- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Vida Saúde Covid-19: OMS na tormenta inicia Assembleia Geral virtual

Covid-19: OMS na tormenta inicia Assembleia Geral virtual

A Organização Mundial de Saúde organiza a sua Assembleia Geral anual até 21 de Maio, em plena pandemia de Covid-19, com uma forte polémica em torno da gestão desta crise pelo seu director-geral, o etíope Tedros Adhanom Gebreyesus, acusado de conivência com a China.

A Assembleia Geral da OMS acontece anualmente e normalmente apenas interessa os peritos do sector dos 194 países membros, mas este ano realizada por video-conferência, esta deverá transformar-se num campo de batalha geopolítica, o que tem sucedido igualmente com a pandemia de Covid-19, pois como todas as instâncias da ONU, esta organização reflecte as relações de força internacionais.

Dois temas vão dominar esta Assembleia Geral: o lançamento de um inquérito imparcial, completo e independente sobre a resposta à pandemia de Covid-19 defendido pela União Europeia e o lugar de Taiwan na organização, que se pretende mundial.

Mas também a futura comercialização e distribuição de uma vacina contra a pandemia de Covid-19.

A OMS é acusada pelo Presidente Donald Trump de conivência com a China, onde foi despoletado o epicentro da pandemia, com o primeiro caso em Wuhan a 17 de Novembro, mesmo se em Janeiro Donald Trump felicitou este país pela forma como combatia o novo cornavírus, em Abril Trump suspendeu a contribuição norte-americana à organização, que rondava entre 400 e 500 milhões de dólares anuais.

A China por sua vez anunciou uma contribuição de cerca de 10% deste valor, o que Donald Trump denunciou num tweet este fim de semana, continuando a denunciar que a “praga ou flagelo veio da China” o que enerva Pequim, mas reconforta o seu eleitorado.

Mas Donald Trump não é o único a criticar a OMS, vários Estados e peritos estimam que a organização tardou em reconhecer a transmissão do vírus entre seres humanos e deixou Pequim ditar o momento de declarar o alerta sanitário internacional, uma decisão capital.

Alguns acusam a China pela sua falta de transparência e oposição à presença de Taiwan na OMS, a Europa pede um inquérito internacional imparcial, completo e independente logo que possível, sobre a resposta internacional à pandemia, mas em estreita ligação com a OMS e não contra ela, que poderia ter o apoio de uma centena de países.

A proposta europeia é menos constrangedora do que a da Austrália que queria que fosse efectuado um inquérito independente sobre a origem da novo coronavirus SARS-CoV-2.

A China saúda a proposta europeia, mas considera que “o momento não é oportuno” e que o mais importante é “combater o vírus até à vitória final”, admitindo no entanto “não se opor a um inquérito científico sobre a origem do vírus, sob a égide da OMS ou de uma organização regional, com a inclusão de dados relativos à China, mas também aos Estados Unidos e outros países”.

Em 2005 após a epidemia de SARS, os Estados reforçaram o “regulamento sanitário internacional” ou RSI na sigla inglesa, a “bíblia” da OMS, atribuindo-lhe um poder supranacional, mas tal não foi utilizado no contexto actual da pandemia de Covid-19, que já causou mais de 300.000 mortes no mundo e 4,8 milhões de infectados.

- Publicidade -
FonteRFI
- Publicidade -

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...
- Publicidade -

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Notícias relacionadas

Ana Gomes sobe à custa de Marcelo e Ventura

A candidata da área socialista é cada vez mais a pretendente a Belém com maior margem para impedir uma reeleição retumbante de Marcelo. Ana...

Burlas “matam” sonho da casa própria de milhares de famílias

Das dezenas de projectos imobiliários lançados no auge da construção em Luanda, muitos foram parar à barra do tribunal por burlas aos clientes, que...

O tempo e o bom senso (IV)

1 - Há muito que acompanho a trajectória de Jorge Valdano, um argentino com invejável percurso no mundo do futebol (jogador, treinador, dirigente e...

Joana Lina, GPL: “Manifestação foi acto de vandalismo”

Durante a marcha realizada por membros da sociedade civil e apoiada pela UNITA, foram queimadas motas e destruídos contentores de lixo, além do impedimento...

Polícia frustra manifestação não autorizada em Luanda

A Policia Nacional frustrou ontem a realização de uma manifestação não autorizada pelas autoridades, por força das medidas restritivas de prevenção e combate à...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.