- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África Conselho de Segurança da ONU e CEDEAO buscam solução para crise no...

Conselho de Segurança da ONU e CEDEAO buscam solução para crise no Mali

Líderes da África Ocidental discutem a instabilidade no Mali após o fracasso nos esforços de mediação da crise. Movimento de contestação a Ibrahim Boubacar Keita convoca novos protestos para o início de Agosto.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) realiza uma cimeira extraordinária por videoconferência esta segunda-feira (27.07) para discutir a crise política no Mali. O encontro dos chefes de Estado da CEDEAO acontece após o os esforços da organização para a mediação da crise terem fracassado em Bamako.

Os membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas também discutirão a crise política no Mali nesta segunda-feira numa videoconferência fechada. O chefe da Missão Multidimensional de Estabilização Integrada das Nações Unidas no Mali (MINUSMA), Mahamat Saleh Annadif, deverá relatar a situação no país.

A Rússia havia proposto que a reunião ocorresse na semana passada, mas o Níger pediu para que o tema fosse debatido depois que a missão da CEDEAO para intermediar o conflito concluísse os trabalhos e que a cimeira extraordinária do bloco fosse realizada.

Líderes do M5 – o movimento de contestação ao Governo no Mali – reiteraram neste final de semana o apelo à demissão do Presidente Ibrahim Boubacar Keita. Os oposicionistas pretendem reiniciar as manifestações contra o Governo após o dia 3 de Agosto.

A convocatória foi feita no sábado num encontro do movimento formado por uma coligação de líderes religiosos e políticos e membros da sociedade civil. Mil pessoas participaram na reunião. O M5 havia proposto uma “trégua” a 21 de Julho até depois do grande festival Muslim Aid al-Adha, marcado para 31 de Julho.

Entenda a crise no Mali

Dezenas de milhares de pessoas protestam na capital Bamako desde Junho contra o Governo do Presidente Ibrahim Boubacar Keita. A coligação M5, composta por grupos da oposição e da sociedade civil, organizou os primeiros protestos em massa a 5 e 19 de Junho.

Os motivos apontados para a crise política são a instabilidade da segurança no centro e norte do país, a estagnação económica e a corrupção. Considera-se, no entanto, que o episódio que inflamou o movimento de contestação foi a invalidação pelo Tribunal Constitucional de cerca de 5,2% dos votos expressos nas eleições legislativas. A decisão anulou os resultados provisórios de 31 dos 147 assentos no Parlamento e acabou por aumentar a representação do partido de Keita em dez lugares.

Ibrahim Boubacar Keita foi eleito em 2013 e reeleito em 2018 para mais cinco anos. O M5 o acusa de ter falhado na sua missão e apelou várias vezes à sua saída do poder.

A 10 de Julho ocorreu a terceira grande manifestação contra o Governo, apontada como a mais violenta desde 2012. Segundo o Governo, 11 pessoas morreram em três dias. A MINUSMA, por sua vez, contabiliza 14 manifestantes mortos, enquanto o M5 relata 23.

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.