa”, disse Nyusi.

Esta atitude de Nyusi tem uma apreciação positiva e negativa de diferentes analistas.

“Achei o tom do Chefe de Estado muito severo. Ele tem uma fala muito mansa, mas desta vez foi muito áspero”, diz o jurista e comunicador Tomás Vieira Mário, que defende que “as obras devem ser feitas com qualidade”.

Vieira Mário, líder da ONG Sekelekane, diz que a qualidade das obras deve ser observada pelos empreiteiros por forma a evitar suspeitas. “Até porque já há quem conteste o facto de que elas são feitas por adjudicação directa, sem concurso público, então para se limar essas suspeitas é preciso que a qualidade esteja lá”.

Por seu turno, o pesquisador Adriano Nuvunga considera a atitude de Filipe Nyusi um atropelo à administração pública. “Não deve ser o Presidente da República a fiscalizar as obras e a decidir se pode inaugurar ou não uma obra”.

Nuvunga afirma que “é um atropelo grave por parte do Presidente da República, que está desqualificar as instituições, e pode estar na verdade atropelando os princípios da administração pública querendo salvar a sua honra”.

A reabilitação dos sanitários das escolas foi uma das medidas definidas pelo governo para a retoma gradual das aulas, outra situação que não reúne consenso no país.

Nuvunga diz que a reprovação da obra de Inhambane é mais um exemplo que não há condições para se retomar as aulas.

“Não se deve voltar para a escola, não há condições para isso, temos que compreender que o ano lectivo está perdido e Moçambique não tem dinheiro para criar condições”, diz o pesquisador, que dirige o Centro para a Democracia e Desenvolvimento.

- Publicidade -
FonteVoA
- Publicidade -

Entre o silêncio e o gueto

No texto anterior desta coluna, lembrei que a presença africana em Portugal, incluindo quer os berberes e os árabes do norte de África quer...
- Publicidade -

PF faz buscas na casa do governador de SC devido a suposta fraude na compra de respiradores

Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal cumprem na quarta-feira (30) mandado de busca e apreensão na residência do governador de Santa Catarina,...

ENDIAMA acusa ex-trabalhadores de tentarem paralisar actividade da empresa

A Empresa Nacional de Diamantes de Angola (ENDIAMA) acusou hoje um grupo de ex-trabalhadores de tentarem paralisar as actividades da companhia como forma de...

Há 302 surtos de covid-19 no país: Norte e Lisboa são as piores regiões

Portugal tem 302 surtos ativos no país, a maior parte no Norte, todos eles caracterizados pelas autoridades de saúde. Quem o disse foi a...

Notícias relacionadas

Entre o silêncio e o gueto

No texto anterior desta coluna, lembrei que a presença africana em Portugal, incluindo quer os berberes e os árabes do norte de África quer...

PF faz buscas na casa do governador de SC devido a suposta fraude na compra de respiradores

Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal cumprem na quarta-feira (30) mandado de busca e apreensão na residência do governador de Santa Catarina,...

ENDIAMA acusa ex-trabalhadores de tentarem paralisar actividade da empresa

A Empresa Nacional de Diamantes de Angola (ENDIAMA) acusou hoje um grupo de ex-trabalhadores de tentarem paralisar as actividades da companhia como forma de...

Há 302 surtos de covid-19 no país: Norte e Lisboa são as piores regiões

Portugal tem 302 surtos ativos no país, a maior parte no Norte, todos eles caracterizados pelas autoridades de saúde. Quem o disse foi a...

Governo reorienta recursos para os esforços da guerra

O ministro da Economia e Finanças de Moçambique admitiu, ontem, em Maputo, que o conflito armado na província de Cabo Delgado, no Norte do...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.