- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Marcelo não pode ser “um penduricalho do regime”, diz Miguel Albuquerque

Marcelo não pode ser “um penduricalho do regime”, diz Miguel Albuquerque

“Se é para fazer espetáculos de variedades, não vale a pena”, diz o presidente do Governo Regional da Madeira em entrevista à Renascença. Miguel Albuquerque dá ainda conta das novas medidas contra a Covid-19.

O presidente do Governo regional da Madeira faz duras críticas ao Presidente da República pela sua postura face ao arquipélago. Miguel Albuquerque chama-lhe um “penduricalho do regime”.

“O Presidente da República nunca se pronunciou sobre a Madeira. E a obrigação do Presidente era ter-se pronunciado publicamente sobre a situação na Madeira. Nunca o fez”, começa por dizer, em entrevista à Renascença.

“O Presidente da República não é um penduricalho do regime. O Presidente da República tem a obrigação de assegurar o funcionamento das instituições, porque se é para fazer espetáculos de variedades, não vale a pena ter Presidência da República”, ataca a seguir.

Miguel Albuquerque critica postura de Marcelo face à Madeira.
Foto: Joana Gonçalves / RR)

O líder madeirense não aceita que Marcelo Rebelo de Sousa nunca se tenha pronunciado sobre a situação da pandemia no arquipélago e defende um “tratamento equitativo entre todos os portugueses”, pedindo ainda ao chefe de Estado que intervenha a favor da não discriminação das regiões autónomas.

“Nós queremos um Presidente que respeite os poderes do Governo, mas que intervenha naquilo que é a não discriminação”, afirma.

Em causa está o pedido da Madeira para que a maioria PS permita à região um endividamento excecional de 300 milhões de euros, para gastar com o combate à Covid-19, e uma moratória do empréstimo contraído durante a troika.

Miguel Albuquerque não compreende a recusa do primeiro-ministro, António Costa, e o silêncio de Marcelo, que acusa de estar “numa situação de pré-campanha eleitoral”.

“Está obcecado, no meu ponto de vista, com a sua reeleição”, acusa.

Na opinião do dirigente madeirense, Marcelo “chamar a atenção pública para a necessidade de o Governo, ou da maioria que governa o país, autorizar uma operação de financiamento essencial para a Madeira como é os 300 milhões de euros, nós entendemos que era um imperativo da confiança que a maioria dos madeirenses e porto-santenses puseram no Presidente”.

Tudo testado, testes para todos
Nesta entrevista à Renascença, o presidente da Madeira fala também das novas medidas em vigor a partir desta quarta-feira na região.

“A nossa ideia é que não entra ninguém na Madeira sem ter um teste”, afirma.

“O potencial infetado, como eu costumo dizer e passando de lado a metáfora, é como se fosse um indivíduo que transporta a bomba-relógio, portanto, nós temos, em termos de saúde pública, a obrigação de fazer tudo ao nosso alcance para salvaguardar os valores essenciais, que é a vida e a saúde de cada um de nós”, sustenta.

Por isso, quem viajar para o arquipélago tem de apresentar teste negativo ao novo coronavírus, caso contrário terá de efetuar o teste à chegada.

“Os testes PCR ou são realizados com 72 horas e as pessoas têm o teste realizado e entram no aeroporto ou então nós efetuamos o teste aqui e depois, em menos de 12 horas, entregamos o resultado”, refere.

“Vamos assegurar a testagem, vamos financiar, porque entendemos que isso é uma medida importante, sobretudo para uma terra que depende 26% do PIB do turismo”, sublinha ainda Miguel Albuquerque.

O custo da testagem deve rondar meio milhão de euros, só nos primeiros dois meses.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.