InicioMundoAmérica do SulColaboradores de Guaidó renunciam após serem acusados de promover tentativa de 'invasão'...

Colaboradores de Guaidó renunciam após serem acusados de promover tentativa de ‘invasão’ da Venezuela

Dois colaboradores no exterior do líder opositor Juan Guaidó renunciaram a seus cargos nesta segunda-feira, após serem acusados pelo governo de Nicolás Maduro de promover uma tentativa de “invasão” da Venezuela.

“O estrategista político Juan José Rendón e o deputado Sergio Vergara apresentaram suas respectivas cartas de demissão” ao governo interino de Guaidó, anunciou a assessoria de imprensa do dirigente.

Chefe do Parlamento, opositor, e reconhecido como presidente encarregado da Venezuela por meia centena de países, mas sem conseguir tirar de Maduro o controle territorial e das Forças Armadas, Guaidó aceitou as demissões, segundo o documento.

Rendón e Vergara apareciam como “estrategista geral” e “comissário presidencial” para o gerenciamento de crises, respectivamente, na estrutura organizacional de Guaidó.

As demissões acontecem uma semana depois que Maduro e funcionários do alto escalão anunciaram ter frustrado uma “invasão”, em 3 e 4 de maio, nas localidades costeiras de Macuto e Chuao, no norte da Venezuela, pela qual responsabilizam Guaidó e seus principais aliados internacionais, Estados Unidos e Colômbia.

Na última sexta-feira, a Procuradoria venezuelana anunciou uma ordem internacional de prisão contra Rendón e Vergara, que têm residência nos Estados Unidos, acusando-os de assinar, juntamente com Guaidó, um contrato com a empresa privada de segurança e defesa Silvercorp USA para realizar a incursão.

O procurador-geral, Tarek William Saab, de linha governista, pediu outra ordem de prisão internacional, contra o americano Jordan Goudreau, fundador da Silvercorp.

Rendón reconheceu, em entrevista à CNN, ter assinado um contrato com a empresa, mas afirmou que o mesmo foi “exploratório” e que não foi dada autorização para uma operação na Venezuela. Ele desvinculou Guaidó do acordo.

A “tergiversação” do documento é uma “manipulação grosseira do regime em sua tentativa de criar um épico que lhe dê um respiro”, escreveu Rendón em sua carta de demissão, divulgada hoje pela assessoria de Guaidó.

O chefe parlamentar, que, a princípio, classificou o contrato de falso, denunciou na sexta-feira que o governo chavista busca “desculpas” para prendê-lo.

A “invasão” fracassada acabou em 45 detidos, entre eles os militares reformados americanos Luke Alexander Denman, 34, e Airan Berry, 41, que sofreram várias acusações, entre elas a de terrorismo.

FonteAFP

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.