- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil Ator de "Malhação" substitui Regina Duarte como secretário da Cultura do Brasil

Ator de “Malhação” substitui Regina Duarte como secretário da Cultura do Brasil

O presidente do Brasil nomeou na sexta-feira à noite o ator Mário Frias como novo secretário especial de Cultura do país, substituindo no cargo a atriz Regina Duarte.

A nomeação, assinada apenas por Jair Bolsonaro, foi já publicada no Diário Oficial da União.

Frias, de 48 anos, vai passar a liderar a Secretaria Especial de Cultura, vinculada ao Ministério do Turismo, tornando-se no quinto secretário em cerca de um ano e meio da gestão de Bolsonaro.

Mário Frias integrou o elenco de várias telenovelas de sucesso da rede Globo, como “Malhação”, “O Beijo do Vampiro”, “Senhora do Destino” e, mais recentemente, “Verão 90”. Na rede Bandeirantes, o ator participou na novela “Floribella”, e na TV Record atuou em “A Terra Prometida”.

O artista, que é também apresentador de televisão e integrou um projeto musical, tem-se mostrado um forte apoiante de Bolsonaro, usando frequentemente as redes sociais para defender o atual Governo.

Nunca houve nesse país um homem como Jair Messias Bolsonaro. A partir dele teremos orgulho de chamar de Pátria Amada Brasil. Uma nação. Não uma ‘republiqueta’ de bananas”, escreveu esta semana o ator no Facebook.

Pedro José Vilar Godoy Horta, ex-chefe de gabinete de Regina Duarte, exonerado em 15 de maio, foi nomeado secretário-adjunto da pasta, também numa nomeação publicada no Diário Oficial da União.

Regina Duarte deixou a Secretaria Especial de Cultura em 20 de maio.

“Regina Duarte relatou que sente falta da família, mas para que ela possa continuar a contribuir com o Governo e a Cultura Brasileira assumirá, em alguns dias, a Cinemateca em São Paulo”, disse Jair Bolsonaro na ocasião, num vídeo partilhado no Facebook, ao lado da atriz.

No fim de abril, Bolsonaro chegou a queixar-se que Regina Duarte passava pouco tempo em Brasília, sede do Governo Federal.

A atriz, conhecida pela sua participação em muitas novelas famosas no Brasil, assumiu no início de março o cargo de secretária da Cultura do país e, no discurso de posse, ofereceu-se para “pacificar a relação” do Governo com o setor.

Contudo, a gestão da artista foi bastante criticada pelo setor cultural do país.

Em maio, mais de 500 artistas brasileiros repudiaram publicamente as declarações de Regina Duarte concedidas numa entrevista à CNN Brasil, em que minimizou a tortura e a ditadura militar, quando foi interrogada sobre a necessidade de uma política de ajuda aos artistas durante a pandemia da covid-19.

A atriz foi também criticada por não ter emitido nenhuma nota de pesar em relação a várias personalidades da Cultura brasileira que morreram nas últimas semanas.

Desde que o Presidente, Jair Bolsonaro, tomou posse, em janeiro de 2018, o Governo brasileiro está a mudar as diretrizes da política cultural do país e escolheu pessoas que se autodeclaram conversadoras para a gestão do setor.

Antes de Regina Duarte, a pasta tinha sido entregue ao encenador Roberto Alvim, que acabou por ser demitido depois de citar parte de um discurso do ex-ministro nazi Joseph Goebbels, num vídeo criado para anunciar as regras de um prémio.

Também Ricardo Braga e Henrique Pires passaram pela secretaria da Cultura, que perdeu o estatuto de Ministério quando Bolsonaro chegou ao poder.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.