- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Ásia ONG denunciam aproveitamento de trabalho forçado uigur por marcas de roupa

ONG denunciam aproveitamento de trabalho forçado uigur por marcas de roupa

Uma em cada cinco peças de roupa que usamos teria origem em trabalho forçado uigur na China, a denúncia é de uma aliança de quase 200 organizações de defesa dos direitos humanos de 36 países denunciando a repressão chinesa no Xinjiang contra os uigures, de confissão muçulmana da qual tiram proveito grandes marcas de pronto a vestir de todo o mundo, como a Adidas, a Nike, a Zara ou a Calvin Klein, por exemplo.

Teresa Nogueira é especialista da China na Amnistia Internacional ela alega que só os consumidores poderão fazer a diferença para pesar neste contexto.

“Se os consumidores forem informados e começarem a recusar comprar material destas empresas, então, isso surtirá, efectivamente, efeito”. Esta responsável afirma que tais condições contribuem para procurar “anular a cultura destas pessoas, dos uigures”.

Teresa Nogueira alega que os trabalhos forçados na China são prática corriqueira.

“Trabalho forçado na China é uma situação recorrente e só não vê quem não quer e só não vêem as empresas que querem ir para lá explorar. Quanto à situação dos uigures e dos cazaques e outras minorias étnicas que habitam o Xinjiang, desde séculos, estão numa situação de extrema vulnerabilidade”.

Ela denuncia a prática de internamentos em campos “de trabalhos forçados onde tentaram formatar a mentalidade das pessoas e anular a sua consciência étnica.”

- Publicidade -
FonteRFI
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.