- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Angola Política Como deve ser recordado Jonas Savimbi, um ano depois do seu enterro?

Como deve ser recordado Jonas Savimbi, um ano depois do seu enterro?

À DW Àfrica, Rafael Massanga Savimbi, filho do líder fundador da UNITA, diz que o seu pai deve ser recordado “como um cidadão patriota a serviço da pátria”. Mas reconhece: é preciso assumir passivo.

A União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA) recordou o seu líder fundador com um minuto de silêncio na manhã desta segunda-feira (01.06). Há um ano, os restos mortais de Jonas Savimbi foram depositados em Lopitanga, província angolana do Bié.

Entrevista à DW Africa, Rafael Massanga Savimbi, um dos filhos de Jonas Savimbi, explicou como o seu pai devia ser lembrado pelo Estado angolano.

“Jonas Savimbi tem sido recordado como um angolano, como um cidadão patriota que dedicou toda a sua vida ao serviço da sua pátria. Hoje feito o balanço, feita uma analise mais fria dos factos, a maioria dos angolanos conclui que Jonas Savimbi é dos expoentes máximos do nacionalismo angolano, que contribuiu na luta para a independência e luta pela democratização do nosso país”.

Atrocidades

A figura de Jonas Savimbi também é associada a atrocidades na Jamba, antigo bastião da UNITA, narradas, por exemplo, pela jornalista e advogada Bela Malaquias, no seu livro intitulado “Heroínas da Dignidade – Memórias de Guerra”.

Questionado sobre se a memória do seu pai tem sido diabolizada, o também deputado Rafael Massanga Savimbi respondeu que “já não há razões de se diabolizar a imagem de um e de outro” líder histórico angolano.

“Eu acho que hoje, e acredito ser essa a prioridade dos angolanos, é fazermos com que, aqueles que governam resolvam os problemas básicos das populações”, defendeu.

Ainda assim, o filho de Jonas reconhece a existência de um passivo da UNITA e do seu líder fundador que deve ser assumido: “O passivo da UNITA, porque ele existe, não é uma novidade, não há nada que não seja sabido. Este passivo foi abordado e assumido durante a XVI conferência da UNITA, que se realizou em 2001 pelo próprio presidente fundador, Dr. Jonas Savimbi”, ressaltou.

Passivo a ser assumido

Que passivo deve ser assumido? O analista angolano Agostinho Sicatu responde: “Uma das máculas é o facto de, ao longo do período das contradições, ter-se ouvido episódios nomeadamente das mortes de dirigentes, aquela história da queima de bruxas, enfim”.

Para este politólogo, outros movimentos históricos de libertação nacional, precisamente o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA), também devem se “reconciliar com a história”.

“O MPLA precisa reencontrar-se consigo mesmo. Está a fazê-lo agora com o 27 de Maio. Mas também precisa fazê-lo com aqueles que foram perseguidos em 1962. FNLA também tem os seus passivos”.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.