- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África Presidenciais: Oposição no Burundi denuncia "mascarada eleitoral"

Presidenciais: Oposição no Burundi denuncia “mascarada eleitoral”

Os resultados provisórios das eleições presidenciais no Burundi, que dão a vitória a Evariste Ndayishimiye, o candidato no partido no poder, CNDD-FDD, não convenceram a oposição, que fala em “fraudes” e “golpes”.

Com 68,7% dos votos, Evariste Ndayishimiye, o candidato do partido no poder no Burundi, o Conselho Nacional para a Defesa da Democracia (CNDD-FDD), foi declarado o vencedor das eleições de 20 de maio. Agathon Rwasa, líder do Congresso Nacional para a Liberdade (CNL) foi o segundo dos sete candidatos mais votado e obteve 24,19% dos votos. Os resultados provisórios foram anunciados pela Comissão Eleitoral Nacional Independente, na segunda-feira (25.05).

O porta-voz do Congresso Nacional para a Liberdade, Thérence Manirambona, já afirmou que o seu partido deverá apresentar entre hoje e amanhã um recurso no Tribunal Constitucional, denunciando as “fraudes maciças” que marcaram o ato eleitoral. O Tribunal Constitucional tem depois oito dias para se pronunciar.

À DW, Pancrace Cimpaye, um opositor burundês que se encontra exilado em Bruxelas, fala num “golpe de Estado contra a vontade das pessoas que se mobilizaram atrás da caravana da mudança liderada por Agathon Rwasa. É um golpe de força e não há muitas palavras para o dizer.”

Acusações que Albert Shingiro, representante permanente do Burundi nas Nações Unidas, rejeita. “O candidato em questão sempre rejeitou o veredicto das urnas desde 2010. Penso que ele vai cair em si porque tudo foi feito com transparência e os resultados foram publicados online em tempo real e em mais de 30 meios de comunicação, incluindo os próximos da oposição”, alega.

Grandes desafios

O representante permanente do Burundi nas Nações Unidas mostra-se tranquilo com a chegada ao poder de Evariste Ndayishimiye. “O general Evariste Ndayishimiye é um homem que reúne e une as pessoas. É inclusivo. A sua vitória é a vitória de todo o povo do Burundi, um povo digno, orgulhoso e soberano. Aqueles que se sentem derrotados também serão incluídos na gestão do país”, considera.

Um gestão que não se adivinha fácil. Muitos doadores internacionais suspenderam a ajuda ao país após as eleições de 2015, o que conduziu a uma escassez de moeda estrangeira. Os níveis de desemprego e pobreza no país são por isso, neste momento, muito elevados. os desafios para o novo governo são grandes.

“Desde 2015, temos visto como o Burundi tem estado a lutar pela sua economia. Este pode ser um dos principais desafios que o novo governo tem pela frente”, afirma o jornalista burundês Moses Havyarimana.

Quem é Evariste Ndayishimiye?

Conhecido pelo seu apelido “Neva”, o antigo general do exército Ndayishimiye é secretário do partido governamental CNDD-FDD desde 2016. Antes de se tornar presidente, foi chefe do Departamento de Assuntos Militares sob o comando do ex-presidente Pierre Nkurunziza. Foi também Ministro do Interior de 2006 a 2007.

Evariste Ndayishimiye era um jovem estudante na Universidade do Burundi quando a guerra civil começou, em 1993, e escapou por pouco a um ataque das milícias Tutsi ao campus de Direito que matou dezenas de estudantes. À medida que a guerra avançava, Ndayishimiye, que acabou por se juntar à milícia Hutu, foi subindo gradualmente nas fileiras do CNDD-FDD.

Mais tarde, em 2003, o partido deu-lhe a missão de principal negociador nas conversações de cessar-fogo que puseram fim ao conflito em 2006.

Tomada de posse em Agosto

Os eleitores do Burundi foram às urnas a 20 de maio para eleger o seu Presidente, deputados e presidentes de câmara, num ato eleitoral que contou com uma participação de 87,7% dos 5,11 milhões de eleitores recenseados. Os resultados anunciados esta segunda-feira dão a Evariste Ndayishimiye uma maioria absoluta e evitam uma segunda volta.

O sucessor de Pierre Nkurunziza, no poder desde 2005, deverá tomar posse em Agosto para um mandato de sete anos, caso o Tribunal Constitucional confirme estes resultados a 4 de Junho.

- Publicidade -
- Publicidade -

Atlantic Ventures desmente Estado angolano e garante: “Tribunal Arbitral de Paris apenas não tinha competência para julgar o caso”

Em resposta ao comunicado emitido pelo Ministro dos Transportes de Angola, Viegas de Abreu, segundo o qual a empresa Atlantic Ventures teria sido condenada...
- Publicidade -

Com mais de 20 mil novos casos, Brasil se aproxima das 2 milhões de infecções pela COVID-19

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil aumentou em 20.286 nas últimas 24 horas, elevando o total acumulado a mais de...

Detido antigo director do gabinete do governador do Cuanza Sul

O antigo director do gabinete do governador da província do Cuanza Sul, Gildo Ferreira, foi detido segunda-feira (13) pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC). O...

Comité especial da OPEP+ prepara redução de cortes na produção de Petróleo

A produção de petróleo da OPEP+, organização que junta os Países Exportadores (OPEP) e um grupo de outros 10 produtores liderados pela Rússia, vai...

Notícias relacionadas

Atlantic Ventures desmente Estado angolano e garante: “Tribunal Arbitral de Paris apenas não tinha competência para julgar o caso”

Em resposta ao comunicado emitido pelo Ministro dos Transportes de Angola, Viegas de Abreu, segundo o qual a empresa Atlantic Ventures teria sido condenada...

Com mais de 20 mil novos casos, Brasil se aproxima das 2 milhões de infecções pela COVID-19

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil aumentou em 20.286 nas últimas 24 horas, elevando o total acumulado a mais de...

Detido antigo director do gabinete do governador do Cuanza Sul

O antigo director do gabinete do governador da província do Cuanza Sul, Gildo Ferreira, foi detido segunda-feira (13) pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC). O...

Comité especial da OPEP+ prepara redução de cortes na produção de Petróleo

A produção de petróleo da OPEP+, organização que junta os Países Exportadores (OPEP) e um grupo de outros 10 produtores liderados pela Rússia, vai...

Banco Mundial vai ajudar Guiné-Bissau a diminuir dívida pública

Bissau quer diminuir a dívida pública para assinar um novo programa de assistência com o FMI. Impacto económico da pandemia será "muito negativo" porque...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.