- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África Tony Blair: "A África pode cortar o cordão da ajuda. O verdadeiro...

Tony Blair: “A África pode cortar o cordão da ajuda. O verdadeiro desafio não é a falta de estratégia dos Estados, mas o tempo para concluir os projectos”.

Num artigo anterior a este publicado pela revista francófona Jeune Afrique, o ex-Primeiro Ministro britânico afirmou: “O verdadeiro desafio não é a falta de estratégia dos Estados, mas o tempo para concluir os projectos”.

Com esta lapidar observação Tony Blair explica os objectivos da sua Fundação que tem estado a mostrar a razão de ser deste pensamento de marca da sua organização não governamental, com bases assentes em iniciativas, cujo modelo se pode encontrar no Rwanda e naquilo que é a projecção do seu novo modelo de desenvolvimento.

O ex-primeiro ministro britânico está presentemente a trabalhar em planos de recuperação e a solicitar ao continente que se concentre mais nas relações internacionais.

Ao se abrir para a Jeune Afrique em meados de Junho, Tony Blair admite: os presidentes africanos com quem ele se comunica diariamente e a quem enviou notas nas últimas semanas – sobre saúde pública e questões de dívida, por exemplo – estão “ansiosos”.

“Eles temem um efeito económico e social devastador da crise do coronavírus”, disse o ex-primeiro ministro britânico (1997-2007). O seu instituto existe há doze anos com catorze Chefes de Estado, como Paul Kagame ou Faure Gnassingbé, células de especialistas que os acompanham na aceleração de seus projectos prioritários, destinados a atrair investidores.

Tony Blair, o homem que sussurra no ouvido dos presidentes africanos

Segundo seus sócios próximos, o ex-inquilino da 10 Downing Street tem lutado, como muitos observadores, para estabelecer se a África já atingiu seu pico de pessoas afectadas ou se, pelo contrário, ainda deve esperar uma onda de contaminação, num contexto de fraca capacidade de triagem. Mas, se há uma coisa que ele percebe, é um desejo mais forte de acelerar as reformas de governança.

Tony Blaire, de visita ao porto autónomo de Lomé com o presidente togolês, Faure Gnassingbé, em 12 de Julho de 2017. (Foto: Presidência do Togo)

Através do seu instituto, o Instituto Tony Blair de Mudança Global (TBI), o ex-primeiro-ministro britânico criou células especializadas para apoiar os Chefes de Estado na aceleração dos seus projectos prioritários.

Este é o número de telefone que muitos chefes de estado africanos trocam. Como ele não é mais inquilino na 10 Downing Street, Tony Blair (1997-2007) tornou-se um interlocutor privilegiado para líderes do continente, onde visita uma vez por trimestre.

O presidente do Ruanda, Paul Kagame, foi um dos primeiros em 2008 a solicitar o ex-primeiro-ministro britânico. Em 2017, ele o recomendou a seu colega togolês, Faure Gnassingbé, que ficou impressionado impressionado com o “milagre” do Ruanda. Há também o ex-primeiro-ministro etíope Hailemariam Desalegn, a quem Tony Blair acompanhou desde 2012 na promoção de parques industriais com os governadores das províncias chinesas e actores da indústria têxtil, como seu sucessor, Abiy Ahmed, que Tony Blair hoje fornece conselhos muito confidenciais sobre a abertura do sector das telecomunicações ao sector privado. 

E a lista ainda é longa: o presidente senegalês, Macky Sall, seus colegas gambianos, o liberiano Adama Barrow, George Weah, o vice-presidente do Gana … Em Outubro de 2019, foi em um fórum organizado em Londres pelo Financial Times que ele falou com o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, sobre como ele poderia ser útil para ele.

Conselho, mas nenhum acordo de transacção

Tony Blair está envolvido em grandes projetos, como o apoio do governo guineense em 2018 à mobilização de fundos do China Eximbank para a construção pela China International Water & Electric Corporation das barragens de Kaléta (US $ 446 milhões) e Souapiti (US $ 1,4 bilhão). Mas também o financiamento dos 1.600 km de interconexão elétrica entre Senegal, Guiné e Guiné-Bissau, a privatização de empresas em Moçambique ou a estruturação do setor de cajus da Costa do Marfim.

Se ele destilar seu conselho aos presidentes, ele não acertará as transações nem aumentará o financiamento. Ele também não é diretamente remunerado. Porque é um conceito de governança que importou o ex-chefe de governo, inspirado no que ele havia empreendido durante seu mandato: a unidade de entrega.

Células apertadas, compostas por recém-formados e especialistas internacionais (geralmente cerca de dez pessoas), que ele criou através de sua organização, o Instituto Tony Blair de Mudança Global (TBI, 45,2 milhões Dólares da CA e US $ 17,2 milhões gastos no continente em 2018), em presidências, ministérios ou agências governamentais, como o Conselho de Desenvolvimento de Ruanda, em apoio às administrações.

“Gerenciamento por resultados”

“Muitos países testemunharam o rápido crescimento de Ruanda, Marrocos e Maurício e querem inspirar-se em seus modelos de transformação e estabelecer uma gestão por resultados. A unidade de entrega faz parte “, diz o economista da Guiné-Bissau, Carlos Lopes, que, juntamente com Tony Blair e o ex-chefe do FMI, Dominique Strauss-Kahn, é um dos especialistas internacionais consultados pelo presidente togolês para seu plano nacional de desenvolvimento. “Porque, diferentemente de outras empresas de consultoria, vamos combinar restrições técnicas e imperativos políticos”, diz Antoine Huss, diretor do TBI para a África Ocidental de língua francesa.

Depois de ter iniciado suas missões em Ruanda e Serra Leoa em 2008, são catorze administrações africanas (incluindo dez na África Ocidental: sendo a mais recente Burkina Faso) às quais o TBI prestou assistência. “Alguns anos atrás, muitos Estados lutavam para encontrar financiamento para procurar aconselhamento em grandes operações”, disse o advogado francês Richard Mugni, da Baker McKenzie, advogado da CWE na Guiné.

- Publicidade -
- Publicidade -

Fábrica de material explosivo em zona residencial: Moradores do bairro “Pólvora” vivem em perigo de explosão

Encaixado entre os municípios do Cazenga e de Cacuaco, existe um bairro, “Pólvora”, com centenas de casas ao redor de uma fábrica do produto,...
- Publicidade -

Sete agentes da Polícia Nacional assassinados nos últimos seis meses em Luanda

A Polícia Nacional de Angola (PNA) registou, no primeiro semestre do ano em curso, a ocorrência de 26 casos de efectivos da corporação, vítimas...

Homem armado mantém três reféns na França

Um homem armado com uma pistola mantém pelo menos três reféns no interior de um banco no centro da cidade portuária de Le Havre,...

Libaneses protestam contra governo após mega explosão em Beirute

Dezenas de libaneses se reuniram nesta quinta-feira (6) perto da entrada do Parlamento, em Beirute, para protestar contra o governo, dois dias após uma...

Notícias relacionadas

Fábrica de material explosivo em zona residencial: Moradores do bairro “Pólvora” vivem em perigo de explosão

Encaixado entre os municípios do Cazenga e de Cacuaco, existe um bairro, “Pólvora”, com centenas de casas ao redor de uma fábrica do produto,...

Sete agentes da Polícia Nacional assassinados nos últimos seis meses em Luanda

A Polícia Nacional de Angola (PNA) registou, no primeiro semestre do ano em curso, a ocorrência de 26 casos de efectivos da corporação, vítimas...

Homem armado mantém três reféns na França

Um homem armado com uma pistola mantém pelo menos três reféns no interior de um banco no centro da cidade portuária de Le Havre,...

Libaneses protestam contra governo após mega explosão em Beirute

Dezenas de libaneses se reuniram nesta quinta-feira (6) perto da entrada do Parlamento, em Beirute, para protestar contra o governo, dois dias após uma...

Covid-19: Angola bate novo recorde de casos diários com 88 infecções e Benguela entra para a lista de províncias afectadas pela pandemia

Angola bateu hoje o recorde de casos ao somar mais 88 resultados positivos de covid-19, aumentando para 1.483 o número de infecções pelo novo...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.