- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Cabo Delgado: Morte de trabalhadores sem relação com projecto de gás, diz...

Cabo Delgado: Morte de trabalhadores sem relação com projecto de gás, diz Total

Petrolífera que lidera mega-projecto de gás no norte moçambicano diz não ter havido nenhuma actividade do empreendimento ligada às circunstâncias em que oito trabalhadores de uma subcontratada foram assassinados.

“A situação não esteve relacionada com nenhuma actividade realizada pelo projecto Mozambique LNG”, lê-se em resposta a questões colocadas pela agência de notícias Lusa, esta segunda-feira (06.07).

O ataque por um grupo armado “ocorreu a aproximadamente 60 quilómetros do local de construção do projecto”, acrescentou.

A multinacional esclareceu ainda que a visita de Arnaud Breuillac, presidente de exploração e produção da Total, a Moçambique, na sexta-feira, “não teve relação com esta situação de segurança”.

Ataque

A empresa Fenix Construction anunciou no domingo (05.07), em comunicado, que uma das suas viaturas foi atacada”por cinco insurgentes” em 27 de Julho, a quatro quilómetros de Mocímboa da Praia, vila que no mesmo dia estava sob ataque de grupos armados que aterrorizam a região.

Dos 14 ocupantes do veículo, além dos oito mortos, três fugiram para o mato e sobreviveram, enquanto outros três continuam desaparecidos.

Uma empresa de segurança privada contratada pela Fenix conseguiu resgatar para Palma os corpos dos oito homens mortos e “sob instruções das autoridades locais de Palma, foram enterrados na sexta-feira”, referiu a empresa.

Condições seguras

Arnaud Breuillac, presidente de exploração e produção da Total, visitou Moçambique na sexta-feira e reuniu-se com o ministro dos Recursos Minerais e Energia, Max Tonela.

Após o encontro, questionado pelos jornalistas, Breuillac referiu que “o Governo está a trabalhar muito bem para criar, dentro do possível, as melhores condições para execução segura” do projecto. “A segurança é da responsabilidade do Governo e nós estamos confiantes no trabalho que está a ser realizado”, acrescentou.

As incursões de grupos armados nos últimos dois anos e meio naquela província – sem visar o recinto do mega-projecto de gás – já provocaram a morte de, pelo menos, 700 pessoas e uma crise humanitária que afecta cerca de 211.000 residentes.

A origem da violência continua sob debate, sendo que desde Junho de 2019 vários ataques passaram a ser reivindicados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico.

A Total lidera o consórcio que vai explorar as reservas de gás da Área 1 da bacia do Rovuma a partir de 2024.

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -

FACTUALIDADES: A semana em revista

Foi a enterrar no passado dia 30 de Julho, uma das figuras emblemáticas da política angolana. O general Kundi Paihama foi ao longo da...
- Publicidade -

MPLA nega envolvimento na inviabilização do PRA-JA Servir Angola junto do Tribunal Constitucional

O secretário do Bureau Político do MPLA para os Assuntos Políticos e Eleitorais, Mário Pinto de Andrade, desvalorizou as declarações do coordenador da comissão...

Artistas reclamam que apoio do Governo moçambicano não chega à Zambézia

Artistas na Zambézia reclamam que recursos do projecto "Arte no Quintal”, idealizado pelo Governo para apoiá-los durante a pandemia, não chega à província: "Quando...

Covid-19: Campanha “Luanda Solidária” ajuda professores do ensino privado

Campanha "Luanda Solidária" pretende angariar fundos para ajudar professores do ensino privado que passam dificuldades devido à Covid-19. Mas o Estado angolano não deve...

Notícias relacionadas

FACTUALIDADES: A semana em revista

Foi a enterrar no passado dia 30 de Julho, uma das figuras emblemáticas da política angolana. O general Kundi Paihama foi ao longo da...

MPLA nega envolvimento na inviabilização do PRA-JA Servir Angola junto do Tribunal Constitucional

O secretário do Bureau Político do MPLA para os Assuntos Políticos e Eleitorais, Mário Pinto de Andrade, desvalorizou as declarações do coordenador da comissão...

Artistas reclamam que apoio do Governo moçambicano não chega à Zambézia

Artistas na Zambézia reclamam que recursos do projecto "Arte no Quintal”, idealizado pelo Governo para apoiá-los durante a pandemia, não chega à província: "Quando...

Covid-19: Campanha “Luanda Solidária” ajuda professores do ensino privado

Campanha "Luanda Solidária" pretende angariar fundos para ajudar professores do ensino privado que passam dificuldades devido à Covid-19. Mas o Estado angolano não deve...

Violência xenófoba contra moçambicanos faz um morto em Joanesburgo

Um imigrante moçambicano morreu e pelo menos 18 pessoas também de nacionalidade moçambicana ficaram desalojadas por alegada violência xenófoba no leste de Joanesburgo, África...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.