- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Insurgência em Cabo Delgado: Aumenta brutalidade militar na região

Insurgência em Cabo Delgado: Aumenta brutalidade militar na região

Os deslocados que fogem da insurgência nos distritos do norte de Cabo Delgado dizem que estão cada vez mais com receio de militares, cuja brutalidade é justificada por alegadas medidas contra a infiltração de jihadistas na capital Pemba.

A VOA ouviu relatos de que em bairros como Paquitequete e Natite, onde diariamente chegam barcos lotados de deslocados, as rusgas policiais e militares foram redobradas. Elementos destas forças de defesa e segurança, disseram testemunhas, torturam aleatoriamente deslocados e moradores que os acolhem.

Muitos desses casos não chegam à imprensa, porque as vitimas receiam represálias.Três vitimas de tortura das forças estatais, por terem sido confundidos com insurgentes ao desembarcar em Pemba, desistiram de entrevistas com a VOA após alegando que seriam perseguidos.

“Ultimamente há um flagrante desrespeito aos cidadãos. Como toda a população esta nervosa e as próprias forças de defesa e segurança estão no limite, nós vimos espancamentos até a morte e a proibição do trabalho de jornalistas,” diz à VOA, Luiz Fernando Lisboa, bispo da Diocese de Pemba.

Sem gravar a entrevista, um jovem contou à VOA que ficou com o braço esquerdo fracturado, em resultado de uma agressão das forças estatais, no bairro Paquitequete, na manhã do dia 13 de Abril. Tudo porque não portava o bilhete de identidade.

Três dias depois, um outro jovem foi cruelmente torturado por militares. As graves lesões nas nádegas, de 14 cacetadas, forçaram-lhe a duas semanas de cama. O seu “crime”: Conversar com amigos no quintal. Foi o único agredido na ocasião, uma vez que os amigos conseguiram fugir.

Manifestação contra a brutalidade

Os residentes de Paquitequete fizeram uma manifestação contra a brutalidade, bloqueando as ruas do bairro, queimando pneus e lançando pedras contras agentes da Polícia, na noite de 22 de Abril. A Policia, em mais uma incursão, disparou balas reais e lançou gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes.

Incidentes do género são reportados noutras partes da província. A 25 de Abril, dois jovens foram executados, supostamente por forças estatais na ilha do Ibo, quando foram encontrados por militares a ver fotos e vídeos no telefone, sobre a insurgência.

Isso aconteceu um dia antes de ter sido raptado o sheik Kidume, que liderava uma mesquita ligada à Africa Muslim, em Palma; e do desaparecimento misterioso do jornalista Ibraimo Mbaruco, da Rádio Comunitária de Palma. Os dois continuam desaparecidos.

Abordado pela VOA sobre os raptos, o representante do Congresso Islâmico em Pemba, recusou-se a comentar, dizendo que apenas podia falar do Ramadão, e lembrando que denunciou às autoridades, em 2012, a introdução do radicalismo no Islão nos distritos de Cabo Delgado.

As autoridades policiais raramente prestam declarações à comunicação social sobre as atrocidades e raptos, e nas raras aparições dizem que estão em curso investigações.

No último contacto com a VOA, em finais de Abril, o porta-voz da Polícia de Pemba, Augusto Guta, disse que não foi localizado o jornalista Ibraimo Mbaruco, refutou o envolvimento das autoridades em atrocidades e pediu apoio da população para ajudar a localizar o jornalista Mbaraco.

E fez uma promessa: “estamos a trabalhar (…) vamos voltar a comunicar, porque é do nosso interesse garantir a integridade física” dos cidadãos

Nyusi admite atrocidades

Após várias críticas da sociedade civil, o presidente Filipe Nyusi admitiu, a ocorrência de violação de direitos humanos.

Nyusi disse que “por conta do cumprimento dessas medidas [combate aos insurgentes] ocasiões há em que temos sido confrontados com algumas alegações de violações de direitos humanos perpetrados pelas autoridades e outros actores”.

“Verdadeiras ou não, estas informações devem sempre merecer a nossa e a vossa atenção com a máxima serenidade e sem emoções,” disse Nyusi.

Os refugiados esperam o fim de atrocidades de todos os lados – autoridades e insurgentes – para retomarem suas vidas.

- Publicidade -
- Publicidade -

Escassez de combustível em Mbanza Kongo atribuída ao contrabando

Mbanza Kongo - Munícipes de Mbanza Kongo, província do Zaire, afirmaram nesta sexta-feira que as constantes rupturas de combustíveis que se assiste na cidade...
- Publicidade -

MBanza Kongo Património Mundial da Humanidade ou do contrabando?

Contrabando é sinal de irregularidade. É uma violação grosseira às normas sociais e económicas que regem os Estados. O centro histórico de MBanza Kongo,...

FMI prevê que todas as economias lusófonas africanas voltam a crescer em 2021

O Fundo Monetário Internacional (FMI) previu hoje num relatório sobre a África subsaariana que todas as economias dos países lusófonos africanos cresçam já em...

Cristiano Ronaldo volta a testar positivo à Covid-19

Recorde-se que foi a 13 de Outubro que o jogador soube que estava infectado com o novo coronavírus. Cristiano Ronaldo voltou a testar positivo à...

Notícias relacionadas

Escassez de combustível em Mbanza Kongo atribuída ao contrabando

Mbanza Kongo - Munícipes de Mbanza Kongo, província do Zaire, afirmaram nesta sexta-feira que as constantes rupturas de combustíveis que se assiste na cidade...

MBanza Kongo Património Mundial da Humanidade ou do contrabando?

Contrabando é sinal de irregularidade. É uma violação grosseira às normas sociais e económicas que regem os Estados. O centro histórico de MBanza Kongo,...

FMI prevê que todas as economias lusófonas africanas voltam a crescer em 2021

O Fundo Monetário Internacional (FMI) previu hoje num relatório sobre a África subsaariana que todas as economias dos países lusófonos africanos cresçam já em...

Cristiano Ronaldo volta a testar positivo à Covid-19

Recorde-se que foi a 13 de Outubro que o jogador soube que estava infectado com o novo coronavírus. Cristiano Ronaldo voltou a testar positivo à...

Assassino de professor francês em contacto com ‘jihadista’ russófono

O assassino do professor francês degolado na sexta-feira estava em contacto com um ‘jihadista’ russófono na Síria, indicou hoje fonte próxima do dossier. A identidade...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.