- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo América Latina Chanceler argentino rejeita bloqueios e sanções contra Venezuela

Chanceler argentino rejeita bloqueios e sanções contra Venezuela

Felipe Solá, ministro das Relações Exteriores da Argentina, apelou em uma conferência para apoiar imigrantes e refugiados venezuelanos, ressaltando que a Argentina é “um país povoado por imigrantes”.

O ministro argentino das Relações Exteriores, Felipe Solá, excluiu, durante uma teleconferência internacional sobre a situação dos refugiados e imigrantes, que as sanções contra a Venezuela possam ter um impacto positivo no país.

Os bloqueios e sanções “causam muitos problemas para o povo venezuelano e por isso somos contra eles”, disse na terça-feira (26) o ministro durante a Conferência Internacional de Doadores, em solidariedade aos refugiados e imigrantes venezuelanos, segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Argentina.
Durante seu discurso, Solá pediu que a Constituição da Venezuela seja “respeitada” e que quaisquer mudanças venham de dentro e não de fora.

Nesse sentido, o ministro destacou as contribuições do Grupo de Contacto Internacional, promovido pela União Europeia com o apoio da Argentina, em detrimento do Grupo de Lima, que tem mantido uma atitude mais desafiadora em relação ao governo de Nicolás Maduro.

Por isso, Solá destacou como critério a “sensibilidade e a busca de soluções concretas” para os imigrantes venezuelanos, ressaltando que os cidadãos daquela nação que se estabeleceram em seu país recebem o mesmo tratamento que “qualquer argentino”.

“Somos um país povoado por imigrantes”, disse o ministro durante a conferência, apoiada pela Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e pela Organização Internacional para as Migrações (OIM).
O ministro argentino disse ainda que “em nosso país, a lei coloca os imigrantes em pé de igualdade com qualquer cidadão argentino e lhes garante acesso à saúde pública, à educação pública e a todos os programas da pandemia”.

Outros participantes
Além disso, na conferência falaram os presidentes da Colômbia, Iván Duque, do Equador, Lenín Moreno, e o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luís Almagro.

O evento contou ainda com a participação do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, da ministra espanhola das Relações Exteriores, União Europeia e Cooperação, Arancha González Laya, do alto representante e vice-presidente da Comissão Europeia, Josep Borrell, e do alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi.

Também participaram da conferência os ministros das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, do Panamá, Alejandro Ferrer; Equador, José Valencia; Costa Rica, Rodolfo Solano Quirós; Uruguai, Ernesto Talvi; Paraguai, Antonio Rivas Palacios; Alemanha, Heiko Maas; Grécia, Nikos Dendias; e Noruega, Marianne Hagen.

Quando tomou posse em Dezembro de 2019, o governo argentino de Alberto Fernández mudou a posição que o país mantinha em relação à Venezuela, se distanciando do Grupo de Lima apoiado pelo seu antecessor, Mauricio Macri (2015-2019).

- Publicidade -
FonteSputnik
- Publicidade -

Atlantic Ventures desmente Estado angolano e garante: “Tribunal Arbitral de Paris apenas não tinha competência para julgar o caso”

Em resposta ao comunicado emitido pelo Ministro dos Transportes de Angola, Viegas de Abreu, segundo o qual a empresa Atlantic Ventures teria sido condenada...
- Publicidade -

Com mais de 20 mil novos casos, Brasil se aproxima das 2 milhões de infecções pela COVID-19

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil aumentou em 20.286 nas últimas 24 horas, elevando o total acumulado a mais de...

Detido antigo director do gabinete do governador do Cuanza Sul

O antigo director do gabinete do governador da província do Cuanza Sul, Gildo Ferreira, foi detido segunda-feira (13) pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC). O...

Comité especial da OPEP+ prepara redução de cortes na produção de Petróleo

A produção de petróleo da OPEP+, organização que junta os Países Exportadores (OPEP) e um grupo de outros 10 produtores liderados pela Rússia, vai...

Notícias relacionadas

Atlantic Ventures desmente Estado angolano e garante: “Tribunal Arbitral de Paris apenas não tinha competência para julgar o caso”

Em resposta ao comunicado emitido pelo Ministro dos Transportes de Angola, Viegas de Abreu, segundo o qual a empresa Atlantic Ventures teria sido condenada...

Com mais de 20 mil novos casos, Brasil se aproxima das 2 milhões de infecções pela COVID-19

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil aumentou em 20.286 nas últimas 24 horas, elevando o total acumulado a mais de...

Detido antigo director do gabinete do governador do Cuanza Sul

O antigo director do gabinete do governador da província do Cuanza Sul, Gildo Ferreira, foi detido segunda-feira (13) pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC). O...

Comité especial da OPEP+ prepara redução de cortes na produção de Petróleo

A produção de petróleo da OPEP+, organização que junta os Países Exportadores (OPEP) e um grupo de outros 10 produtores liderados pela Rússia, vai...

Banco Mundial vai ajudar Guiné-Bissau a diminuir dívida pública

Bissau quer diminuir a dívida pública para assinar um novo programa de assistência com o FMI. Impacto económico da pandemia será "muito negativo" porque...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.