- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo EUA Congresso do Mississippi aprova retirada de símbolo confederado de sua bandeira

Congresso do Mississippi aprova retirada de símbolo confederado de sua bandeira

Em decisão histórica, Senado do Mississippi aprovou neste domingo (28), por 37 votos a 14, retirada de um emblema confederado de sua bandeira, símbolo associado ao passado escravagista dos EUA.

Mais cedo, a Câmara dos Representantes do estado também aprovara a remoção do símbolo, por 91 votos contra 23.

O Mississippi é o último dos estados norte americanos a ter um emblema confederado em sua bandeira. Os congressistas decidiram que um novo estandarte deverá ser criado por uma comissão – obrigatoriamente sem o símbolo confederado, mas com as palavras In God We Trust (Em Deus Confiamos).

Nas eleições de 3 de Novembro, os cidadãos do estado vão votar se aprovam ou não a nova bandeira.

Governador republicano sancionará lei
O governador republicano Tate Reeves afirmou que iria sancionar a medida. No Mississippi, 38% da população é negra.

Os Estados Confederados da América reuniram, a partir de 1861, um grupo de estados do sul dos EUA contrários à abolição da escravidão, o que levou o país a uma guerra civil.

O emblema sempre foi fortemente associado ao racismo e às políticas segregacionistas que vigoraram por décadas nos Estados Unidos. A bandeira do Mississippi foi criada em 1894, quase 30 anos depois do fim da Guerra de Secessão.

Derrubada de estátuas e símbolos
Desde a morte do afro-americano George Floyd em Minneapolis, em 25 de maio, uma onda de protestos antirracistas surgiu nos EUA e em vários outros países do mundo, levando a derrubada ou a retirada de estátuas e símbolos considerados racistas de instituições e locais públicos.

Em 21 de Junho, o Museu de História Natural de Nova York disse que iria remover de sua entrada uma estátua considerada racista do ex-presidente Theodore Roosevelt.

No sábado (27), a Universidade de Princeton anunciou que iria retirar o nome do ex-presidente Woodrow Wilson, criticado por suas ideias segregacionistas, de sua escola de políticas públicas e relações internacionais.

- Publicidade -
FonteSputnik
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.