- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Economia BNA quer obter da União Europeia equivalência de regulamentação e supervisão

BNA quer obter da União Europeia equivalência de regulamentação e supervisão

O Banco Nacional de Angola (BNA) quer obter da União Europeia equivalência de regulamentação e supervisão que permitirá “assegurar um sistema financeiro mais sólido e seguro” e, para isso, está a preparar uma candidatura com esse objectivo.

Com esta equivalência assegurada, Angola poderá ver facilitada a actividade transfronteiriça das suas instituições financeiras porque se encaixa no “ambiente prudencial comum” ao da União Europeia, desde que o País adopte os mesmos padrões, que são dos mais exigentes em todo o mundo.

Em comunicado emitido hoje através do seu site oficial, o BNA informa que esta pretensão visa adequar as regras nacionais ao pacote legislativo aprovado em 2013 pela União Europeia que inclui Regulamento de Requisitos de Capital (CRR) e a Directiva de Requisitos de Capital (CRD) com os quais os europeus reforçaram a sua regulamentação do sector bancário e asseguraram, segundo o próprio BNA, um sistema financeiro mais sólido e com maior segurança.

O BNA explica ainda que o CRR contém os “requisitos prudenciais detalhados para instituições de crédito em termos de requisitos de capital, definição e mensuração de risco para risco de crédito, mercado e operacional, liquidez e alavancagem”.

E o CRD “trata dos procedimentos e processos da supervisão para garantir a monitorização eficaz da governação e práticas de risco e prevê requisitos sobre disposições e regras de governação corporativa que visam aumentar a eficácia da supervisão de riscos”.

Mas o que interessa a Angola é que o CRR contém a possibilidade de entidades e determinados governos de países extracomunitários, poderem “beneficiar do mesmo tratamento (mais favorável) aplicado a exposições aos países da UE em termos de requisitos de capital”.

Isto, como avança o BNA neste comunicado, “quando a Comissão Europeia determina que a supervisão prudencial de um país terceiro e os requisitos regulamentares são pelo menos equivalentes aos aplicados na EU”.

Actualmente existem, desde 2014, ano em que a União Europeia abriu essa oportunidade, 17 países com esta equivalência, sendo a África do Sul o único do continente africano, constando ainda da lista, entre outros, o Brasil, a China, Índia, Japão, Estados Unidos, Suíça, Singapura ou a Arábia Saudita.

Perante este quadro, o BNA, segundo esta nota publicada no seu site, decidiu iniciar o processo formal para integrar esta lista porque, se aceite, vai contribuir fortemente “para um sistema financeiro nacional mais sólido, seguro e sustentável”.

Este processo poderá levar cerca de cinco anos a estar concluído, contendo nele três etapas: Alinhamento da regulamentação e dos processos de supervisão prudencial (SREP); Execução do Ciclo de Supervisão com regulamentação e processos equivalentes em colaboração com Autoridades de Supervisão Europeias; e Candidatura a Equivalência de Supervisão e envolvimento de Autoridades de Supervisão Internacionais.

Recorde-se que em 2014 o Banco Central Europeu obrigou os bancos europeus, afectando principalmente bancos portugueses, a diminuírem a sua exposição ao sistema financeiro angolano, tendo, para isso, agravado fortemente o risco de investimento para Angola, o que levou, entre outros, a uma descida substancial do capital do BPI no BFA.

Nessa altura, Bruxelas excluiu Angola da lista de países com uma regulamentação e supervisão financeiras equivalentes à existente na União Europeia.

Tal decisão surgiu no seguimento do colapso do BESA.

- Publicidade -
- Publicidade -

João Lourenço responsabiliza UNITA de incitar jovens à desobediência civil

Presidente angolano diz esperar que jornalistas não venham a ser detidos, mas adverte que autoridades vão manter a ordem. O Presidente angolano responsabilizou a UNITA...
- Publicidade -

Manifestação: Tribunal está a interrogar os detidos à porta fechada – Por dia serão ouvidos cerca de 20 cidadãos

Entre os primeiros cidadãos, do grupo dos 103 detidos, ouvidos esta terça-feira no Tribunal Provincial de Luanda "Palácio D. Ana Joaquina", está o secretário-geral...

Marido de Isabel dos Santos morre afogado no Dubai

O marido de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo, morreu num acidente no mar no Dubai. A notícia está a ser avançada por jornais internacionais....

Angola substitui Código Penal da era colonial

A Assembleia Nacional aprovou hoje, terça-feira, 27, o novo Código Penal, com 167 votos a favor, nenhum contra, e a abstenção de dois deputados...

Notícias relacionadas

João Lourenço responsabiliza UNITA de incitar jovens à desobediência civil

Presidente angolano diz esperar que jornalistas não venham a ser detidos, mas adverte que autoridades vão manter a ordem. O Presidente angolano responsabilizou a UNITA...

Manifestação: Tribunal está a interrogar os detidos à porta fechada – Por dia serão ouvidos cerca de 20 cidadãos

Entre os primeiros cidadãos, do grupo dos 103 detidos, ouvidos esta terça-feira no Tribunal Provincial de Luanda "Palácio D. Ana Joaquina", está o secretário-geral...

Marido de Isabel dos Santos morre afogado no Dubai

O marido de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo, morreu num acidente no mar no Dubai. A notícia está a ser avançada por jornais internacionais....

Angola substitui Código Penal da era colonial

A Assembleia Nacional aprovou hoje, terça-feira, 27, o novo Código Penal, com 167 votos a favor, nenhum contra, e a abstenção de dois deputados...

Manifestação: Comité para a Protecção dos Jornalistas acusa polícia de perseguição e intimidação a jornalistas e exige medidas que garantam a liberdade de imprensa

O Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ, sigla em inglês), com sede em Nova Iorque, EUA, critica fortemente a polícia angolana por ter...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.