- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Ainda é possível salvar o ano lectivo em Moçambique?

Ainda é possível salvar o ano lectivo em Moçambique?

Em Moçambique, o setor da educação luta contra relógio para salvar o ano letivo 2020, interrompido em março pela pandemia. Mas analistas e políticos sugerem que se salvem vidas no lugar de salvar o ano letivo.

O Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano já há muito tempo proibiu o uso de novas tecnologias nas salas de aula, para o ensino e aprendizagem, sobretudo no ensino secundário. Hoje, essas tecnologias são necessárias para salvar o ano letivo 2020, comprometido por causa do novo coronavírus.

O comunicólogo e professor universitário Sérgio Langa sugere por isso que se faça um investimento neste campo, como “um aluno, um tablet” e “salas virtuais equipadas”.

“Porque não há-de valer a pena assumirmos que as aulas vão iniciar quando materialmente não preparamos, sobretudo as camadas mais desfavorecidas. Aqui nós podemos pensar num projeto um aluno, um tablet. É apenas um exemplo que estou a dar mas tudo para garantir que o aluno tenha um dispositivo eletrónico a partir do qual possa aceder às aulas”, explica Langa.

Respeito à ciência

Mesmo se a decisão de salvar o ano for política, e até se for para anular o ano letivo, o Governo não pode desviar o foco que é salvaguardar a ciência, alerta Langa.

“É preciso respeitar as decisões políticas porque existe algo mais forte por detrás delas. Mas não podemos perder de vista que é importante também que as decisões a serem tomadas neste contexto da academia que sejam decisões que respeitam o pensamento científico”.

Se o Governo decidir retornar as aulas o analista lembra que há comunidades, sobretudo rurais, cujas escolas não têm agua para beber muito menos para lavar as mãos. “Então isto pressupõe resolver a questão da pirâmide de Maslow, que é satisfazer as necessidades básicas, para permitir que os tecidos mais desfavorecidos se revejam nesta luta contra a Covid-19”.

Preocupação dos moçambicanos

Já o deputado pela bancada da RENAMO e professor universitário Eduardo Namburete defende que a preocupação de todos os moçambicanos não deveria ser de salvar o ano lectivo.

“Se conseguirmos fazer com que todas as providências para evitar o alastramento da Covid-19 sejam colocadas em prática antes ou até se conseguir salvar o ano lectivo melhor, mas a nossa preocupação não é salvar o ano lectivo”.

Quando faltam apenas quatro meses para terminar o ano lectivo, interrompido em Março último, nada resta ao país, segundo Namburete, se não repensar o próximo ano. Para o deputado e professor, “seria ilusório graduar estudantes que não estudaram praticamente”. “O ideal e o mais lógico seria anular o ano lectivo e ninguém vai morrer porque perdemos o ano lectivo”, defende.

O também politico e professor universitário Silvério Runguana, falando ao canal privado STV, defendeu que se deve encontrar meios para o retorno as aulas presenciais.

“Não restam dúvidas que eu continuo a acreditar que temos que encontrar uma maneira de pôr as aulas a funcionar. E se não terminar este ano e no próximo ano vamos continuar a dizer que as nossas escolas não têm condições?”, questionou.

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -

Filmes que reinventam livros

O cinema de João Botelho continua a interessar-se pela possibilidade de reinventar as mais diversas obras literárias — de Fernando Pessoa a José Saramago,...
- Publicidade -

Erro médico: Hospital troca soro alimentar por anestésico e mata bebê

Uma bebê prematura morreu no passado mês de Janeiro na unidade de Neonatologia do hospital Donostia de San Sebastián, na Espanha, por aquilo que...

Jardim de infância em Espinho encerrado por 14 dias após mais um caso positivo de Covid-19

O jardim de infância da Escola Básica N.º 3 de Espinho encerrou por 14 dias, enviando para casa 140 crianças depois de ter sido...

“Eleições credíveis em Moçambique passam por despolitização e profissionalização da CNE”

Instituto Eleitoral para a África Austral defende profissionalização da CNE para credibilizar as eleições em Moçambique. Organizações eleitorais querem que partidos integrem a comissão...

Notícias relacionadas

Filmes que reinventam livros

O cinema de João Botelho continua a interessar-se pela possibilidade de reinventar as mais diversas obras literárias — de Fernando Pessoa a José Saramago,...

Erro médico: Hospital troca soro alimentar por anestésico e mata bebê

Uma bebê prematura morreu no passado mês de Janeiro na unidade de Neonatologia do hospital Donostia de San Sebastián, na Espanha, por aquilo que...

Jardim de infância em Espinho encerrado por 14 dias após mais um caso positivo de Covid-19

O jardim de infância da Escola Básica N.º 3 de Espinho encerrou por 14 dias, enviando para casa 140 crianças depois de ter sido...

“Eleições credíveis em Moçambique passam por despolitização e profissionalização da CNE”

Instituto Eleitoral para a África Austral defende profissionalização da CNE para credibilizar as eleições em Moçambique. Organizações eleitorais querem que partidos integrem a comissão...

Com queda na média, Brasil tem 335 mortes por Covid em 24 horas

O Brasil registrou neste domingo (27) 335 mortes causadas pelo novo coronavírus e 13.800 novos casos confirmados nas últimas 24 horas. Ao todo, mais...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.