InicioMundoÁfricaCovid-19: Burundi vai expulsar representantes da OMS

Covid-19: Burundi vai expulsar representantes da OMS

Quatro especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Burundi são acusados de “interferência inaceitável na gestão do coronavírus” e vão ser expulsos do país. Oposição contesta medidas adoptadas pelo Governo.

Numa carta endereçada ao escritório africano da OMS, o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Burundi diz que “tem a honra de informar que as pessoas, cujos nomes estão listados abaixo, foram declaradas ‘persona non grata’ e que, portanto, devem deixar o território do Burundi antes de 15 de maio de 2020”.

De acordo com a agência de notícias francesa AFP, trata-se de Walter Kazadi Mulombo, representante da OMS no Burundi, dois funcionários, Jean-Pierre Mulunda Nkata, coordenador da resposta ao novo coronavírus no país, e Ruhana Mirindi Bisimwa, chefe do programa de doenças transmissíveis, e o consultor, Daniel Tarzy, especialista em biologia molecular.

“É toda a equipa da OMS responsável pelo apoio ao Burundi na resposta à Covid-19. (…). Foram acusados de interferência inaceitável na gestão do coronavírus”, explicou à AFP um funcionário do Burundi, sob anonimato.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Burundi tinha iniciado o processo de expulsão dos quatro funcionários no mês passado, mas depois suspendeu-o após conversações entre o chefe de Estado Pierre Nkurunziza e o director-geral da OMS, segundo fontes diplomáticas e administrativas. Estas expulsões ocorrem alguns dias antes das eleições presidenciais e legislativas de 20 de maio.

Acusações contra o Governo

Entretanto, o Governo do Burundi é acusado pelos médicos e pela oposição de ocultar casos da Covid-19. Até agora, o país registou oficialmente apenas 27 casos positivos e uma morte.

O chefe do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), John Nkengasong, classificou nesta quinta-feira (14.05) a acção do Burundi como “infeliz” e disse que quaisquer diferenças devem ser tratadas através do diálogo, em vez de acções que afectam a resposta à pandemia.

“Não temos o luxo de expulsar a OMS”, disse Nkengasong a repórteres. “Esta guerra deve ser vencida de forma coordenada, e a coordenação é fundamental. Estamos em extrema necessidade de conhecimento. Incentivamos os países a fazerem a coisa certa”.

O Governo, que considera que o país está protegido da covid-19 pela “Graça Divina”, decidiu fechar as fronteiras, mas não tomou medidas de contenção, ao contrário da maioria dos outros países da região.

Desde o início da campanha eleitoral, as reuniões políticas ocorreram normalmente e atraíram grandes multidões, sem que medidas reais de saúde fossem implementadas.

FonteDW

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.