- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Política Polícia agride e prende apoiantes de Abel Chivukuvuku

Polícia agride e prende apoiantes de Abel Chivukuvuku

Apoiantes de Albel Chivukuvuku foram nesta quinta-feira detidos e agredidos em Luanda por agentes da Polícia Nacional, quando tentavam marchar contra a terceira rejeição na véspera pelo Tribunal Constitucional de legalizar o seu projecto político PRA-JA.

O Tribunal Constitucional chumbou definitivamente e pela terceira vez esta quarta-feira (22/07) o recurso interposto para a legalização do partido PRA-JA, o projecto político lançado em 2019 por Abel Chivukuvuku, alegando que as assinaturas dos subscritores não estariam em conformidade.

A comissão instaladora do partido afirma que não foi notificada pelo tribunal da sentença e que apenas tomou conhecimento pela imprensa estatal.

Detenção e agressão a militantes, fracassaram tentativa de manifestação do partido PRA-JA, cujo objectivo era marchar até às instalações do Palácio de Justiça.

A polícia, citada por Paula Melo, membro da Comissão Instaladora do Partido do Renascimento Angolano – Juntos por Angola, descarregou sobre os apoiantes de Abel Chivukuvuku, que recusaram abandonar o local da concentração, alegando falta de autorização do Governo Provincial de Luanda.

“A polícia dizia que nós não podíamos ficar no Largo do Cemitério da Sant´Ana, porque não fomos autorizados a manifestar hoje, mas pelo que eu sei, a nossa constituição não orienta que para marchar, temos que pedir autorização às autoridades,” afirmou a dirigente política.

Osvaldo Humberto, outro membro da Comissão Instaladora do PRA-JA, confirma que Polícia descarregou, sem motivo, diz que não havia razões para os agentes da polícia irem por cima dos seus companheiros, sendo que a concentração decorria de forma ordeira.

Para ele, os seus colegas foram brutalmente agredidos, por exibirem os cartazes, acrescentado que foram criados todos os pressupostos para a realização de uma marcha pacifica até ao Palácio da Justiça, porém, para seu espanto encontraram o aparato policial no local de concentração.

Em função disso, o político anunciou que a partir de sexta-feira (24/07) pretende levar a cabo uma “chuva” de manifestações, para exigir que o Tribunal Constitucional reponha a legalidade sobre o processo do partido PRA-JA.

Sem gravar entrevista, um oficial da Policia Nacional do bairro Neves Bendinha, em Luanda, confidenciou que um dos motivos da proibição da marcha é que os organizadores não reuniram os pressupostos legais para saírem à rua.

O Tribunal Constitucional de Angola negou, pela terceira vez, recurso para legalização do PRA-JA – Partido do Renascimento Angolano – Juntos por Angola – Servir Angola, por insuficiência de assinaturas.

Aquela instância judicial justificou, igualmente, que a Comissão Instaladora não apresentou o número suficiente de atestados de residência, que pudesse sustentar a validação de um mínimo de 7500 assinaturas válidas.

Abel Chivukuvuku, saiu em 2012 da UNITA, partido no qual militava desde 1974, e nesse mesmo ano fundou a CASA-CE.

Em 2019, foi destituído da presidência pelos partidos constituintes da coligação, por alegada “quebra de confiança” e agora, o político que, por várias vezes, se queixou de perseguição, vê definitivamente inviabilizado o seu novo projecto político, cujo processo de legalização começou em 2019.

- Publicidade -
FonteRFI
- Publicidade -

Afrobarómetro: Angolanos reprovam desempenho económico do executivo de João Lourenço

A mais recente pesquisa de opinião do Afrobarómetro, organização continental independente de pesquisas e sondagens, sobre Angola revela que a grande maioria dos angolanos,...
- Publicidade -

Direcção da FAF ‘esconde’ prémios de 348 milhões Kz de que beneficiou

Se de um lado foi observado que em dois anos os dezassete membros que fazem parte do topo da hierarquia da FAF levaram para...

[Análise] Como estão os líderes empresariais africanos a lidar com a crise do coronavírus?

Pessimismo no futuro imediato, mas confiança no futuro do continente a longo prazo: esta é a conclusão da segunda edição do barómetro sobre o...

China garante que OMS deu aval ao uso de vacinas que ainda estão em estudo

As autoridades chinesas dizem que a Organização Mundial da Saúde deu apoio e aceitou a administração de vacinas experimentais que estão a ser desenvolvidas...

Notícias relacionadas

Afrobarómetro: Angolanos reprovam desempenho económico do executivo de João Lourenço

A mais recente pesquisa de opinião do Afrobarómetro, organização continental independente de pesquisas e sondagens, sobre Angola revela que a grande maioria dos angolanos,...

Direcção da FAF ‘esconde’ prémios de 348 milhões Kz de que beneficiou

Se de um lado foi observado que em dois anos os dezassete membros que fazem parte do topo da hierarquia da FAF levaram para...

[Análise] Como estão os líderes empresariais africanos a lidar com a crise do coronavírus?

Pessimismo no futuro imediato, mas confiança no futuro do continente a longo prazo: esta é a conclusão da segunda edição do barómetro sobre o...

China garante que OMS deu aval ao uso de vacinas que ainda estão em estudo

As autoridades chinesas dizem que a Organização Mundial da Saúde deu apoio e aceitou a administração de vacinas experimentais que estão a ser desenvolvidas...

Covid-19: Grupo de 34 reclusos infetados foge de prisão no Brasil

Um grupo de 34 presos, infetados com covid-19, fugiu esta terça-feira através de um túnel de uma prisão no Brasil, com graves problemas de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.