- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil Brasileiros são os mais insatisfeitos com ações de governo contra COVID-19, diz...

Brasileiros são os mais insatisfeitos com ações de governo contra COVID-19, diz pesquisa

O Brasil, em uma lista de 53 países, é a nação que pior responde à pandemia de COVID-19. O dado é de pesquisa da Dalia Research que coletou entrevistas de 124 mil pessoas pela Internet.

De acordo com o levantamento, as amostras de entrevistas de cada país variaram de mil até três mil entrevistados. A margem de erro é de 3,25% para mais ou para menos.

A maioria (70%) da população dos países pesquisados está satisfeita com a resposta governamental ao coronavírus. No Brasil, contudo, apenas 34% dos entrevistados afirmou estar contente com a gestão da crise de saúde pública.

Do outro lado da tabela, a China tem a população mais satisfeita com a resposta à pandemia, 95% da população afirmou estar satisfeita com a resposta governamental. Vietnã (95%), Grécia (89%), Malásia (89%) e Irlanda (87%) completam a lista de países onde a população está contente com a resposta do governo ao coronavírus.

“A insatisfação da população [do Brasil] tem relação direta com a maneira como o governo federal tem enfrentado a pandemia. Em menos de seis meses, três pessoas já ocuparam a pasta do Ministério da Saúde, com discursos e ações discrepantes entre si. Nesse período, nenhum plano nacional de combate a COVID-19 foi apresentado à sociedade”, afirma à Sputnik Brasil a doutora em sociologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Rachel Barros.

O primeiro ministro da Saúde a enfrentar a pandemia foi Luiz Henrique Mandetta, que deixou o cargo em 16 de abril. Deste então, Mandetta não poupou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de críticas. Seu sucessor foi Nelson Teich, que ficou no cargo de 17 de abril até 15 de maio. O atual ministro está no cargo de maneira interina, o general Eduardo Pazuello, embora Bolsonaro tenha afirmado que ele deve ocupar a cadeira “por um longo tempo”.

Pazuello nomeou militares e contrariou orientações de distanciamento social para participar de ato pró-governo em Brasília.

“Podemos somar a esse quadro a crise do sistema público de saúde, que em diversos estados do país já dava mostras de precarização. Com a pandemia, essa situação ficou ainda mais explícita porque os investimentos públicos neste setor têm sido insuficientes”, diz Barros. “Através de diversas declarações, o presidente demonstrou descaso e baixíssima capacidade de enfrentar a pandemia com a seriedade e importância que ela merece.”
O secretário-executivo do Centro de Estudos Estratégicos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Assis Mafort também afirma que as diversas trocas de comando no Ministério da Saúde são um fator que ajuda a explicar o resultado da pesquisa. Mafort destaca a falta de coordenação com estados e municípios no trabalho de enfrentamento à pandemia.

“Há um certo esvaziamento do papel de coordenação nacional exercido pelo Ministério da Saúde na organização, na estruturação das ações nacionais de combate à pandemia”, diz Mafort à Sputnik Brasil.

O servidor da Fiocruz também ressaltou o apoio de Bolsonaro a medicamentos sem eficácia comprovada: “É importante mencionar o incentivo dado, em vários momentos, ao uso de medicamentos como cloroquina e hidroxicloroquina sem a comprovação científica no tratamento de COVID-19.”

- Publicidade -
FonteSputnik
- Publicidade -

Presidente da CEEAC defende construção de destinos comuns

O Presidente em Exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), Ali Bongo, declarou este domingo que a única forma de tornar...
- Publicidade -

Pressão sobre o kwanza abranda no próximo ano

Analistas da Fitch Solutions prevêem ligeira recuperação na produção interna do petróleo e taxam a média da inflação nos 21,9 por cento até ao...

Obras da transformadora de café podem ser concluídas em 2021

A província do Uíge poderá ter, até Maio de 2021, uma nova fábrica de transformação de café, com capacidade para movimentar 700 toneladas por...

Angolanos recorrem ao método “Fazer Sócia” para sobreviverem

Para poderem comprar alimentos cada vez mais caros famílias e indivíduos angolanos têm que “fazer sócia”, um acto que consiste na junção de valores...

Notícias relacionadas

Presidente da CEEAC defende construção de destinos comuns

O Presidente em Exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), Ali Bongo, declarou este domingo que a única forma de tornar...

Pressão sobre o kwanza abranda no próximo ano

Analistas da Fitch Solutions prevêem ligeira recuperação na produção interna do petróleo e taxam a média da inflação nos 21,9 por cento até ao...

Obras da transformadora de café podem ser concluídas em 2021

A província do Uíge poderá ter, até Maio de 2021, uma nova fábrica de transformação de café, com capacidade para movimentar 700 toneladas por...

Angolanos recorrem ao método “Fazer Sócia” para sobreviverem

Para poderem comprar alimentos cada vez mais caros famílias e indivíduos angolanos têm que “fazer sócia”, um acto que consiste na junção de valores...

Guiné-Bissau regista 14 novos casos para total de 2.403

A Guiné-Bissau registou na última semana 14 novos casos positivos para o novo coronavírus, num total de 2.403 infectados, e manteve o número de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.