- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo EUA Confusão dos EUA não deve trazer China para negociação sobre armas nucleares,...

Confusão dos EUA não deve trazer China para negociação sobre armas nucleares, diz analista

Parece improvável que a China se junte ao que os EUA esperam que se torne um acordo trilateral sobre diminuição de armas nucleares devido à falta de clareza de Washington, afirma especialista ouvido pela Sputnik.

A China recusou uma reunião com os Estados Unidos e a Rússia em Viena na segunda-feira (22) para discutir o futuro do último grande pacto de controle de armas, o Tratado de Redução de Armas Estratégicas, conhecido como START III, que expira em Fevereiro. Pequim argumenta que possui apenas uma fracção dos arsenais nucleares na comparação com Moscovo e Washington.

“As perspectivas de progresso a curto prazo envolvendo a China em um processo ‘trilateral’ são extremamente baixas e o governo [do presidente dos EUA] Donald Trump não deixou claro como propõe que a China possa contribuir com o processo”, disse o director executivo da Associação de Controle de Armas Daryl Kimball.

O analista sugeriu que os Estão Unidos estão realmente buscando um diálogo com Pequim, mas também “cinicamente tentando retratar a China como um obstáculo à redução de armas nucleares quando, na realidade, são os Estados Unidos e a Rússia que possuem 90% das armas nucleares do mundo”.

Estima-se que Rússia e Estados Unidos tenham pouco mais de 6 mil ogivas, enquanto a China tem 290, a França, 300 e o Reino Unido cerca de 200, de acordo com os números de 2019 fornecidos pela Associação de Controle de Armas.

Eventualmente, a China e outras potências nucleares precisarão assumir maior responsabilidade pelo desarmamento nuclear, acrescentou Kimball, mas agora, diz o analista, a melhor aposta dos EUA e da Rússia é estender o pacto incondicionalmente por mais cinco anos para ganhar tempo para negociações de um novo acordo.

Kimball sugeriu que essa medida “melhoraria as perspectivas de que a China possa contribuir para o processo de desarmamento no futuro”.

“Sem o START III, os dois maiores arsenais nucleares ficarão sem restrições pela primeira vez em quase cinco décadas e o risco de uma perigosa corrida nuclear armada crescerá”, alertou o especialista.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.