- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Covid-19: Regresso às escolas preocupa pais e alunos em Moçambique

Covid-19: Regresso às escolas preocupa pais e alunos em Moçambique

Em Inhambane, alunos e professores apontam falta de estratégias e temem regressar às aulas presenciais dentro dos próximos dias, como anunciou o Governo. Por outro lado, estudo online não abrange todos os alunos em casa.

O Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, anunciou este domingo (28.06), numa comunicação à nação, a retoma faseada das aulas presenciais em todos os graus de ensino, com calendários a divulgar dentro de dias.

Preparam-se, assim, para regressar à escola os alunos do ensino secundário, principalmente os que vão ter exames, mas também os estudantes dos institutos de formação e os estudantes do terceiro e quarto ano do ensino superior.

Sebastião Arnaldo Moiane, residente em Homoine e encarregado de educação de oito crianças, afirma ter medo que os estudantes voltem às aulas em plena pandemia, alegando que as escolas não estão em condições de controlar a prevenção da Covid–19.

“Não estou me sentindo melhor, porque a doença está mais avante”, disse Sebastião Arnaldo Moiane, acrescentando que não está de acordo com o regresso das crianças às escolas, “porque quando voltarem não será fácil, de maneira que estamos a prevenir as crianças [da Covid-19] em casa”, conta.

Regresso “perigoso”

Silva Reginaldo, estudante do terceiro ano do ensino superior em Inhambane, disse à DW que regressar às aulas neste momento é perigoso, mas irá adaptar-se à nova realidade.

“Temos que nos adaptar às mudanças. Estou acostumado a estudar com auxílio do professor, às vezes fico frustrada sem ninguém para me auxiliar”, reconheceu a estudante, referindo-se ao estudo online.

Ayuba Junior, professor em Inhambane, considera que há falta de condições para a reabertura das aulas em Moçambique. “Por vezes nas escolas falta giz. Será que desta vez não ira faltar água e sabão? O professor também tem direito de subsídio de riscos”, lembra.

Preocupado com essa situação, o professor assegura que os seus filhos não deverão regressar à escola este ano.

Dificuldades para estudar online

Os alunos que não têm exames vão ter de continuar a estudar online. No entanto, nem todos os alunos estão a frequentar as aulas usando as tecnologias de informação e comunicação (TIC).

Lucas Bernardo, director da escola primária de Maxixe, disse que o estudo online não está ser a abrangente porque nem todos os alunos e professores possuem telefone com aplicativo compatível.

“Na verdade nem todos professores e turmas conseguiram criar aquela plataforma de WhatsaApp para troca de informação. Mas algumas turmas da sétima classe conseguiram fazer isto”, relata.

Palmira Pinto, directora provincial de Educação e Desenvolvimento Humano em Inhambane, admitiu à DW que tem consciência de falhas na estratégia usada para estudos e abertura das aulas, por isso pede a colaboração de todos intervenientes.

“Temos consciência que realmente estas metodologias que nos adoptámos talvez não tenha sido 100% abrangente, mas nós estamos sempre abertos a colaborar com pais e encarregados da educação”, esclareceu a directora.

- Publicidade -
FonteDW
- Publicidade -

Grupo de milionários quer que os mais ricos ajudem a pagar a crise

Signatários de uma carta aberta, entres os quais o co-fundador da cadeia de gelados norte-americana Ben&Jerry, Jerry Greenfield e o realizador britânico Richard Curtis,...
- Publicidade -

Manchester City ganha recurso e vai poder jogar a Liga dos Campeões

O Manchester City ganhou o recurso contra a suspensão de dois anos da UEFA e vai, afinal, poder continuar a jogar a Liga dos...

Cenas de policial pressionando pescoço de mais um homem negro nos EUA geram protestos

Um vídeo que mostra um policial imobilizando um homem negro com seu joelho pressionando o pescoço do indivíduo provocou protestos nas redes sociais e...

Covid-19: TAAG realiza “voos de repatriamento” para Portugal

A companhia aérea angolana TAAG deverá realizar, durante este mês de Julho, pelo menos oito voos humanitários de repatriamento de portugueses e angolanos residentes...

Notícias relacionadas

Grupo de milionários quer que os mais ricos ajudem a pagar a crise

Signatários de uma carta aberta, entres os quais o co-fundador da cadeia de gelados norte-americana Ben&Jerry, Jerry Greenfield e o realizador britânico Richard Curtis,...

Manchester City ganha recurso e vai poder jogar a Liga dos Campeões

O Manchester City ganhou o recurso contra a suspensão de dois anos da UEFA e vai, afinal, poder continuar a jogar a Liga dos...

Cenas de policial pressionando pescoço de mais um homem negro nos EUA geram protestos

Um vídeo que mostra um policial imobilizando um homem negro com seu joelho pressionando o pescoço do indivíduo provocou protestos nas redes sociais e...

Covid-19: TAAG realiza “voos de repatriamento” para Portugal

A companhia aérea angolana TAAG deverá realizar, durante este mês de Julho, pelo menos oito voos humanitários de repatriamento de portugueses e angolanos residentes...

Tribunal francês dá razão ao Estado angolano no processo arbitral contra empresa Atlantic Ventures

O Tribunal Arbitral de Paris decidiu não dar provimento ao processo aberto contra o Estado angolano pela empresa Atlantic Ventures, ligada à empresária Isabel...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.