- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mais Entrevista FLEC-FAC pede mediação internacional em Cabinda

FLEC-FAC pede mediação internacional em Cabinda

Em entrevista à DW África, Afonso Zau, general da FLEC-FAC, frisa que “há guerra” em Cabinda por causa do MPLA, partido no poder em Angola, e pede ajuda à comunidade internacional.

As forças armadas da Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC) voltaram esta segunda-feira (13.07) a emitir uma nota de imprensa, apelando ao Governo de Angola para que aceite um diálogo sobre a independência daquele enclave que, na sua opinião, legalmente, não faz parte do território angolano.

Já na semana passada, as FAC (forças armadas de Cabinda), o “braço armado” da FLEC, anunciaram a morte de cinco pessoas, entre as quais dois soldados das Forças Armadas Angolanas (FAA) e três civis, bem como três feridos do seu lado.

Recorde-se que a FLEC, através das FAC, luta pela independência do território, alegando que o enclave era um protectorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885, e não parte integrante do território angolano. Criada em 1963, a organização independentista dividiu-se e multiplicou-se em diferentes facções, efémeras, com a FLEC-FAC a manter-se como o único movimento que alega manter uma “resistência armada” contra a administração de Luanda.

Mais de metade do petróleo angolano provém desta província angolana.

A DW África entrevistou o general Afonso Zau, que se apresenta como chefe de Estado Maior General Adjunto da FLEC-FAC, que incita a comunidade internacional a impulsionar o diálogo entre a FLEC-FAC e o partido que governa Luanda.

DW África: Existe, de facto, um conflito armado em território de Cabinda?

Afonso Zau (AZ): O conflito em Cabinda é uma realidade. Há guerra. O MPLA [Movimento Popular de Libertação de Angola] anda à procura dos independentistas. Nós não estamos para isso. Nós estamos respeitando escrupulosamente a ordem do senhor secretário-geral das Nações Unidas de mantermos a paz. Mas o MPLA está sempre a avançar nas nossas posições. O MPLA vem ao nosso encontro nas zonas controladas, nas nossas zonas de jurisdição. Não podemos estar parados. Estamos sempre a responder. Eles vêm atacar-nos, nós também atacamos.

DW África: Está em condições de nos informar se tem havido mortes neste conflito?

AZ: Tem havido muita mortalidade da parte deles e da nossa parte. Eles aproveitam e matam o povo indefeso, o povo civil está a morrer, sobretudo mulheres. Não sabemos como explicar ao mundo a situação.

DW África: Há partes de Cabinda controladas militarmente pela FLEC-FAC?

AZ: Exactamente. Existem zonas libertadas unicamente controladas por FLEC-FAC. Mas o MPLA circula isso. Entra nas matas de Cabinda à nossa procura. E nós não podemos parar.

DW África: A FLEC-FAC tem feito esforços no sentido de resolver o conflito na via do diálogo?

AZ: Exactamente. É o que nós já tentámos muitas vezes. Já nos encontrámos uma vez em Ponta-Negra, já fomos ao Gabão, já tentámos ali mesmo, no terreno, em certos pontos. O MPLA, depois das reuniões com a FLEC, quando volta para Luanda, responde sempre com incursões de grande envergadura na nossa área. Mas a FLEC não está para a guerra. Desde o tempo dos portugueses que o povo de Cabinda decidiu a paz, razão pela qual os cabindas assinaram o tratado com os portugueses. Tratados de amizade, tratados de paz. O povo de Cabinda negou categoricamente o problema da guerra, porque a guerra não constrói. A guerra destrói.

DW África: Fala dos angolanos. Refere-se apenas ao MPLA ou também a outros partidos legalizados em Angola?

AZ: Não. O movimento que está a fazer desordem em Cabinda é o MPLA. Porque nós temos ligações com outros partidos na oposição de Angola. Por causa do petróleo de Cabinda, o MPLA, como partido totalitário – hoje digo mesmo que o MPLA é totalitário – não quer ver quais são as ideias dos outros partidos. Eles negam categoricamente as opções dos outros partidos. Por isso, é o MPLA.

DW África: Acha que os cabindas estão do lado da FLEC-FAC?

AZ: O povo apoia a FLEC e está ao [nosso] lado. Realmente, se a FLEC está resistindo há muito tempo é porque o povo segurou muito bem esta revolução e esta luta de Cabinda.

DW África: Quais são as vossas propostas mais urgentes no sentido de resolver este conflito?

AZ: Os nossos intentos e o que nós precisamos urgentemente é que a opinião nacional, as Nações Unidas, a União Africana, o Parlamento Europeu, sabendo que é uma luta africana, deveriam impulsionar o MPLA a sentar-se connosco numa mesa redonda, porque vamos dialogar. E eles vão falar quais são as reais razões que os levam a ficar em Cabinda. Porque Cabinda não é Angola.

- Publicidade -
- Publicidade -

Reações.Violência policial na França: a imprensa estrangeira em choque

Deriva autoritária? Caso George Floyd ao estilo francês? Após a divulgação de imagens da agressão a um produtor negro pela polícia e enquanto uma...
- Publicidade -

Falta de comida leva ursos a atacar túmulos na Rússia

Animais procuraram forma de sobreviver à fome O comportamento incomum dos animais foi observado em mais do que uma cidade, mas foi o município russo...

LIMA tem nova líder no Bengo

A nova presidente provincial do Bengo da Liga da Mulher Angolana (LIMA), Ana Paula Afonso, foi investida, ontem, em Caxito, substituindo Ana José Chumbo. A...

Inocêncio de Matos, morto na manifestação do dia 11 de Novembro, vai hoje a enterrar

Passados 18 dias após a morte de Inocêncio Matos, finalmente será realizado o enterro. A família diz estar ultrapassado o diferendo que os opunha...

Notícias relacionadas

Reações.Violência policial na França: a imprensa estrangeira em choque

Deriva autoritária? Caso George Floyd ao estilo francês? Após a divulgação de imagens da agressão a um produtor negro pela polícia e enquanto uma...

Falta de comida leva ursos a atacar túmulos na Rússia

Animais procuraram forma de sobreviver à fome O comportamento incomum dos animais foi observado em mais do que uma cidade, mas foi o município russo...

LIMA tem nova líder no Bengo

A nova presidente provincial do Bengo da Liga da Mulher Angolana (LIMA), Ana Paula Afonso, foi investida, ontem, em Caxito, substituindo Ana José Chumbo. A...

Inocêncio de Matos, morto na manifestação do dia 11 de Novembro, vai hoje a enterrar

Passados 18 dias após a morte de Inocêncio Matos, finalmente será realizado o enterro. A família diz estar ultrapassado o diferendo que os opunha...

Rafael Marques defende informação transparente sobre capitais recuperados

O jornalista Rafael Marques, que durante os últimos anos denunciou actos de corrupção e desvios de fundos públicos, defendeu, ontem, na cidade do Lubango,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.