- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia BPC confirma encerramento de agências no país

BPC confirma encerramento de agências no país

Cinquenta e três agências e postos de atendimento do Banco de Poupança e Crédito (BPC) em diversas províncias foram encerrados, segunda-feira, 13, no quadro do seu programa de redimensionamento desta instituição financeira.

Trata-se de agências / postos de atendimento  e agências de transferências   localizadas nas províncias  Luanda, Cunene,  Cuanza Sul, Benguela, Huíla, Namibe,  Cuando Cubango, Malanje, Uíge, Cabinda, Lunda Sul, Moxico  e Bengo.

A informação foi confirmada à Angop pela direcção de Marketing e Imagem do BPC, sem no entanto avançar mais detalhes em torno deste procedimento.

Esse passo marca  o início do processo de despedimento de pessoal no maior banco público do país, que viu os seus activos deterioram-se nos últimos sete anos, com prejuízos acumulados, até dezembro de 2019, de 404,7 mil milhões de kwanzas.

Na lista publicada pelo BPC, nos finais de Junho,  a  que a ANGOP teve acesso, a província de Luanda aparece com 22 pontos, entre agências/ postos de atendimento, encerrados nesta primeira fase.

Os clientes do BPC das agências e postos encerrados poderão estar a transferir as suas contas para os outros postos em funcionamento.

No quadro do encerramento destas agências, o BPC prevê dispensar  mais de mil e 600 trabalhadores, no quadro do programa de recapitalização e reestruturação.

A direção do BPC comprometeu-se em  preparar um valor na ordem dos 18 mil milhões  de kwanzas para indemnizar  os funcionários, de acordo com Lei  de Trabalho, acrescido de um prémio.

No quadro da dispensa dos trabalhadores, o Sindicato Nacional dos Empregados Bancários de Angola, aconselhou, no princípio deste mês, a direcção do BPC a recuar na sua decisão de despedir trabalhadores.

O sindicato, em comunicado de imprensa, anunciou que pondera convocar, em breve, os trabalhadores do BPC para uma assembleia destinada à convocação de uma manifestação pacífica ou greve.

O BPC, cujo maior accionista  é o Estado angolano, com um capital de 75%, detinha o maior de número de postos de atendimento a nível do país , com mais de 300 postos.

A 17 de Abril deste ano, o banco  sofreu um  roubo interno de  400 milhões de  de kwanzas, uma situação recorrente nesta unidade financeira.

- Publicidade -
FonteAngop
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.