InicioMundo LusófonoMoçambiqueMoçambique: Assassinatos e extracção de órgãos amedrontam populares na Zambézia

Moçambique: Assassinatos e extracção de órgãos amedrontam populares na Zambézia

A população da província da Zambézia vive aterrorizada na sequência de assassínios frequentes para a extracção de órgãos humanos. Membros da sociedade civil suspeitam do envolvimento de dirigentes no tráfico.

Nos últimos meses, na província central da Zambézia, pelo menos três crianças, com idade entre 8 e 16 anos, foram sequestradas, assassinadas e tiveram os órgãos extraídos.

O primeiro crime ocorreu em Novembro de 2019 e o acusado é Elias Durão, um profissional do sector da Educação da Zambézia. Depois de ser detido, o acusado pagou avultadas somas em dinheiro como caução e foi solto no fim de Dezembro. Vai responder pelo crime em liberdade. Uma decisão que gera revolta popular.

O outro caso ocorreu há poucos dias, no distrito de Gurué, a norte da província. Os quatro supostos envolvidos foram detidos na segunda-feira (11.05). Um dos deles confessou ter assassinado e esquartejado a sangue frio os dois menores.

“As crianças eram de 13 e 8 anos. A minha memória estava embaralhada, não sei o que me deu”.

O porta-voz do comando provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM) na Zambézia, Sidner Lonzo, afirmou que partes dos corpos das duas crianças assassinadas em Gurué foram encontradas no campo de cultivo de chá, naquela região.

“Um dos indivíduos contatou ao seu comparsa com o intuito de conseguir alguns órgãos humanos para depois proceder à venda dos mesmos. Depois que um individuo, residente nas imediações de um dos campos de cultivo de chá, recorreu a nossa subunidade policial. A situação deixou-nos extremamente espantados. Encontramos dois corpos somente com a parte dos membros superiores”, conta Lonzo.

Aumento da violência

Dezenas de residentes de Zambézia dizem que vivem amedrontados pela onda de assassinatos. Amida Chipire desabafa: “Não me sinto à vontade. Fico em constante medo, pois tenho crianças que passeiam por aí. Gostaria que o Governo tomasse medidas. Assim que o coronavírus passar, as crianças terão medo de ir à escola. Eles deixam o assassino trabalhar. Apelo a todas mães que devemos ter cautela”.

O historiador Bruno Mendiate diz que esse tipo de crime na Zambézia não é novo, mas que nos últimos anos a situação está caótica, porque as pessoas envolvidas no tráfico de órgãos humanos pensam nos ganhos financeiros.

“Havia pessoas que eram ligadas a isso e tratava-se [o caso] como se fosse boato. O que está a acontecer agora é a ganância das pessoas que quererem enriquecer a todo custo ou a qualquer custo, por conta dessa mesma ganância aparece o oportunismo. Nós temos curandeiros que condicionam o ritual para enriquecimento de alguém à presença de um órgão humano”, entende o historiador.

“Assassinato de pessoas para extrair órgãos”

Bruno Mendiate diz que aumenta os casos de extracção de órgãos porque não há muita gente que se oferece para doar os seus órgãos e, portanto, “para que esse negócio flua, o recurso é o mercado negro: assassinato de pessoas para extrair órgãos”.

Entretanto, Sílvio Siva, activista cívico da província, não afasta a possibilidade de alguns dirigentes e especialistas em saúde estarem envolvidos no tráfico de órgãos humanos. “Nós, como a sociedade civil, achamos que são actos recorrentes e que preocupam. Assiste-se cada vez mais a uma tendência de aumentar estas situações. Qual é o mercado a ser levado esses órgãos extraídos? Existe uma rede, e não é uma rede pequena, que tem que ser rompida. Para a extracção de órgãos humanos existe alguém da saúde e existem autoridades”.

FonteDW

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.