- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mais Entrevista Alves da Rocha: "É perigoso insistir na visão de que a austeridade...

Alves da Rocha: “É perigoso insistir na visão de que a austeridade é a solução”

Tem sido dos maiores críticos do programa do FMI. Em entrevista via email, o coordenador do Centro de Estudos e Investigação Científica (CEIC) defende que a fixação na austeridade para reduzir a dívida põe em causa o crescimento a longo prazo. O país está intervencionado pelo FMI e o Alves da Rocha tem sido um dos seus maiores críticos.

Porque é que o programa de financiamento ampliado, no seu entender, não “bate” com as necessidades de Angola?

A austeridade parte do princípio absoluto de que a dívida pública é má para o crescimento económico e que a única forma de a reduzir é cortar na despesa do Estado, mantendo um excedente orçamental, independentemente do seu custo social – as declarações de altos responsáveis do Governo têm sido no sentido da religiosidade do saldo orçamental nulo e da consolidação orçamental com aumento de impostos.

Com dívida reduzida e finanças sãs, o sector privado ficará liberto para fazer arrancar de novo a prosperidade. Portanto, é a austeridade que o FMI traz que o preocupa… Este é, do meu ponto de vista, um dos axiomas mais importantes da filosofia do Fundo Monetário Internacional, não importando em que condições os países estejam.

A fixação na austeridade para reduzir a dívida pública passa ao lado de um ponto básico: o que importa é o crescimento a longo prazo, as suas fontes (ou seja, de onde o mesmo deriva e de que modo pode ser sustentável), o que está a ser investido nele e a sua distribuição (quem fica com as recompensas).

Se por meio da austeridade forem feitos cortes em áreas essenciais para o crescimento da economia – educação, investigação, inovação, saúde (uma saúde saudável, não a que temos e agora com a pandemia viral revelada nos seus piores contornos, pois, afinal, não se tem um sistema de saúde), infraestruturas, o crescimento não acontecerá.

Verificamos que o Governo está a aumentar o investimento, nomeadamente em obras públicas. No nosso contexto, é, ou não, uma solução para a saída da crise?

No caso das obras públicas o importante não é o seu montante, mas a sua qualidade (impactos sociais e económicos) aspecto muito pouco considerado no Programa de Investimentos Públicos (PIP), onde cabem muitos projectos, sem avaliação económica e sem consideração de prioridades.

Há um outro ponto importante nesta matéria da austeridade, que o Governo aceitou ao assinar o protocolo de assistência financeira do FMI e agora tem de cumprir: estando a economia em recessão continuada desde 2015, o modo de a tirar deste estado de letargia é definhar mais e mais a procura agregada? Qual o nível de desemprego e subutilização das capacidades produtivas da economia nacional? Os empresários sabem, mas parece que o Governo não.

Desde que o FMI entrou em Angola, a situação macroeconómica agravou-se, mais uma vez devido ao petróleo, e a situação dificilmente se inverterá nos próximos tempos. Vamos estar, portanto, a viver em austeridade mais tempo?

Penso ser perigoso (porque em última instância as economias são feitas por pessoas e para as pessoas) insistir na visão convencional de que a austeridade é a solução e que o crescimento insuficiente indicia uma austeridade insuficiente (círculo vicioso da austeridade denunciado por prestigiados economistas, como Stiglitz). Como está a economia angolana: em pleno emprego ou em subemprego? Com uma quantidade suficiente de moeda em circulação? A liquidez das empresas é bastante para cobrir necessidades de compra de insumos e de pagamentos de salários?

Tem respostas para estas perguntas que coloca?

A primeira situação nunca ocorreu, nem ocorrerá, porque é uma figura teórica para simbolizar que nas proximidades da curva de fronteira de possibilidades de produção as despesas públicas devem ter, principalmente, a função de aumentar o produto potencial da economia (passagem a uma outra curva) através da inovação, ciência, tecnologia e capital humano.

E se o aperto da despesa pública se prolongar por demasiado tempo, então a redução da procura tornar-se-á estrutural e sistémica, assim como o investimento. Este é um ponto fundamental para o “novo-normal” pós-Covid-19. O Estado tem de garantir um nível aceitável de procura agregada para servir de atractivo ao investimento privado

- Publicidade -
- Publicidade -

Rui Pinto “é o Edward Snowden da corrupção internacional”, sublinha advogado do hacker português

William Bourdon, um dos advogados do hacker português assegura que o próximo passo será pedir a absolvição do seu cliente. William Bourdon considera que Rui...
- Publicidade -

Governador do distrito de Caracas morre de covid-19

Darío Vivas, o governador do distrito venezuelano que engloba a capital Caracas e forte aliado do presidente Nicolás Maduro, morreu nessa quinta-feira, aos 70...

Valter Filipe condenado a oito anos de prisão

O ex-governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Valter Filipe, foi condenado, nesta sexta-feira, na pena de oito anos de prisão maior, pela câmara...

Autoridades apreendem madeira no parque Luengue-Luiana

Duzentos e quarenta metros cúbicos de madeira, explorados de forma ilegal no perímetro do Parque Nacional Luengue-Luiana, que representa a componente angolana no projecto...

Notícias relacionadas

Rui Pinto “é o Edward Snowden da corrupção internacional”, sublinha advogado do hacker português

William Bourdon, um dos advogados do hacker português assegura que o próximo passo será pedir a absolvição do seu cliente. William Bourdon considera que Rui...

Governador do distrito de Caracas morre de covid-19

Darío Vivas, o governador do distrito venezuelano que engloba a capital Caracas e forte aliado do presidente Nicolás Maduro, morreu nessa quinta-feira, aos 70...

Valter Filipe condenado a oito anos de prisão

O ex-governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Valter Filipe, foi condenado, nesta sexta-feira, na pena de oito anos de prisão maior, pela câmara...

Autoridades apreendem madeira no parque Luengue-Luiana

Duzentos e quarenta metros cúbicos de madeira, explorados de forma ilegal no perímetro do Parque Nacional Luengue-Luiana, que representa a componente angolana no projecto...

Huíla aposta na formação de treinadores e árbitros

A realização progressiva de cursos de treinadores, árbitros e cronometristas para o andebol constitui uma das apostas do elenco da nova direcção da associação...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.