- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Novo ministro das Finanças já tomou posse

Novo ministro das Finanças já tomou posse

Cerimónia rápida de tomada de posse do novo ministro das Finanças, João Leão marcada pelas declarações do primeiro-ministro e novo ministro sobre a possibilidade de Mário Centeno vir a ser governador do Banco de Portugal.

O novo ministro das Finanças, João Leão, tomou posse do cargo esta segunda-feira, numa cerimónia restrita, no Palácio de Belém, a que assistiram o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, o primeiro-ministro, António Costa, e os governantes cessantes, sem outros convidados, por força da situação de pandemia.

Em declarações prestadas à saída de Belém, o novo ministro das Finanças disse, sobre a possibilidade de Mário Centeno vir a ser governador do Banco de Portugal, que “é óbvio que é uma excelente hipótese”.

Nesta recomposição, que não alterou a dimensão do Governo, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, foi promovido a adjunto do novo ministro.

Tomaram posse como novos secretários de Estado Cláudia Joaquim, com a pasta do Orçamento, João Nuno Mendes, com as Finanças, e Miguel Cruz, com o Tesouro.

António Costa: “Transição tranquila”

O primeiro-ministro, António Costa, disse que a mudança na pasta das Finanças constitui uma “transição tranquila”.

Questionado pelos jornalistas à saída da cerimónia, António Costa afirmou que Mário Centeno “tem todas as condições do ponto de vista pessoal e profissional” para assumir o cargo, mas esclareceu que irá abordar o assunto “com o novo ministro das Finanças e o actual Governador”. Costa sublinhou também não tomará “qualquer decisão sem ouvir os partidos”, coisa que diz criticou no último Governo de Passos Coelho.

Também questionado sobre a possível ida de Mário Centeno para a liderança do Banco de Portugal, o novo ministro das Finanças afirmou: “É óbvio que é uma excelente hipótese.”

No final da cerimónia de tomada de posse de João Leão, Costa criticou, ainda, o parlamento que aprovou, na semana passada, uma lei que impõe um período de nojo de cinco anos para quem muda de cargos, como o caso de Centeno. “Essa lei é inaceitável”, atirou Costa

Nas palavras do chefe de Governo, legislações “com funções de perseguir pessoas são inadmissíveis”. Sobre o caso de Mário Centeno, afirmou que “ninguém compreende que o persigam por ter sido ministro deste Governo.” Costa desabafou mesmo que “há pessoas a quem o confinamento deve ter feito mal!” e aconselhou por isso “manter a calma e serenidade” e apelou a que depois da “prova” pela qual passamos, “o bom senso deve prevalecer.”

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.