- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal António Pina: "É mais seguro viver no Algarve do que no Reino...

António Pina: “É mais seguro viver no Algarve do que no Reino Unido”

Marcelo Rebelo de Sousa foi ao Algarve apelar aos portugueses para que lutem pelo turismo na região. A Renascença ouviu dois responsáveis algarvios sobre o assunto e ambos falam de grandes prejuízos para a região.

É tarde demais. O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) considera que a decisão do governo britânico de só rever no dia 27 a lista de países isentos de quarentena, nas chegadas ao Reino Unido, vai ter um grande impacto nos sectores do turismo e restauração algarvios.

Em entrevista à Renascença, António Pina fala num verão praticamente perdido, face aos prejuízos que se preveem, e deixa um recado a Londres.

“Dia 27 já é tarde. Já perdemos o Julho e corremos o risco de que os ingleses que normalmente marcam as suas férias em Agosto não fiquem à espera do dia 27 para saber se marcam férias em Portugal e no Algarve ou não. É tão tarde que pode pôr também em risco o Agosto. É uma situação que continuamos a lamentar e que é profundamente injusta. A única coisa que podemos dizer é que é mais seguro viver no Algarve que no Reino Unido. Nós no Algarve à data de ontem [segunda-feira] tínhamos apenas em cuidados hospitalares, das quais nenhuma em cuidados intensivos”, atira.

O Presidente da AMAL diz que ainda é cedo para fazer contas aos prejuízos, mas alerta que “a ocupação das unidades hoteleiras que estão abertas não chega aos 30%”.
Já José Vitorino, presidente da União Empresarial do Algarve diz ser necessário apurar responsabilidades, mas também apostar em mercados alternativos e que não vale a pena lamentações.
“Essa decisão do reino unido exige um esclarecimento aprofundado e detalhado daquilo que até hoje não se soube nada. É preciso saber o que é que o Governo pôs em cima da mesa nas negociações com o Reino Unido. O país exige que se saiba isso. Exige que se responsabilize quem eventualmente seja responsável por estes muito milhões que acarretam uma decisão desta natureza. Não podemos andar aqui todos a lamuriar-nos. O que temos de fazer é juntar forças regionais para diversificar mercados porque se dependemos de um mercado 15% ou 20% é uma coisa se dependemos a 60% é outra.”

José Vitorino aponta os mercados alemão, nórdico e francês como alternativas a explorar, contudo, recorda que “há 40 ou 50 anos que se fala na dependência do turismo britânico”. Para combater a situação, o presidente da União Empresarial do Algarve defende que a Região Turismo do Algarve possa fazer a sua própria promoção.

“O que está em causa, em primeiro lugar, é o estatuto errado que tem sido atribuído à Região Turismo do Algarve. Como grande responsável pela maior região turística do país, exige um estatuto próprio, para que possa fazer a sua promoção externa. Hoje a promoção é nacional e essa promoção nacional que é feita não responde às necessidades do Algarve. Tanto não responde que a dependência destes mercados se mantém passem cinco, 10 ou 20 anos”, sublinha.

A reavaliação da lista de países isentos de quarentena nas chegadas ao Reino Unido, da qual Portugal foi excluído devido aos surtos de Covid-19, vai ser feita em 27 de Julho.

Londres publicou na sexta-feira passada uma lista de 59 países e territórios, incluindo Alemanha, Austrália, Espanha, França, Grécia ou Macau, cujos viajantes deixam de ter de ficar em isolamento durante 14 dias à chegada ao Reino Unido a partir de 10 de Julho.

- Publicidade -
- Publicidade -

MPLA nega envolvimento na inviabilização do PRA-JA Servir Angola junto do Tribunal Constitucional

O secretário do Bureau Político do MPLA para os Assuntos Políticos e Eleitorais, Mário Pinto de Andrade, desvalorizou as declarações do coordenador da comissão...
- Publicidade -

Artistas reclamam que apoio do Governo moçambicano não chega à Zambézia

Artistas na Zambézia reclamam que recursos do projecto "Arte no Quintal”, idealizado pelo Governo para apoiá-los durante a pandemia, não chega à província: "Quando...

Covid-19: Campanha “Luanda Solidária” ajuda professores do ensino privado

Campanha "Luanda Solidária" pretende angariar fundos para ajudar professores do ensino privado que passam dificuldades devido à Covid-19. Mas o Estado angolano não deve...

Violência xenófoba contra moçambicanos faz um morto em Joanesburgo

Um imigrante moçambicano morreu e pelo menos 18 pessoas também de nacionalidade moçambicana ficaram desalojadas por alegada violência xenófoba no leste de Joanesburgo, África...

Notícias relacionadas

MPLA nega envolvimento na inviabilização do PRA-JA Servir Angola junto do Tribunal Constitucional

O secretário do Bureau Político do MPLA para os Assuntos Políticos e Eleitorais, Mário Pinto de Andrade, desvalorizou as declarações do coordenador da comissão...

Artistas reclamam que apoio do Governo moçambicano não chega à Zambézia

Artistas na Zambézia reclamam que recursos do projecto "Arte no Quintal”, idealizado pelo Governo para apoiá-los durante a pandemia, não chega à província: "Quando...

Covid-19: Campanha “Luanda Solidária” ajuda professores do ensino privado

Campanha "Luanda Solidária" pretende angariar fundos para ajudar professores do ensino privado que passam dificuldades devido à Covid-19. Mas o Estado angolano não deve...

Violência xenófoba contra moçambicanos faz um morto em Joanesburgo

Um imigrante moçambicano morreu e pelo menos 18 pessoas também de nacionalidade moçambicana ficaram desalojadas por alegada violência xenófoba no leste de Joanesburgo, África...

UNITA sugere eliminação das assimetrias regionais

A UNITA sugeriu, nesta segunda-feira, em Luanda, a eliminação das assimetrias para o desenvolvimento harmonioso e equilibrado das comunidades. Numa declaração alusiva ao aniversário de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.