- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Ásia Investigação revela que China armazenava vírus semelhante ao da Covid-19 em Wuhan

Investigação revela que China armazenava vírus semelhante ao da Covid-19 em Wuhan

Uma investigação este domingo publicada pelo Sunday Times revelou que a China armazenava um vírus encontrado em 2012 semelhante ao SARS-CoV-2, da Covid-19, no laboratório do Instituto de Virologia de Wuhan. Esta revelação surge dias antes do início da investigação da Organização Mundial da Saúde, que vai à China para tentar identificar a origem da pandemia.

Em Agosto de 2012, uma pequena equipa de cientistas chineses viajou para a cidade de Tonggua, na região de Mojiang, no sudoeste da China, para investigar uma nova doença, potencialmente mortal. O destino da equipa era, mais precisamente, uma mina de cobre abandonada.

Devidamente equipados com roupa adequada e máscaras de protecção, os cientistas aventuraram-se no interior da mina. O cheiro, relataram, era nauseabundo. O chão da mina estava coberto de dejectos animais bem como de agentes patogénicos possivelmente mortais. O tecto estava repleto de morcegos.

Semanas antes, um grupo de seis homens tinha entrado na gruta e manifestado sintomas severos de pneumonia. Mas a doença confundiu os médicos: todos os doentes tinham febre acima dos 39 graus, tosse e dores no corpo. Com a excepção de um, todos tiveram graves dificuldades respiratórias. Três acabaram por morrer. Quatro tiveram teste positivo para coronavírus; os outros dois morreram antes de serem testados.

A investigação do Sunday Times relata que os cientistas detectaram um vírus na mina. Amostras de matéria fecal foram congeladas e enviadas para um laboratório para análise e armazenamento. O laboratório escolhido foi o Instituto de Virologia de Wuhan.

A descoberta, segundo o jornal britânico, foi abafada e praticamente não tem rasto. Porém, foi possível encontrar informações sobre o vírus numa tese de mestrado de um jovem médico chinês, cujo orientador era um especialista que trabalhava na unidade de cuidados intensivos onde foram tratados os homens infectados na mina. No entanto, a tese omite o facto de o vírus ter sido a causa de pneumonias fatais.

A China mantém um elevado grau de sigilo no que toca a publicações académicas. Todos os trabalhos académicos e científicos têm de ser enviados a um comité que reporta directamente ao governo, que decide se este pode ou não ser publicado.

Depois de meio milhão de mortes e mais 11 milhões de infectados, a Organização Mundial da Saúde prepara-se agora para lançar uma investigação independente à origem do vírus.

O inquérito deverá volta a levantar dúvidas sobre a origem do vírus, que se acredita ter começado num mercado abastecedor de Wuhan. Tese que para Peter Daszak, especialista britânico em doenças transmitidas por animais, não faz sentido.

O vírus não teve origem no mercado, mas sim noutro sítio”, disse ao Sunday Times.

Recorde-se que o presidente norte-americano, Donald Trump, e o seu executivo, acusam repetidamente a China de ter causado a pandemia. Mike Pompeo, secretário de Estado americano (cargo equivalente ao ministro dos Negócios Estrangeiros), afirmou que existem “enormes evidências” de que o vírus tenha tido origem numa fuga do laboratório de Wuhan.

- Publicidade -
- Publicidade -

MPLA nega envolvimento na inviabilização do PRA-JA Servir Angola junto do Tribunal Constitucional

O secretário do Bureau Político do MPLA para os Assuntos Políticos e Eleitorais, Mário Pinto de Andrade, desvalorizou as declarações do coordenador da comissão...
- Publicidade -

Artistas reclamam que apoio do Governo moçambicano não chega à Zambézia

Artistas na Zambézia reclamam que recursos do projecto "Arte no Quintal”, idealizado pelo Governo para apoiá-los durante a pandemia, não chega à província: "Quando...

Covid-19: Campanha “Luanda Solidária” ajuda professores do ensino privado

Campanha "Luanda Solidária" pretende angariar fundos para ajudar professores do ensino privado que passam dificuldades devido à Covid-19. Mas o Estado angolano não deve...

Violência xenófoba contra moçambicanos faz um morto em Joanesburgo

Um imigrante moçambicano morreu e pelo menos 18 pessoas também de nacionalidade moçambicana ficaram desalojadas por alegada violência xenófoba no leste de Joanesburgo, África...

Notícias relacionadas

MPLA nega envolvimento na inviabilização do PRA-JA Servir Angola junto do Tribunal Constitucional

O secretário do Bureau Político do MPLA para os Assuntos Políticos e Eleitorais, Mário Pinto de Andrade, desvalorizou as declarações do coordenador da comissão...

Artistas reclamam que apoio do Governo moçambicano não chega à Zambézia

Artistas na Zambézia reclamam que recursos do projecto "Arte no Quintal”, idealizado pelo Governo para apoiá-los durante a pandemia, não chega à província: "Quando...

Covid-19: Campanha “Luanda Solidária” ajuda professores do ensino privado

Campanha "Luanda Solidária" pretende angariar fundos para ajudar professores do ensino privado que passam dificuldades devido à Covid-19. Mas o Estado angolano não deve...

Violência xenófoba contra moçambicanos faz um morto em Joanesburgo

Um imigrante moçambicano morreu e pelo menos 18 pessoas também de nacionalidade moçambicana ficaram desalojadas por alegada violência xenófoba no leste de Joanesburgo, África...

UNITA sugere eliminação das assimetrias regionais

A UNITA sugeriu, nesta segunda-feira, em Luanda, a eliminação das assimetrias para o desenvolvimento harmonioso e equilibrado das comunidades. Numa declaração alusiva ao aniversário de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.