- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia Mosquito e Coutinho entre os quinze maiores devedores do Banco SOL

Mosquito e Coutinho entre os quinze maiores devedores do Banco SOL

A Falcon Oil Holding, do veterano empresário António Mosquito, é a terceira empresa maior devedora do Sol, enquanto a Sopros, do «demitido» PCA do referido banco, é a oitava maior credora. As duas instituições receberam, no conjunto, 13,9 mil milhões Kz do banco.

Os nomes das empresas dos accionistas do Banco SOL, nomeadamente Coutinho Nobre Miguel e António Mosquito, constam da lista dos 15 maiores devedores de «alto risco» daquela instituição financeiro, assim indica o relatório, a que o Novo Jornal teve acesso, sobre as actividades desenvolvidas pelo banco entre Abril de 2019 e primeiro trimestre de 2020.

Trata-se do grupo empresarial Falcon Oil Holding, detido pelo empresário António Mosquito, e a Sociedade Angolana de Promoção de Shopping, conhecida por Sopros, que tem como sócio o banqueiro Coutinho Nobre Miguel. No conjunto, as duas instituições possuem uma dívida acumulada acima de 13,9 mil milhões de kwanzas naquela instituição bancária.

Dividindo em partes, o crédito de «alto risco» da firma de António Mosquito está estimado em pouco mais de 10,4 mil milhões de kwanzas, ao passo que a dívida da empresa de Coutinho Nobre Miguel está avaliada em quase 3,6 mil milhões Kz, observou o Novo Jornal através do relatório da consultora Ernst & Young Angola sobre as demonstrações financeiras da instituição.

A análise feita pela consultora EY sobre os 15 maiores devedores de crédito no Banco Sol indica, entretanto, que o mesmo está estimado em 116,9 mil milhões de kwanzas, “correspondendo a 49% do total da exposição global líquida de imparidades em balanço com referência a 30 de Abril de 2019”, acentua o documento com mais de 200 páginas, consultado por este semanário.

A firma de António Mosquito recebeu um financiamento que tem vindo a ser reestruturado pelo banco, de forma a ajustar o plano de amortização de capital e juros, explica a consultora. “O plano financeiro inicial previa o reembolso da operação em cinco anos, com prestações mensais de capital e juro, tendo sido reestruturado para prestações anuais e, por último, pagamento bullet.

Para além da introdução de períodos de carência de capital e juros, verificamos que as reestruturações apresentam um aumento do montante de financiamento concedido com capitalização de juros vencidos. Esta entidade [a Falcon Oil] não apresenta níveis de liquidez à vista ou a prazo no Banco Sol”, revelaram os consultores contratados.

- Publicidade -
- Publicidade -

MPLA nega envolvimento na inviabilização do PRA-JA Servir Angola junto do Tribunal Constitucional

O secretário do Bureau Político do MPLA para os Assuntos Políticos e Eleitorais, Mário Pinto de Andrade, desvalorizou as declarações do coordenador da comissão...
- Publicidade -

Artistas reclamam que apoio do Governo moçambicano não chega à Zambézia

Artistas na Zambézia reclamam que recursos do projecto "Arte no Quintal”, idealizado pelo Governo para apoiá-los durante a pandemia, não chega à província: "Quando...

Covid-19: Campanha “Luanda Solidária” ajuda professores do ensino privado

Campanha "Luanda Solidária" pretende angariar fundos para ajudar professores do ensino privado que passam dificuldades devido à Covid-19. Mas o Estado angolano não deve...

Violência xenófoba contra moçambicanos faz um morto em Joanesburgo

Um imigrante moçambicano morreu e pelo menos 18 pessoas também de nacionalidade moçambicana ficaram desalojadas por alegada violência xenófoba no leste de Joanesburgo, África...

Notícias relacionadas

MPLA nega envolvimento na inviabilização do PRA-JA Servir Angola junto do Tribunal Constitucional

O secretário do Bureau Político do MPLA para os Assuntos Políticos e Eleitorais, Mário Pinto de Andrade, desvalorizou as declarações do coordenador da comissão...

Artistas reclamam que apoio do Governo moçambicano não chega à Zambézia

Artistas na Zambézia reclamam que recursos do projecto "Arte no Quintal”, idealizado pelo Governo para apoiá-los durante a pandemia, não chega à província: "Quando...

Covid-19: Campanha “Luanda Solidária” ajuda professores do ensino privado

Campanha "Luanda Solidária" pretende angariar fundos para ajudar professores do ensino privado que passam dificuldades devido à Covid-19. Mas o Estado angolano não deve...

Violência xenófoba contra moçambicanos faz um morto em Joanesburgo

Um imigrante moçambicano morreu e pelo menos 18 pessoas também de nacionalidade moçambicana ficaram desalojadas por alegada violência xenófoba no leste de Joanesburgo, África...

UNITA sugere eliminação das assimetrias regionais

A UNITA sugeriu, nesta segunda-feira, em Luanda, a eliminação das assimetrias para o desenvolvimento harmonioso e equilibrado das comunidades. Numa declaração alusiva ao aniversário de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.