Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Mulher espanca filha até à morte por visitar o pai

Imagem ilustrativa (DR)

Uma cidadã de 28 anos de idade, identificada por Delfina Miguel, é acusada de matar a própria filha, menor de seis anos, com vários golpes na cabeça, supostamente por ter ido visitar o pai, em casa da madrasta, um crime que ocorreu no município de Cacuso, 72 quilómetros a Oeste da cidade de Malanje, escreve o JA.

O comandante municipal da Polícia Nacional, superintendente João Sancara, informou que o crime aconteceu no bairro da Maxinde, pelo facto de a vítima ter decidido ir à casa da madrasta, ao encontro do pai que está separado da mãe há dois anos.

No regresso a casa, a criança foi interrogada pela mãe, para saber onde se encontrava, tendo respondido que vinha da casa do pai, acto que culminou com a agressão física, com recurso a um mexarico, com o qual desferiu vários golpes na cabeça da filha, acabando por sucumbir momentos depois.

A infanticida, que já se encontra detida na cadeia feminina de Cacuso, vai responder em Tribunal pelo crime cometido, disse o comandante municipal da Polícia Nacional em Cacuso.

O superintendente João Sancara disse que Delfina Miguel recusou em primeira instância ter cometido o crime, atribuindo a acção a marginais, mas foi desmentida por uma outra filha de dez anos, que presenciou o crime.

A menor, segundo o superintendente João Sancara, foi também alvo de agressão física por parte da mãe quando tentava abrir a porta para despertar os vizinhos que só apareceram depois da consumação do crime, que chocou Cacuso.

Segundo o comandante municipal de Cacuso da Polícia Nacional, Delfina Miguel proibia a filha de ir a casa da madrasta, alegando o abandono do pai, com quem viveu antes com sete filhos, dos quais quatro de uma outra relação conjugal.

Segundo a Polícia Nacional, a menor revelou que no momento do sucedido, a mãe estava embriagada, tendo decidido dormir e despertou às 4h00 da madrugada, altura em que se apercebeu de que a filha estava morta.
Testemunhas ouvidas pelo Jornal de Angola contam que no dia do sucedido, a suposta autora do crime colocou o cadáver da filha fora de casa.

Hilário Guilherme, um dos vizinhos, disse que depois da simulação, ela, como forma de se livrar do crime, recorreu aos vizinhos, informando sobre o sucedido, mas pelos vestígios de sangue nas paredes da casa, descobriu-se logo que ela era a autora do assassinato.

O vizinho conta ainda que a suposta agressora terá também tentado desferir golpes de faca contra a filha, que não resistiu aos ferimentos, tendo morrido por falta de assistência médica imediata.

Segundo a testemunha, este é o segundo caso protagonizado por Delfina Miguel, que supostamente terá assassinado o filho primogénito de 14 anos, depois de lhe arrancar os órgãos genitais. O marido da mulher fugiu de casa, há três meses, ameaçado de morte, por motivos passionais.

O superintendente João Sancara disse que o município de Cacuso é estável em termos de criminalidade e que os crimes mais frequentes na região são os de ofensas corporais e furtos.

Quase todos os dias, surgem no país vários relatos de crimes de violência doméstica em que as vítimas são invariavelmente mulheres e crianças, cujos protagonistas são maioritariamente pessoas do sexo masculino.

Por causa da avalanche de casos, é voz corrente na sociedade angolana, a alteração da Lei dos crimes de violência doméstica, com aumento do tempo de duração das penas, como forma de desencorajar estas práticas.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »