- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil Política externa de 'país pária' pode custar caro ao Brasil no futuro,...

Política externa de ‘país pária’ pode custar caro ao Brasil no futuro, alerta professor

O Brasil decidiu ficar de fora de mais uma iniciativa internacional. Desta vez, de 132 países contra a desinformação em meio à pandemia da COVID-19. Para discutir o assunto, a Sputnik Brasil ouviu o professor Wagner Menezes, que critica a decisão e que ela contribui para imagem de ‘país pária’.

O governo de Jair Bolsonaro foi o único entre os países da América do Sul que não aderiu à iniciativa que chamou o problema da desinformação de “infodemia”. O documento internacional também elogia as ações da Organização Mundial da Saúde (OMS) durante a pandemia da COVID-19, conforme publicou o jornalista Jamil Chade em sua coluna no site UOL.

Wagner Menezes, presidente da Academia Brasileira de Direito Internacional e professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), lamenta o posicionamento do governo brasileiro e acredita que a opção tenha sido política.

“Eu acredito que o governo brasileiro tenha optado por ficar de fora desse processo por uma questão de orientação política, de posição política em relação a esse cenário”, avalia a o professor da USP em entrevista à Sputnik Brasil.

Menezes lamenta a posição do governo e espera que apesar da decisão da administração federal, que as instituições sigam adotando medidas que coíbam a veiculação de notícias falsas no Brasil.
“É lamentável essa letargia do governo brasileiro em participar de movimentos internacionais que se comprometem e comprometem o Estado brasileiro a adotar políticas efetivas no combate a notícias fantasiosas que acabam iludindo posições, que acabam orientando as pessoas no sentido pejorativo de despertar paixões e ódios em razão a certos questionamentos”, afirma.
O professor relembra um episódio recente em que o Brasil se recusou a participar de uma iniciativa internacional de colaboração para a pesquisa da vacina da COVID-19 e afirma que essa posição contínua na política externa pode prejudicar o Brasil.

“O Brasil vai se transformando no plano internacional, no que toca à política externa brasileira, em um país pária, em um país que não participa das atividades coletivas. E da mesma forma que nós não somos solidários a outros povos, a outras sociedades, me parece que quando o Brasil mais precisar também, nós não teremos essa solidariedade”, diz o professor.
Governo Bolsonaro confia demais nos EUA e esquece multilateralismo
Para o pesquisador, a política externa do governo Bolsonaro está confiando em excesso na diplomacia dos Estados Unidos e deixando de lado elementos importantes da política internacional.

“Acho que a política externa está confiando muito em uma posição vinculada aos Estados Unidos e está descartando um processo importante na política de relações internacionais, que é o multilateralismo aberto, aberto a todas as comunidades, a todos os povos. Isso para nós é uma vergonha, sem dúvida nenhuma”, assevera o professor.

Menezes ressalta também que o atual posicionamento internacional do Brasil vai na direção contrária dos princípios defendidos historicamente defendido pelo país no plano das Relações Exteriores.

“A imagem externa do Brasil fica afetada. O Brasil sempre adotou uma política propositiva no plano internacional, inclusive tem como princípio a cooperação dos povos para o progresso da humanidade. É lamentável constitucionalmente, juridicamente, moralmente, eticamente, a não participação do Brasil nessas iniciativas internacionais, que não trazem qualquer tipo de prejuízo para o Estado brasileiro. Pelo contrário, contribuem para a proteção da sociedade brasileira”, conclui.

- Publicidade -
FonteSputnik
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.